segunda-feira, 12 de junho de 2017

COMUNISMO VS CATOLICISMO



COMUNISCO E CATOLICISMO
A SEXUALIDADE FEMININA
Se se entregarem à vida e se libertarem dos receios anteriores, descobrirão que a vida se entregará a vós muito mais em pleno. A única coisa que nos barra de uma vida em pleno é o medo. Pensem nisso. Bem sei que não é fácil de fazer, por exigir trabalho e disposição; precisam ser honestos convosco próprios – e essas coisas são muito difíceis de conseguir, em especial se tivermos sido condicionados a não compreender essas coisas.
Quando pela primeira vez vimos ao muno físico, todo o condicionamento de que somos alvo é do medo, que em grande parte actua como uma protecção para nós. E a preservação de nós próprios num ambiente que não compreendemos. Assim, o medo, no início, é natural. Mas quando atingimos um estado de consciência em que conseguimos alguma compreensão do mundo que nos rodeia e não fazemos qualquer esforço por o compreender, prosseguimos toda a nossa vida – por mais longa que seja – no medo – que por sua vez actua não como protecção mas como uma barreira muito concreta contra o aprendizado e o apreço pela vida
Para eliminarem esse medo que é que precisam fazer? Precisam fazer um esforço consciente – a toda a hora - para observarem o mundo ao vosso redor, a fim de apurarem o que se passa e de tentarem compreender o sentido destas coisas que se estão a passar ao vosso redor. Por que agem as pessoas da forma que estão a agir – não somente no meio imediato, mas por todo o mundo? Que é que está a provocar guerras e promessas de guerra, por vezes chamadas ameaças de guerra – que todavia representam mais promessas de guerra. Porquê? Creio que descobrirão que se deve ao que referi - ao medo; ao medo que procede da incompreensão que temos uns dos outros – as pessoas, os vizinhos e as massas de vizinhos como as nações.
Bom; aqui nesta vossa nação, deu-se mais recentemente um esforço por o cidadão Americano estudar o Comunismo, para chegar a conhecer a sua natureza a fim de chegar a apurar a quilo de que sente medo, conseguir travar esse medo e responder-lhe com inteligência. Posso aduzir que na Rússia estão a fazer a mesma com os seus jovens, com respeito ao mundo Capitalista. Estão a educá-los no conhecimento do Capitalismo e a identificar os seus pontos fracos em comparação com os pontos fracos e fortes do Comunismo. Bom, isso jamais tinha sido feito desde que a Rússia se tornou num país Comunista, assim como nunca antes foi feito no vosso país com respeito ao Comunismo.
Os Americanos evitaram e procuraram impedir o seu povo de saber alguma coisa sobre o Comunismo, e é por causa de condições dessas, dessa aprendizagem que se tem dado tanto na vossa nação como na Rússia que o Khruschev acalmou o ímpeto que tinha de tomar o vosso país pela via da força; a ideia desvaneceu-se. Bom, a verdade é que os Comunistas, quando Estaline tomou o controlo da nação, depois dos Bolsheviques chacinarem milhares e milhares de pessoas – muitas das quais completamente inocentes de qualquer erro ou ofensa – foi elaborada uma política com base na declaração de que a Rússia sob circunstâncias nenhumas que possivelmente pudessem ser evitadas iniciaria uma guerra ou, caso se visse forçada a uma guerra, não lhe daria continuidade. Tudo fariam para impedir que isso ocorresse, ou para impedir que fosse demasiado longe. Porquê? Não por serem misericordiosos e não tenham vontade de matar, mas por saberem mais sobre as guerras. A história ensinou-os de que a melhor forma de guerrear é numa guerra fria em que os Comunistas planeiem, e planearam, devorar as nações a partir de dentro, enviando esses para o seu seio silenciosamente
Comentário: Para os minar?
Exactamente. Eles nunca iniciarão uma guerra e tudo farão para deter qualquer guerra, embora outras nações comunistas procurem iniciar guerras, enquanto o povo Russo – o povo Comunista da Rússia ajude em certa medida essas outras nações – tal como a vossa nação está a ajudar as outras facções dessas nações. Sempre que uma ameaça concreta venha a ameaçar envolver activamente numa guerra a nação Comunista, a Rússia desistirá; eles abrirão mão disso.
Comentário: Por acaso, estas duas grandes nações que se encontram tão comprometidas não combaterão uma a outra, mas deixam que as nações menores se envolvam nisso.
Mas no caso de uma guerra aberta ter início e que venha a ser utilizado o poder atómico, a Rússia não dará continuidade à guerra. Ela desistirá da terra tomada, caso necessário.
Pergunta: Que parte representam os Católicos nisso?
Ah, uma parte muito significativa! Muito significativa. Está a decorrer muita conversação nas nações Comunistas, com a Igreja Católica a fazer todo o género de promessas para voltar a essas nações comunistas, para tomarem o controlo. Vejam bem, a Rússia não expulsou a religião do seu país. Nem destruiu as igrejas. Nem sequer as fechou. Aquilo que fez foi o que vocês nesta nação há muito tempo deviam ter feito – retirou a religião, enquanto negócio que é, das mãos do sistema sacerdotal e entregou-a de volta às pessoas pelo que as pessoas puderam ir à igreja quanto quisessem, só que as igrejas eram dirigidas pelo estado – que é como deveria ser. A religião deveria ser tirada das mãos do sistema sacerdotal e devolvida às pessoas, a quem pertence.
Pergunta: E os Católicos?
Eles estão drenar o vosso país; estão a sangrá-lo até à morte com a propriedade particular de cunho religioso livre de impostos. As pessoas Católicas são como carneiros – assemelham-se ao povo Protestante, os frequentadores da Igreja – e não digo isto com qualquer sentido de prejuízo ou de objecção para com qualquer grupo religioso; digo-o por uma razão apenas, por ser verdade que aqueles que frequentam os templos não saberem nada sobre o funcionamento interno dos templos. Sabem apenas o que o sistema sacerdotal permite que saibam, e nada mais.
(Excerto de sessão a traduzir oportunamente, do Professor Luntz:
Prof. Luntz: “...Como supõem que Castro tenha entrado em Cuba? Vocês colocaram-no lá, o vosso governo colocou-o lá. Como se chamava o outro? Batista. Esse homem sucedeu no cargo como ditador por não atacar a Igreja Católica. Assim que Castro atacou a Igreja Católica ele automaticamente tornou-se num “comunista”; quem quer que ataque a Igreja Católica é comunista...
