quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

TAO TE CHING



TRATADO DO CAMINHO, DA VIRTUDE E DA VIDA

Um  Clássico de Ética e Excelência
Um código de Conduta Subordinado
À Arte de Viver


1
Realização da Verdade

Nenhuma verdade passível de ser enunciada constitui a Verdade Eterna!
Nenhuma descrição dela pode revelar-se duradoura ou inalterável.
Inominável, torna-se origem da totalidade de "céu e terra";
Pela designação se dá lugar à dualidade
De contrários e acção inesgotável;
Desprovidos de desejos e intenções apreendemos a sua essência;
Por meio do conhecimento,  do intelecto e  da palavra
Chegamos a apreender as suas manifestações.
Ambos os aspectos derivam de fonte idêntica,
E só se diferenciam pelo nome;
Quando tal mistério se intensifica,
Torna-se portal para o subtil e o maravilhoso


2
A Origem dos Contrastes

Quando a beleza é ostentada,
Torna-se  origem de fealdade.
Quando se  reconhece o bem
Como aquilo que é subjacente ao agradável,
Isso torna-se causa de padecimento dum mal.
Ser e "não-ser" complementam-se um ao outro,
E alternam entre si;
O fácil e o difícil definem-se entre si;
Alto e baixo acompanham e contrastam com o oposto;
A existência dá lugar à não-existência;
Acima e abaixo formam consciência relativa;
"Cumprido" e "curto" são relativos;
Tom e  repercussão criam a harmonia;
Estar adiante ou atrás dá a ideia de serem posições distintas.
Por isso o sábio atém-se à não-acção,
E trata as questões sem interferir no seu curso.
Não conduz nem prescreve orientações,
Mas ensina por meio da acção e do silêncio.
Aceita o fluxo natural das coisas, bem como o seu declínio
E nutre-as sem delas se apossar,
Pela compreensão de que todas as coisas mudam
E eclodem de modo natural, no seu devido tempo.
Sem que uma única deixe de se revelar e desenvolver.
Age sem intenção e não sustenta expectativas,
Nem noção alguma de pertença ou de alcance de resultados.
Uma vez empreendida a tarefa, abandona a questão.
Justamente por não reclamar qualquer crédito,
Não é desacreditado.
Desse modo o seu ensino perdurará e será tido em elevada estima.



3
Causalidade

Se não se  lhe exaltar o mérito,
O povo alhear-se-á da rivalidade e da contenda.
Não valorizando as coisas preciosas,
Manter-se-ão os homens alheios à cobiça e ao roubo.
Não expor considerações sobre o desejável,
Poderá conduzir as pessoas a manter-se alheias à confusão.
Assim, o sábio domina enfraquecendo no homem o desejo
E assegurando-lhe a subsistência.
Enfraquecendo as suas ambições,
E robustecendo-lhes a firmeza de carácter.
(pureza de sentimentos)
Desse modo chega-se a possibilitar
Que prescindam do conhecimento e do desejo.
(inocência)
Se ensinarem os espíritos sagazes a ousar agir sem esforço,
(decorrente do conhecimento dualista)
E praticarem a não-afirmação em meio à acção,
A ordem poderá ser restabelecida.
(deixar ser)

4
Abertura de Espírito

O cultivo do caminho da virtude  brota do vazio interior.
No entanto, torna-se causa de acção inesgotável.
Através do seu uso cuidamos de nos resguardar
De tudo quanto alcance a demasia.
Conquanto insondável e profundo,
Tal estado revela-se como essência de toda a acção perfeita.
Por meio da sua prática poderemos:
Chegar a suavizar toda a aspereza,
(esforço, resultante do conflito)
Desatar todo o emaranhado,
(confusão)
Harmonizar todo o esplendor,
(entusiasmo, euforia)
Empregar  compreensão  para com os outros,
E reunir o mundo  num todo.
Oculto no subtil e imperceptível,
O Sentido prevalece na pureza.
Ignora-se quando ou como surge
Mas assemelha-se à Existência Original.

5
Espírito de Imparcialidade

O Caminho do Céu age sem parcialidade,
Pelo que não se poderá referir que o faça com benevolência ou falta dela,
Porém,  trata as coisas sem favor nem intenção
De modo idêntico o sábio,
Ainda que pareça agir com generosidade e benevolência,
Fá-lo de modo imparcial e destituído de intenção,
Pois é amoral e permanece indiferente.
(a toda a discriminação)
A essência do Caminho assemelha-se a um fole de ferreiro
Vazio e inesgotável;
Quanto mais se desdobra, mais dele brota.
Demasiado discurso conduz à exaustão do sentido;
Melhor será preservar a essência.

6
Infinidade

O espírito da fonte não perece jamais, mas
Permanece idêntico e age em concordância com sua natureza,
Sem se diminuir nem se deter.
Chama-se-lhe o Princípio Feminino de todos os seres;
O portal desse misterioso Princípio é a origem do céu e da terra.
Se penetrardes o estado de serenidade,
Livres de todo acervo da dor sereis
E o seu poder prevalecerá de forma íntegra e duradoura.

7
Abnegação

O Céu é eterno e a Terra permanente.
Qual será o segredo da sua durabilidade?
Deve ser por não viverem para si mesmos que prevalecem.
Assim também o sábio prefere considerar-se por último
Permanecendo, desse modo, adiante.
Não leva em consideração a sua pessoa
E desse modo prevalece são e salvo.
Não será devido ao desinteresse que nutre por si mesmo
Que  os seus propósitos se realizam?

8
Pureza Original

A Justiça Superior assemelha-se à água corrente,
Que tudo beneficia sem exclusão nem rivalidade.
A água aloja-se nos baixios desprezados pelos homens
E por isso situa-se próximo à Essência.
O melhor dos homens encontra no VIVER a felicidade da vida
E o lado bom das coisas.
A Excelência da mente reside na consolidação da paz e da serenidade.
Para cultivar a aprendizagem mergulhai nos recessos do coração.
Nas associações com os outros  procurai as pessoas dotadas de virtude.
No falar sede sinceros e honestos.
No governar preservai a ordem.
Nos negócios privilegiai a competência.
Nas acções escolhei o momento oportuno.
Desse modo evitareis rivalidades com os outros
E não entrareis em confrontos.
E quando dessa forma um indivíduo não questiona
A humildade da sua posição,
Permanece livre da contradição e da acusação.

9
O Caminho do Meio

É preferível deter a opulência antes que conduza à desgraça.
É impossível manter uma taça completamente cheia
Sem nada derramar.
O melhor é não buscarmos os extremos;
Uma lâmina demasiado afiada
Não pode preservar o gume;
Uma casa cheia de ouro e jade
Não poderá achar-se segura.
Reclamai mérito e honra e facilmente vos arriscareis a perdê-los.
Uma vez terminada a tarefa e realizado o mérito,
Oportuno é retirar-se.
Isto é o que o Caminho do Céu ensina.