Irene: Nesse caso, não faz muita diferença quem coloquemos no poder, por o governo secreto do mundo lhe ordenar o que precisa fazer.
Prof. Luntz: Exactamente. Talvez alguns de vocês aqui sejam, ou tenham sido, Católicos. O que quer que sejam, acho que é esplêndido; têm o direito de o fazer. Contudo, o sistema do Vaticano não é uma organização religiosa que tenha por único interesse o povo. Longe disso! É uma organização política vasta, muito extensa, e basicamente, o seu lado religioso é uma simples fachada. É uma organização poderosa que tem os dentes cravados no vosso governo e que busca o seu controlo rígido. Não é só por o vosso presidente, o Dr. Kennedy, ser Católico. Não, eles sempre estiveram nos cargos públicos mais elevados do vosso governo. O seu objectivo é conseguir controlar as pessoas, as massas. Se forem a Espanha ou a Itália, ou à América do Sul, podem ficar certos das pessoas desses países não se atreverem a pronunciar-se contra a Igreja Católica sem se verem confinados à prisão (à data, ou seja, em 1962). Nem se atrevam! Os Protestantes dessas nações são simplesmente tolerados e não se atrevem a falar. A presente Igreja ensina o ódio por todas as religiões excepto a sua. Sempre que um sacerdote abandona a ordem, ele é mentalmente atacado por grupos de sacerdotes que tentam atormentá-lo com a morte e a destruição. Eles não o expulsam simplesmente e dizem: “Fora daqui, meu velho!” Nem por sombras! Eles perseguem-no literalmente de morte, e se vocês duvidarem disso, investiguem os procedimentos internos da Igreja Católica. Verão por vós próprios; não aceitem a minha palavra.
Comentário: Soube do caso de um líder da facção da Ciência Cristã que foi condenado à morte pelos Cavaleiros De Colombo, mesmo nas vizinhanças.
Prof. Luntz: Não tenho qualquer dúvida. Vejam bem, eu fui um antigo pregador da Alta Igreja Episcopal de Inglaterra, e o meu “Deus” era o Deus da Igreja Episcopal! Ele não tinha muito que ver com a Igreja Episcopal “baixa”! (NT: Por “Baixa” refere a facção da igreja que não observa os rituais e que dá relativamente pouca ênfase aos sacramentos e à autoridade do clero) Eu fui sacerdote diversas vezes neste mundo. Em diferentes vidas vim aqui e dei por mim preso numa ordem religiosa qualquer. Eu vi-me obcecado pelo desejo de fazer o que achava que era “servir a Deus” – sem saber que eu era/sou isso. Mas agora sei, e espero pelos céus que venha a ser capaz – ou vou regressar um dia destes à terra, não daqui a muito tempo – mas espero conseguir esquecer o sistema sacerdotal e esquecer a religião. Quero manter-me afastado disso, e empreender alguma outra coisa.)
É poderosa? É um dos negócios mais poderosos de todo o mundo! Eles possuem uma vasta riqueza, uma riqueza muito mais vasta que a de todos os Marajás da Índia juntos. Não, meus amigos, a religião é uma coisa natural no homem, uma coisa muito natural. É um sentimento interior. O que ele está a fazer – ou a esforçar-se por fazer, e de forma muito inconsciente, é por se encontrar.
Agora, o negócio da religião, o sistema sacerdotal que opera esses templos, sabe que o homem está naturalmente em busca de si, e tira vantagem disso e diz-lhe que não é dele próprio que está em busca, mas de deus – de um deus, que na verdade não se encontra nele em absoluto, mas nos céus, algures.
Comentário: isso é o sempre nos disseram.
Agora, embora isso seja verdade, aquilo que dizem é que esse Deus precisa de ser ajudado. Ele não pode ser adorado se não tiverem um templo sensual em que O venerem. Ele deve ser adorado em toda a sua glória. O que esses sacerdotes querem dizer é, em toda a glória deles!
Essa é a religião do Bezerro Dourado, dos adoradores de ídolos. Se as pessoas neste vosso país não fizerem alguma coisa num futuro próximo, se não abrirem os olhos para o facto de que a religião – e em especial o Catolicismo – está a obter o controlo da propriedade (bens imóveis) no vosso país, em breve virá tempo em que se encontrarão em posição de os expulsar da vossa terra por deixar de lhes pertencer; passará a ser deles.
Comentário: Nesse caso nós próprios podemos dedicar-nos à nossa própria veneração, no nosso íntimo.
Exacto. Ouviram dizer que o corpo físico é o templo vivo do Deus vivo?
Comentário: Nós próprios?
Bom, se formos ver todos os animais da criação verificaremos, uma vez mais,  o templo vivo do Deus vivo. Por outras palavras, a força vital.. O próprio Criador opera cada um desses seres vivos - templos que rastejam, que gatinham, que voam, que escavam, que perfuram, que caminham, que falam. É pois, creio bem, inteligente não prejudicar nenhum desses templos caso o consigam evitar. É tudo.
Muita gente acredita, e é verdade, que existam certos grupos religiosos na Índia que adoram a vaca branca, o touro branco. Também há quem adore macacos. Por toda a Índia existem deuses para todas as coisas.
Agora, o problema está em que essas doutrinas não tiveram início da forma que estão a ser usadas. Bom, devido ao modo como são usadas actualmente, e têm sido usadas há vários séculos, a Índia sofre as consequências da ignorância do seu povo; a imundície, a fome, a doença desenfreada por toda a parte.
Mas não começou desse modo. A limpeza foi certa vez venerada, e tida como uma das condições mais maravilhosas da divindade. Até mesmo na vossa Bíblia cristã é referido que a limpeza (o asseio) é próxima da divindade, não? Assim se acreditava nos tempos antigos.
Mas sempre surge um sistema sacerdotal por entre o povo e destrói a doutrina verdadeira. Transformam-na num negócio, que por sua vez acarreta pobreza e doença por onde virem um sacerdote.
A Espanha está na possa da Igreja Católica, pelo que não deixa de ser um terreno de cultivo; representa uma óptima cultura para os micróbios do Catolicismo.