10
Harmonia

Não podereis assegurar a unidade de "corpo e  espírito"
Preservando a sua integridade original?
Se puderdes preservar a energia vital mantendo-vos  flexíveis,
Atingirão o estado de inocência próprio da criança.
Ao clareardes a vossa percepção interior
Podereis percebê-la livre de toda a impureza?
Podereis amar o povo e governar o Estado prescindindo do conhecimento?
Podereis permanecer imperturbáveis,
Diante das portas do céu a abrirem-se e a fecharem-se perante vós?
Conquanto pelo uso da inteligência vos possais esclarecer
Na compreensão de todas as coisas,
Não conseguireis permanecer  desafeiçoados e desconhecedores?
O Caminho produz e nutre todas as coisas
E age desse modo sem  reclamar mérito nem possessão.
Sobre tudo preside sem exercer qualquer controle
A isso se chama  "Qualidade da Virtude Suprema".


11
Justa Avaliação

Trinta raios convergem para a abertura no centro da roda,
Mas é devido a essa abertura que ela pode ser utilizada;
A argila pode ser moldada numa vasilha,
Porém, é do espaço vazio que depende o seu uso;
Construímos portas e janelas nos compartimentos de uma casa
Contudo, são esses espaços que as tornam habitáveis.
Desse modo, conquanto o tangível possua vantagens,
É o intangível que confere  utilidade e eficácia.

12
Desejo

A combinação das cinco cores cega;
A mistura das cinco notas musicais ensurdece o ouvido;
A mistura dos cinco sabores corrompe o paladar;
A ambição e a competição entorpecem o coração
E podem desencadear paixões incontroláveis;
A procura de bens preciosos incita à cobiça e à loucura.
Assim, o sábio cuida do íntimo
Ao invés de se deixar incitar pelo externo
E prefere aquilo que conserva, ao que provoca corrosão e desgaste.

13
Firmeza Interior

Devemos  evitar o favor e temer  a honra
Do mesmo modo que a calamidade.
Porque devemos evitá-los?
Porque a condição humilde é um benefício.
Devemos acolher a desgraça com assombro
E estimar a calamidade como a integridade do nosso ser.
Porque devemos acolhê-los desse modo?
Porque uma posição humilde constitui uma dádiva;
Acolhê-la é tão assombroso quanto perdê-la.
A conquista do favor causa apreensão
E a sua perda provoca anseio por mal maior
Mas porque inquietam da mesma forma
É que nós os devemos evitar.
Que queremos dizer com:
"Honra e favor devem ser encaradas como condições a evitar"?
Aquilo a que chamo "eu"-  sede da identidade pelos sentidos,
Torna-se causa de sujeição.
Se não possuíssemos um "eu", que infortúnio nos acometeria?
Por isso, só àquele que honra o mundo como o seu corpo
Se poderá confiar  a custódia do  governo.
Somente aquele que ama o mundo como a si mesmo
É merecedor de ser  seu timoneiro.

14
Essência Inefável

Apontado não o conseguimos perceber;
Por ser destituído de forma é tido na conta de  "invisível".
Escutando-o não o podemos  entender;
Por não ser parcial o chamam "inexprimível".
Procurando-o não o podemos captar;
Por não ter forma nem conteúdo o chamam intangível.
Esses três atributos permanecem insondáveis
E combinados formam a unidade.
Uma vez revelado, não resultará claro;
Por passar despercebido não quer dizer que seja obscuro.
Eterno e inominável, remonta além do reino da existência;
Provido e desprovido de forma é ele,
Ao mesmo tempo, indistinto e indecifrável.
Confrontando-o não lhe percebereis a face;
Uma vez perseguido não lhe notareis o dorso.
Contudo aquele que apreende o Sentido Intemporal,
Dominará sobre as contingências presentes.
Conhecer tais Origens significa iniciar-se no Caminho da Vida!


15
Acção da Virtude

Os sábios da antiguidade eram dotados de subtileza de acção,
Versatilidade e  perspicaz  compreensão
E possuíam uma mente de tal modo insondável
Que só podiam ser descritos pela aparência
Como se situavam além do entendimento comum
Descrevê-los-ei da seguinte forma:
Eram hesitantes como quem atravessa;
Uma corrente de água gelada no Inverno;
Prudentes como aquele que se precaveu dos vizinhos;
Reservados, possuíam a dignidade e a cortesia de um convidado;
Evanescentes como o gelo que se derrete;
Simples e directos como um bloco de madeira por  talhar;
Possuíam uma aparência tão vaga como uma caverna,
E obscura como águas turvas.
Contudo, quem à semelhança deles,
Será capaz de passar serena e gradualmente do turvo à clareza?
Deixemos repousar  aquilo que está turvo  e assim resultará claro.
Quem, à semelhança deles poderá assegurar tal condição de serenidade?
Aquele que preza a pureza
Não procura o autopreenchimento nem a satisfação.
Deixemos que o movimento prossiga
E gradual e naturalmente resultará no repouso.
Aquele que conserva esse princípio não desejará realizar-se
Nem terá pressa de amadurecer antes do tempo.


16
Benefícios do Silêncio

Devemos elevar o estado de "fazer nada"
(não intervir)
Ao mais apurado grau
E perseguir a imobilidade de espírito com incansável vigor.
Se alcançarmos o Vazio Absoluto
Chegaremos à Paz interior.
Ainda que todos andem permanentemente atarefados,
Contempla a essência das  coisas.
Todas elas adquirem expressão e desenvoltura,
Mas pela passividade da atenção percebereis como se diluem.
Retornar à origem é reencontrar a imobilidade de espírito;
Reencontrar a imobilidade de espírito significa
Cumprir fielmente o próprio destino.
Alcançar o Eterno é tornar-se sábio,
Ignorá-lo é incorrer em dano;
Conhecer a Ordem que governa todos os seres,
Significa  tornar-se justo e tratá-los com equanimidade,
Segundo a sua natureza.
Da comunhão com todas as coisas,
Procede a generosidade de carácter.
Aquele que, pela consideração que revela, se assemelha a um rei,
Será endossado com a posse dum reino.
Esse assemelhar-se-á ao Céu, que é uno e fiel ao Todo
E será exempto de toda a decadência.
Assim, ainda que perca a sua vida não perecerá.


17
Subtileza

Os diferentes níveis de confiança seguem-se por esta ordem:
O governante mais digno e competente
Passa despercebido e dirige pela própria integridade do ser.
Em seguida vem aquele que o povo ama e louva
E que dirige pela justiça e bondade.
Depois vem o que se faz temer pelo povo,
E dirige pela eficácia e pelo saber.
Por último vem aquele que o povo despreza e desobedece
Por dirigir pela imposição e pela injustiça.
Quando não se revela confiança,
Não se pode exigir confiança dos demais;
Consequentemente, eles são infiéis para connosco.
O sábio mostra-se irresoluto e apaga-se a si mesmo
E escassas são as palavras de que faz uso.
Quando a sua obra é realizada e todas as coisas são completadas
As pessoas afirmam terem sido elas a alcançá-lo, por si mesmas!

18
Sinais de Decadência

Quando o Caminho, a bondade espontânea
E o espírito de equanimidade se perdem,
Surge a benevolência e a justiça.
Quando se enleva a moral e o saber,
Surge a dissimulação e a hipocrisia.
Quando no relacionamento e na família se perde a harmonia,
Surge a respeitabilidade e o favor; a lealdade e o dever filial.
Quando os homens são isentos destas qualidades
Fazem alarde delas.
E singram os clãs e a desordem

19
Retorno à Simplicidade

Rejeitai a sagacidade e abandonai a astúcia
E o povo colherá múltiplos benefícios;
Abandonai a piedade e a moralidade
E o povo retornará à sua tranquilidade
E à afeição natural pelo semelhante;
Renunciai á perspicácia e ao artifício;
Rejeitai o espírito utilitário e a gratuidade
E deixará de haver ladrões e bandidos.
Estas são três coisas em que a cultura é insuficiente
Contudo, não passam de preceitos.
A ética e a moral só se destinam a curar os sintomas;
É importante agarrarmo-nos ao que suporta
Ser-se simples e autêntico,
Ter mão no egoísmo próprio e refrear o desejo.

20
Liberdade Primordial

Eliminai a instrução e livres vos tornareis de todo o cuidado!
Entre o sim e o não,
Pouca diferença deverá existir.
Mas estabelecei os parâmetros
Em termos de  bem e mal; certo e errado,
E  enorme abismo os apartará, pelo resultado!
A presunção do saber circunscreve a ignorância.
Sem dúvida alguma, aquilo que os homens temem é um facto.
Contudo, por que deverá ser temido?
Como é vasto e interminável o leque de questões a ser abrangido.
E quão longe vem, ainda, o raiar da aurora.
Todavia, os homens andam radiantes e alegres
Como se vivessem em festa ou subissem a um ermo
E contemplassem vistas primaveris.
Somente eu permaneço indiferente e tranquilo,
Sem possuir qualquer objectivo concreto na vida.
Como uma criança que ainda não aprendeu a sorrir
Permaneço indeciso e desamparado,
Como quem não tem para onde se dirigir.
Todo o homem possui mais do que o suficiente
Somente eu pareço nada possuir;
Desfazendo-me de toda a inutilidade e assemelho-me a um idiota,
Tal o modo como procuro tornar-me sensível.
O povo parece culto, esclarecido e sagaz
E só eu permaneço completamente embotado e ignorante.
Vagueio ao sabor da corrente sem parecer ter para onde ir,
Como brisa passageira, sem propósito definido.
Todos possuem as suas aptidões, só eu pareço obstinado e desajeitado;
Assim permaneço; contudo, distinto dos demais!
Pois defendo que devemos procurar esclarecimento  junto à Fonte.


21
Essência da Vacuidade

É próprio da Suprema Virtude dar livre curso à sua natureza,
Todavia, a sua natureza é indistinta e indeterminada,
De tanto parecer difusa e ilusória.
Mas assim mesmo como é, possui uma forma:
"Difusa e indeterminada".
Possui em si mesmo uma substância:
"Sombria e turva".
Contém em si uma essência de vitalidade
Que se expressa através da realidade.
Dotada de inabalável autenticidade
O seu nome foi preservado por eras
A fim de fazer lembrar a origem de todas as coisas.
Como poderei saber que essa seja a sua origem?
Pela compreensão do que é oriundo do Absoluto!

22
O Incremento da Humildade

Dobra-te e permanecerás erecto.
Deixa que torça e manter-te-ás firme.
Sê humilde e permanecerás íntegro.
E desse modo o que estiver desordenado poderá conhecer a ordem.
E o que se achar incompleto será repleto;
Assim, se te tornares flexível conseguirás manter a postura.
Esvazia o espírito e permanecerás repleto;
Desenvolve a compreensão  e renovar-te-ás.
Aquele que nutre menos desejos é o que os verá cumpridos;
O que comporta demasiados, desvia-se do principal.
A simplicidade comporta  sabedoria;
Demasiado saber conduz à dúvida e ao embaraço.
Procedendo assim, o sábio abraça a Unidade,
E torna-se modelo do mundo.
Evita expor-se e por isso resplandece;
Não se afirma e por essa razão sobressai.
Não ostenta mérito e desse modo ele lhe é creditado.
Não se exalta brandindo o sucesso;
Dessa forma resiste e torna-se respeitado
Não condescende na autoindulgência;
Desse modo alcança superioridade.
Não compete com ninguém;
Desse modo ninguém rivaliza com ele.
Reza verdade o seguinte ditado:
Sê humilde e manter-te-ás íntegro! (coeso)
Conservando a integridade, tudo fluirá espontaneamente.


23
Não Interferência

Falar pouco e agir sem esforço é o natural;
Só as palavras simples e serenas frutificarão.
Uma ventania não pode durar toda uma manhã;
Uma tempestade não dura  um dia inteiro.
Qual será a razão disso?
Deve-se isso à harmonia de "Céu e Terra".
E se nem mesmo  Céu e Terra
Podem produzir tais coisas de forma compulsiva
Quanto mais os homens com os seus  esforços conjurados!
Assim, aquele que se conforma ao Princípio vive de acordo com ele;
Aquele que pratica a virtude,  possuidor de virtude se torna;
Aquele que corteja a ignomínia sujeitar-se-á à sua acção.
Conformar-se a qualquer destes preceitos é criar-lhe  franco acesso.


24
Esforço

Permanecer na ponta dos pés conduz à perda de equilíbrio.
Se esticardes demasiado ao passos
Não podereis avançar muito longe.
Aquele que se ostenta não encontra reconhecimento;
Aquele que se justifica não possui mérito.
Pois ao impor-se, perde a influência;
Aquele que se vangloria não alcança superioridade.
Na verdade esses modos constituem um abominável  desperdício.
Assim, o indivíduo que busca o Caminho  da virtude
Não confia neles, nem tampouco os adopta.

25
Criativo

Existe algo indefinido, e ainda assim perfeito em si mesmo,
Desde muito antes da existência de Céu e  Terra.
(dualidade)
Silencioso e sem limites; singular e inalterável,
Que deve ser considerado como a mãe de tudo.
Desconhecendo-lhe o nome chamo-lhe Caminho;
Na falta de melhor termo poder-se-ia chamar-lhe Infinito.
Sendo infinito pode avançar; avançar é chegar longe;
Chegar longe significa retornar.
(ao vazio)
Assim, o Céu é grande; a Terra é grande;
Aquele que domina a si mesmo é igualmente grande;
Ele deve a sua grandeza à Terra,
(que o sustenta)
A Terra deve-a ao Céu,
(que a fecunda)
O Céu deve a sua grandeza ao Caminho;
(que é a sua essência)
O Caminho da virtude segue a sua própria via.