Comentário: Eles penetram de forma invisível.
Pois, eles penetram de forma invisível; mas devido à sua natureza, presta-se como uma óptima cultura para o Comunismo.
Comentário: Mas, não andarão de mão dada?
Não, mas andam. Andam, por o Comunismo ditar ao indivíduo a forma de viver, assim como o Catolicismo - como viver de modo correcto, do modo que lhes dizem para viver e mais nenhum.
Comentário: Os seus motivos...
 Isso é fingimento. Não passa de fingimento! Ambos representam enormes negócios, vastíssimos. Parece quase um paradoxo, não? Que o Comunismo e o Catolicismo  possam ser parceiros imorais. Mas são mesmo. E a prova disso, ou de como poderia ter sido, está no homem Hitler, que estabeleceu um pacto com o Papa, em como, se Hitler votasse a juventude Alemã ao Catolicismo, este por sua vez alinharia com o regime Nazi. Terá o Papa imposto alguma objecção aos milhares e milhares de Judeus que estavam a ser massacrados? Nenhuma!
E todo este clamor por parte da Igreja com respeito à situação do negro Americano não passa de fraude, pretensão.
AH, SE AS PESSOAS DA VOSSA NAÇÃO PUDESSEM SER LEVADAS A DESPERTAR PARA O QUE SE ESTÁ A PASSARM PARA O QUE VOCÊS AMERICANOS CHAMAM DE CHICANICE E A DESONESTIDADE DO PIOR TIPO...
Pergunta: Virá isso do topo?
O topo tem conhecimento. É por isso que pode prosseguir. Eles não se importam com a América; só se interessam consigo próprios.
Comentário: Egoísmo!
Exacto. Eles procuram ser senhores, conseguir controlar a raça humana. O Catolicismo, à semelhança do Comunismo, procura obter o controlo da juventude do mundo. Não creio, mas esta é uma observação minha - embora possam ter muitos políticos desonestos no vosso país, que seja seu desejo, nem é desejo do tipo de governo democrático que tenham, controlar a juventude de todas as nações.
Existe, evidentemente, o desejo de dispor sempre da amizade de todas as nações e vocês também cometerão conivência política e pretensão e uma boa dose de desonestidade na consecução dos vossos fins.
Esse negócio a que vocês estão a dar continuidade, de tentarem alimentar e suprir os chamados países atrasados, não é feito com amor nenhum porá com esses países por parte dos políticos que promovem esse tipo de coisa, nenhum. É para tratar de obter a sua amizade por se encontrarem situados ao redor de países comunistas e virem a tornar-se acolhedores da vossa nação, na eventualidade de uma guerra.
Pergunta (...)
É claro que é conivência. E ainda chamam a isso política, enquanto toda a gente pestaneja e olha para o lado.
Comentário: Não tenho desejo nenhum de votar.
Posso perceber porquê. Deixem que os leve atrás. Acho que vou começar e falar disso. Acho que vamos fazer isso e falar disto mais tarde.
Comentário: não quero perder o fio à meada – mas tenho algumas perguntas pessoais
Eu vou acompanhar-te até determinado ponto e depois volto atrás. (Não estou a ser egoísta, estou?)
É para ti que estou a falar. Recuem tanto quanto puderem na história do vosso país. Poderá parecer ao historiador que esta nação tenha sido descoberta por um Italiano chamado Colombo; ou que tenha sido porventura descoberta por u outro chamado Américo Vespúcio. Não, não, os Vikings estiveram aqui muito antes. Um grandioso povo nórdico veio até ao vosso país não só até às Ilhas Aleútas e ao Alaska e a lugares assim. Eles estiveram bem aqui, no vosso continente. Os Vikings. Mais, houve um povo antes deles, muito antes deles.
Pergunta: Quanto tempo antes?
Cerca de 2500 anos antes dos Vikings, que vieram mil anos antes. Essa gente veio até ao norte, norte esse com que me refiro à China. Vieram, não como os vossos modernos chineses, mas eram altos, esguios, gente muito culta, de rostos compridos, de maçãs do rosto elevadas, mais parecidos com Coreanos do que com Chineses. Tinham olhos azuis e esverdeados – quase nunca se observava uma pessoa de olhos castanhos por entre essa gente. Tinham cabelo liso, quase da cor da henna – em grande parte por utilizarem justamente essa planta (henna). Onde foram buscar essa ideia de usar tinturas no cabelo? Aos antigos Egípcios. Que estranho, que estranho! Bom, essa gente não era nem sequer amarela de pele, mas branca. Vieram de uma terra muito fria, lá nos confins do Tibete onde fazia muito pouco Verão, em especial nessa altura, por essa gente ter vindo na altura da era glaciar. Da primeira era glaciar. Não se pensava que houvesse ente a andar por aí por essa altura. Sabem alguma coisa sobre a história do mundo dessa altura?
Comentário: Não.
Bom, certa vez esta terra foi em grande parte tropical; sim, em grande parte tropical. Depois sucedeu a era glaciar. Ela não teve a sua origem deslizando pela terra. A primeira era glaciar veio com gelo do espaço exterior. Durante meses a fio caiu gelo, chuva, chuva, chuva, gelo; e a terra congelou sem parar. E não caiu em pequenas quantidades – as vossas piores tempestades actuais não são nada, comparadas com as e então. Nada! Caíram enormes blocos de gelo do céu. Seria interessante se pudessem dar uma olhada no passado e vissem o que aconteceu com o vosso mundo desde o começo.
Comentário: Yada, pode descrever-nos isso, já que mais ninguém no-lo pode fazer e estamos tão interessados...?
(Entretanto são colocadas perguntas sobre para onde se vai quando abandonamos o físico... Ou se vamos para algum sítio depois... Onde será isso.)
Mas, vejam bem, na noite passada referi que seria melhor não o fazer, por não lhes servir da nada em concreto, pelo que não mereceria o tempo despendido. Mas havia uma outra coisa. Há certas coisas que melhor ficarão por revelar, antes de certa gente venha a dar-lhe um mau uso. Há um ditado na vossa Bíblia que diz assim: “Não deitem pérolas aos porcos.” Não quer dizer que as pessoas sejam porcos, mas simplesmente que não compreendem.
Comentário: Equivale a dizer que nos sujeitaremos ao ridículo.