26
A Dignidade duma
Postura Equilibrada

A gravidade é a raiz da  alegria;
O pesado é a raiz do leve.
A serenidade domina a inquietação,
E governa sobre todo o movimento.
Desse modo, ainda que o sábio viaje para longe
Não se afastará da sua origem!
Conquanto rodeado de promissoras perspectivas de vida fácil,
Permanece  na paz da sua casa e não abdica da sua maneira de ser.
Poderá o homem de bem menosprezar o que é importante e pleno de sentido,
Sendo mais precipitado do que precavido?
A irreflexão conduz à perda da serenidade;
Agitar-se implica perder o autodomínio e a dignidade.


27
A Luz da Harmonia

Avançar correctamente significa não deixar rasto;
Ser eloquente equivale a não deixar o que possa ser refutado
Nem causar mágoa a ninguém;
Calcular adequadamente assemelha-se a não ter que recorrer a cálculos;
Fechar bem quer dizer prescindir de chave e de ferrolho;
Não obstante, ninguém o abrirá.
Boas amarras não necessitam de corda nem laço;
Não obstante, ninguém as desata.
Por isso o sábio sempre é prestável no auxílio que a todos estende;
Exímio no aproveitar, nada deixa que se desperdice.
A isto se chama Abraçar a Luz!
Logo, o homem de bem é mestre do homem vulgar;
Mas este constitui a lição daquele.
Pois não revelar deferência pelos outros,
Nem reverencia pela instrução,
É não tirar proveito da sua lição,
Mas percorrer a via errada,
Sem que importe o quanto se possa parecer inteligente.
A isto se chama subtileza essencial; os caminhos cruzados do Mistério!


28
Equilíbrio

Ter consciência do princípio masculino
(virilidade e afirmação intelectual ou física)
E ainda assim conservar o principio feminino
(receptividade e intuição)
É tornar-se ravina profunda para o que tudo o mais fluirá
E mover-se constantemente no caminho da excelência,
Reforçando, assim, a simplicidade original.
(participando desse princípio inefável)
Ser esclarecido e ainda assim conservar a modéstia
É converter-se numa referência para o mundo.
Proceder dessa forma é afirmar a virtude original
Sem vacilar num único movimento,
Retornando, desse modo, ao infinito.
Conhecer aquilo que é digno de glória
E ainda assim permanecer na modéstia,
Preservando assim a humildade,
É tornar-se  fonte para o mundo;
Viver a vida abundante da virtude
E retornar à simplicidade natural.

29
Expressão do Sagrado

Esperais tomar o mundo de feição e transformá-lo?
Não vejo como possais ser bem-sucedidos;
O mundo é um recipiente sagrado
Em que nem o desejo nem a vontade devem intrometer-se!
Intrometer-se, procurar dominá-lo,
Significa deformá-lo,  deitá-lo a perder.
O que estava na frente passa para trás;
Aquilo que é beneficiado a seu tempo será abandonado
E o que foi amealhado ridicularizará o esforço empregue;
Frequentes vezes a força procede da fraqueza e do infortúnio.
Em verdade há um tempo para cada coisa
Seguir adiante ou permanecer atrás;
(agilidade, lentidão)
Um tempo para a passividade e um tempo para a euforia;
(entusiasmo,  apatia)
Um tempo para o crescimento e um tempo para a decadência;
Um tempo para estar em cima e um tempo para estar por baixo.
Assim, o sábio deixa todas as coisas seguir o seu curso,
Procura evitar o excesso e a arrogância
E afasta de si os extremos e a extravagância.

30
Descartar o Uso da Força

Aquele que sabe conduzir o governo pela via da Justiça
Ignora o uso de armas,
Pois é próprio da sua utilização sair-mos feridos.
Onde estacionarem exércitos  crescerão somente cardos e espinhos;
Após uma grande batalha seguir-se-ão anos de fome;
O homem de bem cuida de servir à protecção do seu povo,
Todavia, procura vencer sem engrandecimento próprio.
Após atingir a vitória não exibe sucesso,
Nem se orgulha da habilidade empregue
Arrependendo-se sim da incapacidade de impedir o conflito.
Não deves pensar em conquistar os demais pela força
Porquanto isso é contrário à natureza!
Ao apogeu de poder sucede invariável e inevitavelmente a decadência.
Tudo o que  é contrário à vida caminha para o seu fim!

31
Preservação da Paz

Armas de guerra são instrumentos do mal;
O homem de bem não confia nelas.
Em tempo de paz, o governante confia a esquerda
Como lugar de honra para ministros.
Em tempo de guerra, confia a direita
Como lugar reservado para generais.
Sendo as armas instrumentos nefastos
Não são próprios para o homem de bem;
Só quando forçado deverá ele recorrer a elas.
Àquele para quem a paz e a serenidade são caros ao coração
Mesmo uma vitória não constitui causa de júbilo;
Esse regozijo diz respeito ao morticínio.
Assim, aquele que se regozija com a matança
Não pode esperar evoluir no domínio do mundo. (si mesmo)
Deve reservar-se sempre o lado esquerdo para os momentos  propícios
E o lado direito para as ocasiões de pesar.
No exército, o lugar de Tenente permanece à esquerda
E o de Capitão à direita;
Isso significa que a guerra é tratada em paralelo com o serviço fúnebre!
Aquele que muito matou cumpre ser chorado com tristeza e desgosto
Por isso mesmo se assemelha a vitoria  a um funeral.


32
Espírito Crítico

A Verdade é eterna;
O Caminho da Vida é destituído de atributos.
Porém, insignificante como é na sua simplicidade original,
Não fica abaixo de coisa nenhuma neste mundo.
Se os governantes pudessem cingir-se a ele,
Céu e Terra resultariam em harmonia
E reinaria a paz entre os homens
Sem que se sentissem constrangidos.
Quando se perdeu a Simplicidade Original
Houve necessidade de dar nome às coisas,
Porém, a diversidade de nomes não refere o inominável.
É apropriado suster a discriminação;
A verdade está para o mundo como o mar para os rios.


33
Sabedoria

Aquele que conhece os outros é sagaz
Mas quem conhece a si mesmo possui sabedoria.
Aquele que consegue prevalecer sobre os outros é poderoso
Mas quem conquista a si mesmo, possui força.
Todo aquele que sabe contentar-se é rico;
Aquele que for capaz de perseverar no Caminho da Virtude,
Sem perder o seu “norte”, possuirá firmeza de carácter.
Aquele que preservar a sua integridade
Sem perder o equilíbrio, perdurará.
Poderá ter de enfrentar a morte, porém, não perecerá
Mas gozará de verdadeira longevidade.

34
Magnanimidade

A Virtude Sublime é universal e assemelha-se a um dilúvio.
Como poderá  voltar-se  para a direita ou para a esquerda?
Todas as criaturas dependem dela
Sem que  lhes recuse coisa nenhuma.
Realiza a sua obra sem reclamar posse sobre ela;
Sustenta todas as coisas e nutre-as
Sem dominar sobre elas;
Por isso é  tido na conta de Humilde.
Todas as coisas retornam a ela e a aceitam como um refúgio
E ela nada lhes exige;
Por isso o chamam Grandioso.
E justamente por não esperar  nenhum reconhecimento
É que a sua grandeza é plenamente realizada.

35
Fidelidade de Espírito

Aquele que se conserva fiel à Virtude Sublime atrai o mundo para si.
E se todos acorrem a ele, não encontram qualquer dano
Mas paz e harmonia.
Musica e petiscos podem constituir uma pausa para o viajante,
Porém, as palavras expressas com verdade possuem efeito duradouro.
Embora ténues e carentes de sabor,
Não podem ser percebidas com os olhos
Nem escutadas com o ouvido.
Mas o seu uso prevalece inesgotável.


36
Superação

Para que algo se contraia,
Deve-se, antes de mais, permitir que se expanda;
Por forma a enfraquecer algo,
Deve-se, certamente, deixar que se fortaleça primeiro.
Se quisermos derrotar, devemos primeiro exultar;
Para podermos despojar devemos primeiro,
Deixar que alcance a opulência;
Nisto reside a subtil sabedoria.
O brando e o fraco levam a melhor sobre o duro e o forte.
Toda a força e superioridade anteriores
Se expiam na debilidade  e inferioridade subsequentes.
O mais evoca o menos;
O excesso conduz à carência.
Assim como o peixe não pode ser pescado
Se permanecer nas profundezas
Também o homem de bem não deve tomar posição.

37
Transformar pela Virtude

O Caminho não produz qualquer bulício
No entanto não ocorre nada sem a sua acção.
Se o soberano puder ater-se a ele
Todas as coisas se desenvolverão por si mesmas.
Quando tentamos desenvolvê-las através do esforço
Ou transformá-las pelo emprego da vontade,
Isso faz brotar a afectação do desejo.
É altura de as dominar pelo uso da simplicidade original.
A simplicidade original é destituída de desejo e ambição,
Livre de todo propósito, e consolida-se na serenidade e na paz.
Mas todas as coisas se ordenam por sua vontade.


38
Isento de Segundas Intenções

A Virtude superior não está em seguir preceitos nem princípios;
Justamente por não possuir consciência de si,
É que chega a implementar a diferença.
Assim também se chegamos a ser isentos de autoconsciência
Os nossos actos podem chegar a alcançar virtude.
A virtude inferior preocupa-se com as normas e exibe-se,
Por essa razão é igualmente falha em criar resultados;
A virtude superior não se agita nem segue objectivos parciais,
Todavia, nada deixa inacabado.
A virtude mundana não só disputa e interfere
Como também logra atingir o seu móbil.
A benevolência superior age sem intenções;
A moralidade inquieta-se
E actua de acordo com motivos estreitos e mesquinhos;
O grande poder não convence
Mas abeira-se da persuasão para se fazer cumprir.
Assim, pela perda do Caminho advém a virtude;
Quando nos afastamos do Caminho, recorremos à benevolência;
Após a perda da bondade passa a prevalecer a moral;
Quando a justiça se perde sobrevém o poder.
O poder não passa duma aparência de confiança e lealdade
O começo da confusão e da desordem.
Previsibilidade  e  conhecimento,
Tanto podem representar a flor do Caminho
Como o começo do erro.
Assim, o homem precavido depõe o coração no altar da essência
E, ao invés da aparência, colhe  o “fruto” em vez da  flor.
Na verdade, prefere o recolhimento à exteriorização.

39
Confiança

Nada existe que, desde o início não tivesse atingido a Unidade.
O Céu, pela consolidação da Unidade atingiu a claridade;
Em consonância com a Unidade a Terra estabeleceu sua firmeza;
Os humores, consolidaram o seu poder na Unidade;
Por intermédio da Unidade as fontes atingiram a plenitude,
E todas as criaturas a atingiram e se reproduziram.
Pela Unidade, príncipes e governantes, reinaram sobre a Terra.
Todas as coisas são o que são pela Virtude da Unidade.
Se o Céu carecesse de pureza, deixaria de ser Uno;
Se a terra não possuísse estabilidade desagregar-se-ia;
Se os humores  não possuíssem poder e eficiência,
Deixariam de ser o que são.
Se as fontes não possuíssem aquilo por que se enchem, secariam;
Se todas as criaturas deixassem de se reproduzir, extinguir-se-iam;
Se os príncipes deixassem de ser soberanos seriam depostos.
Em verdade, a humildade é a base da nobreza;
O Sublime deve firmar-se no que é humilde.
É por falta disso que os governantes são habitualmente
Designados como incapazes e indignos.
Talvez necessitem  ter consciência do quanto dependem do "humilde".
Na verdade honra em demasia é sinal de carência;
Não é sensato resplandecermos como o jade,
Nem mostrar-nos  rudes como seixos duros.


40
Retorno

O retorno  é o movimento do Caminho da Unidade;
A suavidade é a sua função.
Do mesmo modo, o efeito resulta da sua acção.
Todas as coisas provêm da existência;
Esta, é originária do não-existência.
(do que é coisa nenhuma)
Diminuindo-se  incessantemente pela compreensão
Chega-se a dar lugar à simplicidade primordial.

41
Aparência e Autenticidade

Quando um espírito superior escuta falar do Caminho
Aplica-se com zelo e diligência;
Quando um espírito médio ouve falar do Caminho
Torna-se  indeciso;
Quando o espírito vulgar ouve falar do Caminho
Ri às gargalhadas;
Se não o fizesse, não se trataria do Caminho!
Assim reza o provérbio:
O Caminho numinoso parece indistinto
E aqueles  que o realizam assemelham-se a  cegos,
O seu progresso parece retrógrado
E aqueles que o percorrem parecem desorientados.
A sua suavidade aparenta ser acidentada
E aqueles que a atingiram parecem ordinários e vulgares.
É que a virtude superior, de tão profunda, parece vazia,
A claridade superior parece maculada,
A virtude perfeita mostra-se deficiente,
A  mais sólida parece desmembrada,
A mais recta parece difusa,
A pureza genuína parece deformada,
Mas a quadratura perfeita não tem ângulos nem esquinas.
Grandes talentos tardam a revelar-se,
A harmonia superior procede do silêncio,
A Forma superior não possui traço,
A virtude é imanente e não tem nome.
Contudo só Ele sabe como prestar auxílio e realizar a "Obra"!