Pois, a um ridículo que caminha e que esfrega o que é puro na sujeira.
Pergunta: Yada. Todos nós viremos a conhecer-nos e a reconhecer-nos coo oriundos deste plano...?
Ah, eu acho que vocês se encontrarão no mundo para além deste – ou seja, podem aguardar a chegada daqueles que não cheguem logo após vocês terem partido.
Pergunta: Reconheceremos e seremos reconhecidos pelas pessoas...?
Exacto. Vós estais e eu estou – todos estamos onde a nossa consciência estiver. É tudo. Se sentirmos necessidade de irmos para outros planos, e tiver cabimento no nosso poder fazê-lo, havemos de o fazer. Mas podemos nunca chegar a encontrar outra pessoa que tenhamos conhecido, nunca.
Comentário. É um pouco triste, não?
É e não é, depende. Não terão gente que conheceram outrora, e que já não veem há anos e anos? Não é assim tão triste quanto isso, entendes? O momento da passagem é triste, e porventura – dependendo da ligação forte que tenham tido entre si – daí por um tempo; mas nós, todos nós, temos a nossa vida a viver. Se tiverem alguma confiança no presente, isso mostra que deverão er confiança no futuro.
(É colocada uma pergunta quanto a rever Yada nesse outro plano...)
Isso depende do estado de espírito em que se encontrarem. Isso não posso dizer. Se nada mais fosse, seria uma indelicadeza da minha parte dize-lo. E nós não devemos fazer isso uns aos outros. Quanta confiança estarão cientes de ter? Não o posso dizer. É algo que só a pessoa poderá apurar. É por isso que tanta vez – em especial no plano terreno, se torna tão difícil viver – simplesmente por não nos conhecermos. Mas, como poderemos quando nem sequer nos conhecemos a nós próprios?
Há anos que vocês me têm demonstrado muita gentileza e muita devoção no amor que me votam, todos os do Círculo, assim como o Mark e a mulher, Irene. Tu e o teu marido por vosso turno encorajaram outros a vir e a tornar-se fiéis aos ensinamentos. Não aos nossos ensinamentos mas aos ensinamentos. Assim que digo que se trata dos meus ensinamentos, ou os ensinamentos dos meus mestres, estão metidos em sarilhos; estarão a encurralar a verdade, e é aí que o diabo tem lugar.
Mantenham a personalidade completamente fora disso. Não se permitam projectar a vossa personalidade nos ensinamentos, caso pretendam viver confortavelmente. Creio que saberão quão rápido aqueles que não se compreendem, quão rápido os farão em pedaços!
Comentário: Uma das perguntas que tinha diz respeito a isso.
Falarei dos eventos mundiais mais tarde. Agora vou-me voltar para ti.
Pergunta: Que estado é este que sinto ou que tenho? Uma dor ao redor do umbigo. No trabalho desenvolvo muita tensão, sem que saiba porquê, mas sinto-a. Chego a casa e procuro relaxar... bem sei que não devemos comer quando nos sentimos estressados, mas sinto-me esfomeada e aí sucede esta dor...
Creio que aquilo que vejo aí não é o que suspeitas. Frequentemente as pessoas, no vosso presente, pensam somente no cancro. Mas o que aí surge é uma ruptura por dentro do revestimento...
Pergunta: Terá sido da cirurgia, ou de ter dado à luz?
Pode muito bem ter sido. Mas mais – pode ser dor no tecido cicatricial. Parece uma ruptura. Bom, pode tratar-se de uma ruptura grave, não sei a que chamarão mau ou pensarão que seja, mas sei que é suficiente mau por te provocar dores – e a dor ser a forma que a boa e velha natureza tem de vos dizer que o corpo está com um problema. Assim, faz qualquer coisa com respeito a isso. Vai ao médico, faz exames. Diz-lhe o que sentes por os médicos serem notoriamente adivinhos ruins. Precisas dizer-lhes o que tens e aí eles dir-te-ão – e levam-te a crer que to tenham dito, antes de mais. Mas eles fazem o melhor que sabem, pelo que realmente não devem ser criticados.
Pergunta: Acha que possa vir a ser necessária uma operação?
Pode muito bem vir...
Comentário: Ah, não!
Mas não te preocupes. Não te aflijas. Diz-me, se fazes favor, se tens um automóvel.
Comentário: Tenho, sim.
Então, quando alguma coisa funciona mal no automóvel, que é que fazes? Ficas apavorada com a ideia de o levar a arranjar.
Comentário: Por não ser algo que eu própria sinta.
Mas, é preciso, pelo que vais em frente e fazes-lhe o que for preciso, estás a entender? E com relação ao teu corpo devia ser a mesma coisa, por ser um tipo de automóvel. Não irás sofrer. Hoje vocês são muito afortunados. Têm um meio que os habilita a tomar substâncias que os põem a dormir. No meu tempo, usávamos mais a hipnose, que é melhor que o uso de drogas; não deixam dores colaterais nem enjoos como com a ingestão de drogas.
Hipnose. Pelo poder da sugestão ministram ao paciente o que é chamado de sugestão pós-hipnótica – quando começam a sair da operação, não sentirão qualquer dor durante todo o tempo em que estiverem a convalescer. É uma coisa estupenda. Eu sei que por vezes a utilizam nos hospitais, que sob determinadas condições usam a hipnose. Mas mesmo assim, caso seja verdade que precisas de uma operação, procura fazê-la. Não te atrases por o teu estado não melhorar com o tempo. 
Tem amor por ti própria. Quando temos amor por nós próprios, usamos a nossa inteligência para protegermos os nossos corpos. Assim, vai e vê qual é o problema, e se precisarás decidir por uma operação. Eu irei estar presente para garantir que te saias bem. Posso fazer isso?
Comentário: Pode, mas o meu coração suportará? Tenho palpites cardíacos...
Isso é apenas nervos. Tu não padeces de um coração fraco. Tens é um coração nervoso, o que vem da ansiedade e das incertezas que alimentas. Senhora, a senhora é casada?
Comentário: Não, quando conversei consigo em privado, no Outono passado, não me expressei correctamente por palavras. Pedi se me encontraria um companheiro do sexo masculino. Tenho um mas ele é casado e é meu patrão, mas está a ficar muito exigente!
(Yada ri) Isso é o que precisas fazer e não ele! Ele não está em posição de exigir.