42
O Segredo do Crescimento

O Caminho conduz à evolução
Que se expressa na harmonia entre os contrários.
A designação e a classificação geram a dualidade;
A dualidade dá lugar ao "ser" e  "não-ser",
E às divisões sem fim que levam à confusão.
Todos os indivíduos carregam o potencial latente
De se tornarem receptivos,
E de alcançarem a harmonia entre os contrários.
Quem desejará mostrar-se insignificante e indigno?
Todavia os homens superiores designam-se a si mesmos
Pelo emprego de tais epítetos!
Ao pretenderem alçar-se a posições cimeiras
Os homens diminuem-se;
Porém, diminuindo-se, com certeza que se engrandecem!
Certo é que podemos ganhar muito com a perda
E perder sem conta, com o ganho.
Eu preconizo aquilo que foi ensinado assim:
Fim violento sobrevirá àquele que da violência fizer uso
Aquele que  agir de acordo com essa verdade
Eu o tomarei como meu mestre.

43
A Virtude da
Docilidade de Espírito

O suave excede a dureza
Pela cedência se alcança a paz.
Só aquilo que não é coisa alguma
Pode penetrar o infinito.
Portanto, vejo que na não-acção reside
A suprema vantagem do procedimento natural.
(deixar ser, não interferência)
Poucas coisas neste mundo
Conseguem ser tão instrutivas quanto as lições do silêncio
E tão benéficas quanto a vantagem da não-acção.


44
Sensatez

Não serão a saúde e a sensatez mais importantes que a reputação?
Acaso a vida não será mais digna de apreço que a propriedade?
Será sensato expor-se à perda movido pela vantagem?
Assim, aquele que sustenta desejo em demasia
Consome-se demasiado;
Amontoar demais implica pesada perda
Ao passo que a modéstia não incorre em nenhuma desgraça,
A moderação não causa dano mas conduz á durabilidade.

45
Discernimento da Grandeza

A  Perfeição mais sublime parece imperfeita
No entanto o seu uso é inesgotável.
A Suprema Abundância parece austera
No entanto brota sem se esgotar.
A Suprema Rectidão parece tortuosa,
A Suprema Habilidade parece desajeitada,
A Suprema Eloquência parece balbuciar,
Assim, eis o Sábio:
Perfeito, sob aparências desapropriadas,
Dando de si sem se exaurir,
Completo sem que o pareça
Desdobrando-se sem se esgotar,
Recto sob traços curvos, sem deixar de ser flexível;
Hábil e perspicaz sob aspectos desajeitados,
Como que atrapalhado.
O movimento vence o frio,
O repouso permite-nos suplantar o calor.
A paz e a tranquilidade são as normas do sábio,
Por elas pode ele dirigir a si mesmo e ao mundo.


46
Autodomínio

Quando o mundo seguia a ordem e o Caminho
Os cavalos eram usados para arar os campos;
Quando a virtude foi esquecida
Os cavalos passaram a ser levados a pastar além  fronteira. (guerra)
Não há maior mal do que deixar-se guiar pela ambição
E ceder à cobiça;
Calamidade maior não há que a de perder a noção dos limites,
Só quem conhece moderação terá sempre o quanto baste!

47
Perspicácia

Sem precisarmos transpor a porta
Podemos conhecer os caminhos do mundo,
Sem necessitarmos assomar à janela
Podemos dar-nos conta dos caminhos do Céu.
Quanto mais longe o saber alcança, menos conhecemos!
O sábio alcança a sua meta sem precisar encaminhar-se para ela,
Compreende sem  saber e realiza sem interferir.

48
Conquista do Conhecimento

O saber consiste em acumular diariamente;
A sabedoria consiste em desaprender!
Pela  constante diminuição do saber
Se alcança a liberdade da não-acção
E da acção natural, isenta de esforço e de vontade;
Apesar disso, nada há que não possa ser alcançado.
Para vencermos o mundo devemos renunciar à vã agitação e ao conflito;
Se sustentarmos proveito pessoal gratificante
Jamais conseguiremos obter tal conquista.
Quando nos apressamos a viver encaminhámo-nos para a morte;
Bem e mal dependem da justa medida.
As causas de vida  são proporcionais às causas de morte;
Quando se vive com ansiedade servimo-nos das mesmas causas
Ainda que pelo pressuposto inverso,
Por se apegar aos recursos da vida com demasiada intensidade.

49
Reforço do Carácter

O sábio não possui interesse pessoal
Nem conceito inflexível,
Mas torna sua a vontade dos outros,
Admitindo o seu conceito.
Se a vontade for boa, aceita-a como boa
Se a vontade não for boa
Aceita-a igualmente como boa,
Isso, naturalmente, reflecte bondade.
Ele é generoso com o generoso
E generoso do mesmo modo com o indelicado,
Isso reflecte generosidade!
Pois ser generoso é possuir virtude!
É sincero para com o que inspira confiança
E igualmente sincero para com o que desconfia,
Pois ter confiança é ser digno de virtude!
Entre os demais é o sábio tímido e apagado
Conservando a serenidade do coração
Em meio à confusão,
O povo aguça o ouvido e apura o olhar;
O sábio, todavia,  considera-os como a sua prole.

50
Pureza do Coração

Quando nos afastamos da vida incorremos na morte;
As causas de vida podem ser as mesmas que as da morte.
Porque será assim?
Devido a que queiramos obter as coisas com demasiada pressa.
Diz-se que quem sabe viver correctamente não possui temor;
Ainda assim, não encontra fera no seu caminho.
Sai para o campo de batalha sem couraça,
Mas não chega a ser tocado pelas armas.
Nele a investida não encontra resistência,
Nem o ataque onde se aplacar.
Como poderá ser  que as armas
Não encontram nele onde aplicar o seu gume?
É assim, por não existir nele lugar para a morte!
(separação)

51
Perspectiva

O Absoluto confere  vida,
A virtude enobrece o carácter,
As condições moldam a forma e dão lugar ao desenvolvimento,
A moderação confere maturidade.
É por isso que todas as coisas sem excepção
Honram o Absoluto e a Virtude,
E  fazem-no sem qualquer incitamento
Mas  sempre com espontaneidade.
É o Caminho que lhes confere vida;
É a virtude que as nutre e fomenta, abriga e faz crescer.
Por isso, dar sem  reclamar,
Cumprir a sua tarefa sem se apropriar,
Conquistar sem vencer,
Dirigir sem dominar,
A isso se chama Virtude Superior!