Comentário: É daí que penso que venha a dor – do facto de ele ser meu patrão...
Pois. Quero aqui realçar uma coisa, que é que poderás não ter o que me pareceu ver como um rompimento, mas tens algo de errado onde foste operada.
Pergunta: Há anos?
Correcto. Podes ter o que é chamado de tecido cicatricial, que exerça um puxão nos tecidos circunvizinhos quando ficas nervosa ou tensa.
Comentário: É o que me parece ter-se agravado.
Bom; quero perguntar-te uma coisa, por ser sempre melhor quando se aconselha alguém com respeito a qualquer coisa, que é melhor descobrir com eles o que é que acham do que estão a fazer, ou do que vão fazer, entes de – enquanto conselheira – lhes digas alguma coisa.
Comentário: Sempre se sai com uma pergunta, não é?
Conquanto te possa dizer, vai e faz isto e aquilo – ou, devias fazer assim ou assado, de certa forma isso tira partido de ti; por te poder induzir em erro. Por isso, é melhor, caso venhas a ter a vida de uma outra pessoa nas tuas mãos - e isso é o que fazemos sempre que damos conselhos – estamos a intrometer-nos na vida da outra pessoa e por conseguinte estamos a viver um pouco da vida dessa pessoa – pelo que não será sensato manusear essa vida com todo o cuidado que conseguirmos? Claro que sim.
Sentes amor por esse homem? Bem, pensa lá nisso antes de responderes.
Comentário: Não, realmente não o amo conforme amei o meu marido.
Podias, por outras palavras, dar-te bem com ele, não?
Comentário: Podia.
Segunda pergunta – entende, para se ser conselheiro é preciso ter um nariz comprido! Bom; ele não tem – o Mark não tem um nariz comprido, mas eu tenho. Por isso, a segunda pergunta: A mulher dele é saudável?
Comentário: Não, não é.
Hmm. No caso de uma mulher não saudável e de um marido saudável torna-se numa combinação muito difícil, entendes? De qualquer forma torna-se muito difícil o homem casar. Não cabe na natureza do homem ter uma só companheira. Não tem cabimento na sua natureza mas ele vê-se forçado a isso, por toda a vez que uma civilização é formada, sempre que quatro ou mais pessoas se juntam, elas formam leis para se proteger umas das outras. Imagina! Mas é verdade.
Há muitos, muitos maridos que têm mulheres saudáveis só que os maridos sentem-se inseguros em si mesmos pelo que precisam constantemente testar-se a ver se ainda serão homens – esse é o ego do homem. Agora, se uma pessoa tiver sofrido muito abuso no seu corpo, só por mau uso ou por má alimentação, falta de relaxamento – muitas coisas – excesso de álcool é um dos factores quem ais destrói o impulso sexual natural – e o tabaco também não faz nenhum bem a isso! Nada disso é referido nas vossas caixas de imagens (TV), mas o álcool é uma das formas mais rápidas de tornar, em especial o homem, impotente, especialmente se usado em excesso.
Meus amigos, penso que homens e mulheres não deviam associar-se sexualmente um com o outro se não sentirem um verdadeiro afecto um pelo outro. Muito embora não tenham intenção de casar, ou façam intenção de casar, se realmente não tiverem afeição é uma das piores coisas que o ser humano pode fazer, por o rebaixar para a condição onde começou – a de um animal burro que obtém satisfação do estupro. Agora, há muitos, muitos casamentos – casamentos legais – que se transformaram em estupro legalizado. Não será isso triste? Isso é veneno para o corpo, veneno para o corpo.
Comentário: E há casamentos em que só uma pessoa obtém tudo dele.
Ah, sim.
Comentário: Um parceiro tem satisfação enquanto o outro se sente negligenciado.
Claro. Isso sucede muita vez. Mas acontecerá entre os mais velhos e idosos? Não, mas frequentemente entre os jovens, por não saberem o que é o amor. Tudo quanto sentem é um arrasto momentâneo, uma pressão que não encontram forma de travar. E o sistema social tornou a coisa de modo a não poderem libertar-se dessa pressão a menos que legalizem o acto. Isso cria uma proporção de um milhar de casamentos medíocres para um casamento bom. Conhecerão os jovens automaticamente a arte da comunicação sexual? Perceberão que é a mais elevada forma de comunicação que o ser humano tem? Claro que não.
Tudo quanto lhes ensinaram, ou ensinaram aos jovens – caso vocês tenham ensinado em absoluto, é para irem em frente e descobrirem por si próprios – que é o que na maior parte dos casos acontece. Ensinam-lhes que é obsceno, que é um mal, e que só o devem praticar quando deverem praticá-lo.
O amor de uma mãe por um filho em que ela se apaixona por ele, faz dele um homossexual. Não há um só caso de homossexualidade masculina em que a mãe não tenha sido responsável. Em vez do amor de mãe, que é natural e de esperar, de súbito a mãe sente um amor interno e um desejo físico pelo filho. Bom, isso, para o que é chamado de sistema de sociedade dos dias presentes, é coisa obscena, mas como acharão que o homem e a mulher se multiplicaram neste mundo?
A encobrir isso, na vossa Bíblia Cristã, esse relacionamento entre mãe e filho (incesto) que se deu entre Caim e a sua mãe... É referido na vossa Bíblia que Caim foi à terra de Node e encontrou uma mulher. Eles não podiam sair às claras e dizer que Caim se tinha associado à sua mãe. Ainda assim, essa história tem um outro lado. A terra de Node era onde uma outra raça humana já se tinha desenvolvido – e existiam muitas raças. A história de Adão e Eva refere-se à raça Adámica, e não os indivíduos.
Quão importante será o apreço que têm uns pelos outros, em qualquer dos tratos que têm uns com os outros? Isso é da maior importância.
Uma civilização fenece, decompõem-se, entra em decadência na falta dessa maravilhosa qualidade chamada amor. Eles não tinham isso inicialmente, entendem? Num dos co0meços das raças nesta terra, eles não dispunham disso. Muitos comiam-se uns aos outros! O seu ambiente era de tal modo selvagem, tão cruel, se não conseguissem obter alimento, que os mais fracos morriam.
Eu amo a vida. Quando amam a vida, amam tudo quanto envolve. Isso por sua vez leva-os a não centrar a vossa atenção numa só coisa ou numa só pessoa; vocês dão o vosso amor a todos por igual. Por entre outras coisas que isso faz, mantem-nos livres de apuros.
Pergunta: Amar a toda a gente – isso não criaria problemas entre os sexos?
Não, não se o fizerem de modo inteligente. Claro, se definirem o objectivo de espevitarem a sexualidade de outra pessoa, então irão obter exactamente o que merecem – porventura não da forma que o pedem, que na maioria das vezes é o modo como acontece. Sim, por hoje, no vosso mundo, se encontrarem todos atados por dentro. Foi-lhes incutido que devem frustrar os desejos naturais, de modo que, passo um tempo, os desejos deixam de ser naturais. Isso teve lugar sempre, ao longo das eras. O homem sempre foi assim – e a mulher também foi sempre assim. Embora na era moderna tentem ensinar que a mulher não tem desejo próprio e que precisa ser estimulada pelo homem, isso não é o que acontece. A mulher, a fêmea, tem exactamente os mesmos desejos fortes sem que precise que a estimulem. A maior parte da vida amorosa dos homens e das mulheres tem lugar nas suas cabeças. Quando não o estão a praticar em termos físicos, estão a pensar nele – o que é natural. Só que disseram-lhes que isso não era natural; disseram-lhes para encararem isso como um mal.
Todas as coisas criadas pelo homem, e posteriormente exteriorizadas por pensamentos são imperfeitas e por conseguinte estão destinadas a sofrer inesperadas mudanças em si.
Senhora, sou de opinião – não te estou a dizer nada, mas sou de opinião que se não quiseres mais nenhum envolvimento sério e continuado com esse homem, devia fazer algo para o retardar e para o romper.
Senhora: Isso afectaria o meu emprego.
Irene: Não é o único emprego que existe.
Claro. Isso é o que eu vejo. As hipóteses dele vir a casar contigo não são muito boas por esta altura. Mas, algo mais, não tenho o pressentimento de que ele o queira, de qualquer modo. Ele prefere manter a coisa como ela está.
Senhora: Ele está com a idade de 74, pelo que a minha própria inteligência me diz isto.
Irene. Provavelmente ele dá-lhe muita segurança financeira que ela não teria caso tivesse que mudar de emprego.
Nesse caso, sê uma verdadeira mulher; trata isso com cuidado.
Senhora: Sinto que tenho vindo a lidar com isso com precaução.
Pois, porque pode acontecer que ele te deixe um pouco mais segura quando partir; pode ser. Mas procura não te envolver tão a fundo. Enquanto ele está, conforme vocês dizem, com fome de sexo, ele não terá falta de vigor. Ele tem boas hipóteses de viver até aos 80
Senhora: E a mulher?
Não creio que a mulher venha a viver por muito mais tempo.
Senhora: Porque terei estes pressentimentos? Eu procuro afastá-los.
Não, claro que não. Porquê afastá-los? Se vês que as coisas são como são, essa será a maneira por que terás que ser, por isso, admite-o para ti própria, e esquece-o. Porque se não o esqueceres, ficarás com sentimentos de culpa.
Senhora: Sentimentos de culpa em relação à mulher dele?
Pois claro, por te veres a ti própria no lugar dela, e depois não gostarás disso quando o fizeres.
Senhora: Sentir-me uma má mulher?
É isso que pensas, por projectares a tua consciência (por te colocares) no lugar dela, e não apreciares lá muito isso – o que constitui uma outra razão para romperes essa associação que tens.
Senhora: Se eu o fizesse ele não iria procurar outra?
Ah, mas é claro que iria! Assim, se ele te vale de alguma coisa de todo, dá continuidade a isso. Sê paciente, e não alimentos sentimentos de culpa nem te ponhas com desconfianças. Não tens razão para alimentares sentimentos de culpa.
Senhora: tenho que ser tão reservada. Claro que a minha filha – o meu marido já morreu há mais de dois anos – mas que reacção teria ela caso ela descobrisse?
Comentário: Como irá ela descobri-lo se não lhe contares?
Senhora: ...e ela já está a começar a desconfiar...
Que idade tem a tua filha?
Senhora: Ela está com 25 – e já tem três filhos.
Nesse caso tens que lhe dizer para se meter na sua própria vida. Não tentas viver a vida dela de modo que ela não deve tentar viver a tua.
Comentário: Quando o tempo chegar – caso a oportunidade se apresente por si mesma -- mesmo que estejas em casa, queres tirar a noite para ti própria.
Senhora: Mas existe uma outra pessoa. Ela frequenta o grupo de leitura e tem vindo a tentar descobrir o que eu faço às Quartas-feiras à noite, e tenta obter essa informação da parte de A, o que a coloca numa situação de que eu não gosto tão pouco.
Comentário: Não vejo por que razão alguém precise prestar contas de si toda a vez que lhe perguntam. Eu mostrar-me-ia muito franca e diria que não tem nada com isso.
Creio que de futuro venhas a faze-lo – e deves faze-lo. Para teu próprio bem, deves faze-lo. Sê rápida, permanece alerta, e poupar-te-ás e a outros que desejem meter o nariz – poupar-lhes-ás a vergonha se fores directa e lhes disseres que tens vida própria e que elas têm a sua vida. Sim, fá-lo. Também sinto –- em relação a esse homem – conforme disse há pouco, que a idade não tem nada que ver com o abrandamento do desejo sexual, e que dificilmente será essa a causa. o que sucede é que vocês contraem bloqueios mentais por intermédio da ansiedade ou dos sentimentos de insegurança. Muitas mulheres levam o marido a sentir-se inadequados noutras coisas, de modo que isso deixa-os ser inadequados na relação sexual. Com a criança é o mesmo. Vocês dizem ou ensinam a criança dizendo-lhe que não é capaz disto ou daquilo, ou chamam-lhe estúpido ou menosprezam-no numa coisa, e em breve ela torna-se estúpida em tudo. Veem o que fazemos uns aos outros?
Isso pode acontecer mais especialmente a um homem ou a uma mulher que esteja verdadeiramente apaixonado por aquele que o critica ou menospreza. Isso é uma forma de dominar e de obcecar. É nesse aspecto que afirmo que há mais gente obcecada do que existe casos de pessoas dos mundos astrais que obcequem as pessoas. Há muitas mães que fazem isso aos seus filhos: obcecam-nos, possuem-nos; e ao fazerem isso, arruinam-lhes as vidas.