52
Clareza de Espírito

Tudo na vida tem uma origem comum,
Tal origem tornou-se a fonte do mundo
Conhecendo-se a origem
Conhecem-se seguramente os seus efeitos,
Conhecendo os seus efeitos
Devemos correr a aderir à Origem!
Procedendo desse modo não se incorrerá em dano,
Ainda que possamos ser aniquilados.
Mantém teus lábios fechados e aplica o ouvido à escuta
E poderás chegar ao fim dos teus dias
Sem dar prova de desgaste nem decadência.
Fala livremente e de modo complacente,
Multiplica os teus cuidados e desse modo abreviarás a tua vida.
Limitar a atenção às pequenas coisas
É o segredo da detenção da clareza de espírito.
Ater-se à delicadeza e atender à própria fraqueza é o segredo da força.
Utilizai a inteligência e preservai o discernimento
E desse modo não atraireis  calamidade;
Esse é o caminho do cultivo do Eterno!


53
Caminho Franco

Se tiverdes um pouco de sabedoria
Para percorrer o Caminho Supremo
Todo o vosso cuidado será o de não vos desviares dele.
O Caminho Supremo é amplo e abrangente
No entanto, os homens preferem os atalhos.
Quando nos palácios reina o esplendor
Abundam nos campos o mato e as ervas daninhas,
E a desolação nos celeiros!
As pessoas albergam trajes sumptuosos
E carregam armas cortantes à cintura.
Têm excesso de comida e bebida
E mais riqueza que a que podem utilizar.
Tudo isto constitui arauto do roubo
E nada tem que ver com o Caminho.

54
Virtude

Aquilo que é bem plantado não será arrancado;
O que é firmemente seguro, dificilmente se escapa das mãos.
Se fordes possuidores desta virtude
Os vossos descendentes poderão cultuar a vossa memória e exemplo.
Cultivai a virtude em vossa pessoa e virtuosos vos tornareis,
Cultivai-a na família e ela  subsistirá,
Cultivai-a na comunidade e ela poderá desenvolver-se,
Cultivai-a no Estado e ela florescerá com abundância,
Cultivai-a no mundo e ela tornar-se-á universal.
Assim, pela sua virtude haverá o homem de ser conhecido,
Podemos observar-nos a nós próprios através do outro.
Pela virtude da família conheceremos a família,
Pela virtude da comunidade  conheceremos essa comunidade,
Pela virtude do Estado, conheceremos esse Estado,
Assim, também, falar com bondade suscita  confiança;
Pensar com bondade confere profundidade,
Presentear com bondade cria afecto,
Por tudo isso- que vós sois- se há-de conhecer o mundo.

55
Inocência

Aquele que se deixa inundar de virtude
Assemelha-se a uma criança inocente,
Nem vespas nem serpentes venenosas  o morderão,
Tampouco as feras o atacarão.
Conquanto os  ossos do recém-nascido sejam brandos e flexíveis
E os seus tendões maleáveis,
A sua mão pode apertar com firmeza.
Desconhecendo o apelo do sexo possui plena virilidade
Manifestando a perfeição da essência física.
Pode chorar por todo o dia sem enrouquecer,
Pois pela  harmonia interior atinge essa totalidade.
Conhecer a harmonia é conhecer o Eterno,
Conhecer o Eterno é possuir discernimento,
Acelerar o crescimento da vida é arriscado,
Onde imperar a paixão ou a ansiedade, precária deverá ser a força.
Crescer depressa demais é envelhecer,
À virilidade intensa sucede inevitavelmente a decrepitude.
Tudo isso contrário ao Caminho da Vida é,
E o que é contrário à vida cedo ou tarde encontrará término!


56
Unidade Subjacente À Multiplicidade

Aquele que sabe, não fala;
Aquele que fala não sabe!
Mantém a boca fechada,
Retém os ânimos,
Elimina completamente a aspereza,
Desata toda a complicação,
Harmoniza os sentidos,
Reúne o mundo num todo, confundindo-te com o vulgo;
Eis aí a  Simplicidade Singular!
Um homem assim, não se poderá cortejar.
Tampouco beneficiar nem prejudicar,
Honrar nem humilhar.
Esse homem mantém-se estimado e sai enobrecido.


57
Conduta de Simplicidade

No governa-se do estado deve-se implementar leis,
Numa batalha  deve-se combater com habilidade e destreza;
Porém, só dominamos o mundo, deixando-o de lado.
Como saberei se será assim?
Pelo seguinte:
Quanto mais proibições existirem no mundo,
Mais pobres as pessoas se tornarão.
Quanto mais evoluídas forem as armas do povo,
Maior será a confusão reinante.
Quanto mais investidores e engenhosos os homens se tornarem
Com maior frequência sucederão  estranhas invenções.
Quanto mais ordens se decretarem
E leis forem promulgadas,
Mais bandidos e ladrões surgirão.
Assim, o homem sensato declara:
Nada afirmo e as pessoas transformam-se por si só.
Permaneço sereno e o povo emenda-se por si mesmo
E de forma espontânea.
Não faço uso da força nem levanto dificuldades  e o povo enriquece
Não mantenho ambições e o povo retorna à simplicidade.

58
A Virtude da Adaptabilidade

Onde o governo for mais indulgente e justo
O povo será mais honesto e leal.
Onde a legislação for demasiado eficiente na intervenção
O povo torna-se astuto e insatisfeito.
O infortúnio decorre do excesso,
Na fortuna  se  oculta a desgraça.
Quem conhecerá o findar desse processo?
Não poderemos dispensar normas, se quisermos agir com correcção?
Aquilo que é norma e convenção
Em breve tempo se tornará excepção.
O que é auspicioso cedo se torna ameaçador.
A regra cedo se torna ardil.
A justiça  dá rapidamente lugar à opressão.
A doutrina torna-se capricho.
O bem descamba na superstição.
Há longo tempo se encontra o povo diante desse dilema,
Por isso, o homem sensato torna-se escrupuloso sem ser indelicado,
Modela sem desfigurar,
Corrige  sem esforço,
E torna-se esclarecedor sem aturdir.

59
A Virtude da Moderação

Para governar os homens e servir o Céu
Não há nada melhor do que a moderação.
Ser moderado é desviar-se antes de se extraviar,
Com dupla garantia de virtude.
Possuir esse atributo é ultrapassar todos os limites do constrangimento.
Ultrapassá-los,  significa alcançar uma estatura libérrima e espiritual.
Só aquele que alcança uma tal estatura pode ter o reino a seu cargo,
E só aquele que alcançou a fonte de tal reino, pode perdurar.
Esse é o procedimento para nos arraigarmos  no Caminho da Vida.
O segredo da vida longa e da visão duradoura!