Vou parar e ouvir o que quer que possam querer dizer.
Senhora: A Irene disse para dizer a toda a gente que não têm nada que ver com a forma como governo a minha vida, contanto que não prejudique a vida de ninguém. Depois tenho o meu pai. O dinheiro dele está quase gasto e tenho-o num lar. Os remédios são caríssimos. Candidatei-o á Segurança Social que disse que quando o dinheiro dele estiver quase gasto reabrirão o seu caso. Não disponho de poder para o manter no lar nem tão pouco consigo olhar por ele em minha casa. Ele está semi-inválido e não controla a urina e está senil.
Que idade tem ele?
Senhora: Está com 81. De modo que isso é uma outra fonte de ansiedade para mim, que por vezes se torna opressiva.
É estranho, não será, que certas pessoas reajam à idade de forma tão negativa enquanto outras possam ser muito mais avançadas na idade e possam ser tão viris e ter tanto vigor. Tem havido quem tenha ultrapassado os cem anos e não apresente sinal algum de senilidade, e há outros que começam a padecer de senilidade aos 40, e por vezes aos 30. Por isso, a senilidade não é verdadeiramente natural. Muita gente vive com um cérebro dotado de clareza e um óptimo corpo por muitos anos. E a ser assim, a senilidade não pode ser natural. Vem mais da herança genética do que dos alimentos
Se tiverem tido parentes antepassados que tenham gozado de saúde na idade avançada e tenham vivido durante muito tempo, poderão esperar viver por muito tempo de perfeita saúde. Mas depois há aqueles que vivem sem saúde durante grande parte das suas vidas e no entanto não padecem de senilidade. Eu afirmo que a senilidade não é natural. É herdada de geração em geração, e provém de um sistema genético pobre e fraco.
Tal como há gente que nasce um génio na música, nas artes, na literatura -- frequentemente essa gente, esses génios -- os seus progenitores imediatos podem ter sido ignorantes e estúpidos, mas algures lá para trás tiveram alguém que tenha sido brilhante. Por vezes verificam-se duas ou três gerações de estupidez e aí, na terceira geração surge de novo um descendente brilhante. Isso deixa as pessoas a interrogar-se, onde terá o seu filho conseguido a sua genialidade. "Ah, ele trouxe-a de uma outra vida!"
Eu afirmo que isso é possível, evidentemente, mas também o terá trazido de uma outra vida o seu avô e o seu bisavô. Há muito género de vidas de que herdamos o conhecimento assim como uma óptima forma corporal. o problema daqueles que andam pela metafísica está em que se disponham a acomodar-se à mais incerta das verdades, simplesmente por essas coisas terem vindo a soar românticas, e por isso mesmo apelativas.
A verdade deveria ser a mais atraente para todo que busque seriamente conhecer a verdade, independentemente do quanto possa perturbar-lhe as crenças anteriores.
Yada pergunta à mulher como está a filha.
Senhora: Ah, está de saúde. Tem uma casa aqui na cidade e deseja vendê-la para liquidar pequenas dívidas. Se vender a casa que tem poderá liquidar as dívidas e chegar a gozar de alguma liberdade efectiva. É um óptimo termo.
Bom, é um palavra tão em voga na vossa presente era. É um termo excessivamente usado na realidade por ser em grande parte usado sem compreensão das profundidade do seu significado.
Liberdade. Podemos clamar por liberdade para sempre, que a única forma porque a obteremos é correndo desse outro. Mas quando clamamos por liberdade para nós próprios, em nós próprios, não podemos fugir de nós próprios a fim de a obtermos. Temos que ter uma maior consciência de nós próprios. Precisamos tornar-nos mais íntimos de nós próprios; mais amistosos para connosco próprios, comunicar mais connosco próprios. É por isso que não temos liberdade. A liberdade é algo que temos ou que não temos.
Pergunta: Algo que expressamos ou que não expressamos?
Se não tivermos, e nos tornamos escravos de nós próprios, tornamo-nos facilmente escravos de alguém mais.
O que eu queria dizer é que a tua filha vai ser bem-sucedida na perfeição a livrar-se da casa e a pagar as dívidas e a começar de novo.
Senhora: Ela é uma alma bela. Eu sempre pensei assim.
Isso leva-me a pensar numa outra coisa -- poderás não ter confiança nela? No juízo que faça com respeito ao que estejas a fazer?
Senhora: Tenho o pressentimento de que ela poderia dizer: "Mãe, vai em frente."
Também estou certo disso, mas creio que ela também te deveria prevenir para teres cautela e para não te envolveres em nenhuma dificuldade de que possas não conseguir sair.
Senhora: Sim, acho que ela é uma rapariga sensata.
Fazes o favor de lhe estender o afecto que o Círculo Interno sente por ela?
Senhora: Estendo-lhe.
E tu cultiva um bom ânimo e não sujeites o teu estômago ao nervosismo. Descontrai. Não tens problema. Não tens razão para ficares tensa, mas vou pelo menos a um exame para ver o estado em que estás.
Senhora: Eu tenho uma consulta lá para o fim de Julho.
Obrigado
Senhora: Obrigado, Yada.
Deixem que os conduza aos tempos modernos, até Cuba e às complicações que estão a decorrer lá. Não vai haver escapatória para aquele homem, o Castro. Ele não é capaz de fazer coo o Batista, o que foi despejado e cujo lugar Castro ocupou. Ele morrerá.
Pergunta: De morte natural?
Creio que, por vezes, a morte de que ele virá a morrer será causada por “envenenamento por chumbo.”
Pergunta: Por estar a mascar os lápis? (Riso)
Não é por mascar os lápis! De certo modo é triste, por ele ser um actor na vida. Ele está a desempenhar o papel que veio desempenhar. Não tivesse ele feito o que fez e ele não teria sobrevivido nessa ilha.
Pergunta: Que irá resultar disso?
Não muita coisa porque se alguém ocupar o lugar dele, após ele ter sido expulso, a Igreja católica virá de novo a manter a influência lá e as pessoas voltarão à escravização às mãos da Igreja Católica. Voltarão à mesma pobreza e à má vida que levava quando o Batista detinha o poder – e antes dele, quando outros o detinham – quando a Igreja tinha controlo. Quando os Americanos exerceram mais ou menos controlo sobre a ilha, se tivessem tratado aquela gente de forma humana – mas não fizeram tal coisa. Os grandes cartéis mantiveram as pessoas escravas. Agora a América paga o preço desse tipo de mal.
Pergunta: Não acha que se o Castro for expulso venham a instaurar algum regime lá de modo que as pessoas possam viver uma vida mais confortável? Terão que voltar de novo às mãos da Igreja?
Exacto, por aqui no vosso país o catolicismo ter uma enorme influência, e verão que imediatamente a seguir à deposição do Castro, a Igreja Católica voltará a deter o controlo sobre Cuba. Não restará condição intermédia. Até que a nação volte a cair nas mãos do grande polvo que é o Catolicismo hão se verificarão mudanças em nenhum país em que essa religião exerça controlo.
Pergunta: Para que lado nos havemos de voltar e a quem recorrer?
Há não muito tempo, este homem (Mark) estava a ler o jornal – algo que lá vinha publicado – que dizia que a Igreja Luterana atacava a Maçonaria. Bom, a Igreja Luterana está posicionada porta com porta em relação ao Catolicismo; na mesma posição está a Igreja Episcopal alta de Inglaterra (Anglo Catolicismo), e consequentemente, com este país. Agora, o objectivo não está em acabarem com a Maçonaria às mãos do que parece ser a Igreja Luterana; não é só a Igreja Luterana, mas às mãos da Igreja Católica e da Igreja Episcopal.
Pergunta: Quanto da Maçonaria é governado pela Igreja? Sei que o é em certa medida.
Claro, porque até os padres se tornam Maçons. Eles fazem isso para se infiltrarem, para apurarem o que se passa!
Comentário: Eles intrometem-se em tudo, neste país.
Voltem atrás, quando se encontravam na “terra de Node” – terão encontrado alguns Cains aí? Nesses tempos passados que eu referia mencionava aqueles Chineses brancos, Asiáticos brancos que vieram até esta nação. Bom, antes dessa gente vir, vieram seres do espaço exterior e reuniram seres que percorriam a terra aqui na vossa nação.
Pergunta: Esses Chineses brancos?
Não. Não foram esses Chineses de tez branca que juntaram essa gente; os seres espaciais reuniram esses antigos Asiáticos cuja origem estava nas regiões altas do Tibete. Eles viviam na neve e no gelo. Ensinaram-lhes uma forma do que vocês hoje chamariam Maçonaria.
Pergunta: Esses Chineses brancos foram ensinados pelos seres espaciais?
Mas então era mais Maçonaria do que é actualmente. Fico terrivelmente insatisfeito por dizer isto por ser suposto tratar-se de uma ordem do espírito, da mente, dos Ensinamentos Interiores da Luz.
Comentário: Com respeito a isso, as leis da nossa nação foram baseadas nas leis da Maçonaria. Acha que o Catolicismo procurará rever as leis da nação, a fim de conseguir uma influência mais forte?
Claro. Já o estão a fazer!
Comentário: Disse-nos outro dia que o Kennedy não tinha sido eleito com base na maioria de votos mas no dinheiro do pai. Isso deixa-me ver que o Catolicismo detém uma enorme influência maior do que a média das pessoas pode entender.
Já o venho a dizer há muitos anos, mas aquilo que quero dizer antes de nos estendermos demasiado, é que esses seres do espaço ensinaram essa gente branca proveniente da China – com respeito à lei. Ensinaram-lhes que a América do Norte seria designada como o “Berço da Luz”, e que não obstante o que acontecesse a América do Norte sobreviria a todos os holocaustos que pudessem ocorrer até o homem vir a viver de modo mais são em massa.
Pergunta. Haverá algum modo – creio que este continente seja da responsabilidade dos seres espaciais. Eles devem ter tido uma razão para querer que este continente fosse detentor da luz. Haverá alguma forma de lhes pedirmos que os ajudem a equilibrar essa situação?
Entende, eu próprio encontro-me numa situação um tanto difícil...
Pergunta: Não pode revelar...?
Exacto. Podem, e fazem-no, solicitar-mo a mim que eu solicito-o a vós, de modo a podermos aprender uns com os outros. Mas há certas coisas que não me podem perguntar para revelar, por não me encontrar em posição de o fazer.
Comentário: Eu procurava um meio de apelarmos a eles. Era isso que eu queria saber. Eles elegeram este país para conduzir a tocha da liberdade; devem ter tido uma razão particular para o eleger por entre todos os outros.
Sim. Na eventualidade de um holocausto mundial, a Luz continuará a rilhar aqui. Caso essa luz por qualquer hipótese se desvaneça, o mundo irá mergulhar todo num período de trevas, ou seja, de ignorância; Por ignorância quero dizer, um sofrimento espantoso, o extermínio de todo o conhecimento científico, dos ensinamentos interiores – por 5000 anos!
Pergunta: E em que posição lhe parecerá que estamos?
Têm boas hipóteses, por não ver que isso venha a suceder.
Pergunta: De que forma conseguirá o catolicismo penetrar em tantos lugares? Ninguém deveria gozar do poder de transtornar as fundações do nosso país, por ter sido fundado na verdade e na luz... e por me parecer que devia haver um escudo de protecção sobre a nossa nação
Existe, mas não como o compreenderiam. O homem precisa lutar. Mesmo que aluz da vida esteja parada e a ponto de se perder, precisam esforçar-se por manter essa luz. Sem luz, a luz apagar-se-á.
Comentário: É aí que entra o nosso papel. De vez em quando surge uma apresentação de filmes documentais sobre seres do espaço – dos chamados discos voadores. Ontem à noite vimos um documentário que não era fantasia. Terá isso algum sentido mais profundo – se estarão a recordar às pessoas que sejam aceites pelo governo?
Claro que são aceites pelo governo.
Comentário: De forma indirecta estão a apresenta-lo a nós, muito embora os jornais...
Muito bem, meus amigos. Isso é o que conta, a sinceridade, a honestidade para convosco próprios. Se assim for, como poderemos ser outra coisa que não honestos para com os outros? Devo partir agora.
Mark Probert
Tradução: Amadeu António




Sem comentários:

Enviar um comentário