60
Preservar a Correcção

Governar um grande reino assemelha-se
À acção de assar um peixinho.
Quando o homem de bem governa o mundo,
(a si mesmo)
Os humores deixam de exercer poder exclusivo;
Não se trata de deixarmos de ter humores,
Porém eles não causarão dano algum.
Não é que o não possam fazer,
Mas é que o homem sensato não se torna causa de dano.
Se ao menos os governantes e os governados
Se abstivessem de ofender uns aos outros,
O reino seria cumulado de todos os benefícios.


61
Espírito de Cooperação

Uma grande nação assemelha-se às terras baixas
Para onde convergem todos os riachos.
Torna-se o centro de tudo e o aspecto feminino do mundo.
A mulher conquista o homem com a sua receptividade
Rebaixando-se por meio da discrição e da passividade.
Do mesmo modo:
Se uma grande nação puder tornar-se condescendente
Perante uma nação menor, conquistará.
E, se a mais pequena se deixar conquistar engrandecer-se-á.
Uma prevalece curvando-se; a outra, tornando-se submissa.
A aspiração de uma nação grande
Consiste em beneficiar as nações menores;
A aspiração de uma nação menor
É simplesmente a de poder servir o povo.
Assim, para que ambas
Possam alcançar os seus desejos,
É apropriado a mais elevada baixar-se à menor.


62
Devoção à Verdade

O Caminho constitui o refúgio de todas as coisas;
O tesouro do homem honesto,
E a salvaguarda de quem vive no erro.
Com belas palavras se pode conseguir honrarias.
Com belas façanhas se pode engrandecer.
Mas se um homem se desviar do caminho do bem,
Não há razão para que seja rejeitado.
Assim, na coroação do imperador, ou na nomeação dos ministros,
Deixai que os outros façam as oferendas, valendo-se dos seus meios,
Porquanto nada disso se compara àquele que,
Sem se mover  da sua posição, se devota à Verdade.
Por que razão os antigos honravam a Verdade?
Não será  pela sua virtude que todo aquele que a procura, encontra?
E que todo o culpado encontra redenção?
É por isso que a Verdade representa o tesouro do mundo



63
Pequenos Passos

Agi com naturalidade sem interferir com a ordem natural.
Esforçai-vos pelo estado de passividade interior.
Considerai o que é insípido
E exaltai o que é humilde como coisa nobre.
Considerai o pouco como muito,
Retribuí à injúria com a gentileza,
Tragai as preocupações no momento em que brotam
E semeai o "grande" com o "pequeno".
As coisas difíceis da vida devem ser enfrentadas enquanto são fáceis,
As grandes coisas do mundo só podem ser alcançadas
Atendendo aos seus insignificantes começos.
Assim, o sábio jamais empreende grandes feitos
E por via disso mesmo é capaz de realizar os maiores.
Quem facilmente promete pouco poderá cumprir,
Pois fá-lo irreflectidamente.
Quem tudo julga fácil, muitas dificuldades encontrará.
Assim, o sábio, que atende ao difícil de todas as coisas,
No final não encontra qualquer dificuldade


64
Antecipação

Deve empreender-se o difícil enquanto este for fácil,
As coisas maiores enquanto são menores.
Aquilo que está calmo, fácil é de conter,
O que ainda não foi manifesto é fácil de prevenir.
Aquilo que é frágil é fácil de quebrar,
O que é pequeno é facilmente dissipável.
Considerai as coisas antes que se manifestem,
Ordenai-as antes que se inicie a desordem.
Uma árvore grande brota de um rebento pequeno,
Um edifício de nove andares começa com um punhado de terra,
Uma viajem de mil léguas tem início num simples passo.
Aquele que se atribula na ansiedade prejudica o resultado,
Aquele que detém para si mesmo, acabará por perdê-lo.
O homem sensato não exige coisa nenhuma
E desse modo nada danifica.
Não empreende  tarefas  difíceis,
Nem procura agarrar coisa alguma e assim nada se perde.
É comum as pessoas no culminar do sucesso deitarem tudo a perder,
A embriaguez faz perder a noção dos limites e leva-nos a cometer erros;
Com cautela no início e paciência no final, nada sofrerá dano.
Assim, o sábio procura ser desafeiçoado de paixões
E não valorizar objectos  raros.
Aprende com o que passa inadvertido aos outros
E com as faltas dos homens comuns.
De modo a induzir as massas a transpor aquilo em que  transgridem.
Ajuda simplesmente as criaturas
A reencontrarem a sua natureza e expressão,
Mas não se aventura a intrometer-se no seu percurso



65
O Cultivo da Receptividade

Nos dias de outrora,
Aqueles que versavam sobre a prática do Caminho
Não procuravam instruir os homens,
Mas preservar-lhes a  simplicidade.
Por que razão é o povo difícil de governar?
Por saber demais!
Aquele que governa a nação com esperteza torna-se um flagelo para ela.
Aquele que a governa a nação
Sem recorrer à sagacidade nem ao ardil
Conduz a nação à prosperidade  e torna-se seu benfeitor.
Conhecer este princípio é possuir regra!
Saber tornar essa regra constante é deter a Virtude Suprema.
Essa Virtude é vasta e profunda e revela a distinção do seu possuidor
E conduz as coisas ao acordo e à harmonia primordial.



66
Liderar Pela Subordinação do Ego

O que fará com que o mar seja senhor sobre todas as correntes e rios?
É devido a que permaneça abaixo;
Por isso reina sobre eles.
Assim, também o sábio se mantém sobre os homens
Permanecendo humilde no discurso,
Conduz o povo colocando-se em último lugar.
(sem pensar em si)
Quando reina sobre o povo, este não lhe sente o peso,
E quando se coloca à sua frente, o povo não sente estorvo.
Eis porque todos se contentam em mantê-lo adiante
(o que  não deseja, todavia)
Sem dele se cansarem


67
O Exercício da Compaixão

Toda a gente refere esta Verdade como sendo grande
Porém, parece tão estranha como mais nenhuma;
Todavia, é justamente por ser grande que parece inferior
Se fosse comparável, desde logo seria pequena.
Tenho três tesouros que conservo e cuido com zelo:
O primeiro é a compaixão
O segundo é a frugalidade
O terceiro é a humildade
Se for compassivo sempre posso viver sem medo,
Se for frugal  posso ser generoso,
Se não me atrever a tornar-me o primeiro,
Poderei ser mestre entre os escolhidos.
Se o homem pretender viver sem medo,
Sem primeiro se tornar compassivo,
Ou generoso sem ser simples,
Líder, sem possuir orientação,
Esse homem  cortejará o desengano.
Só aquele que é compassivo
Poderá revelar verdadeira coragem;
O Céu o socorrerá  e protegê-lo-á, através da compaixão.


68
Flexibilidade

O bom soldado não é agressivo
O guerreiro valente não é violento.
O melhor modo de conquistar o inimigo
É vencer sem nos opormos a ele.
O melhor modo de conquistar um homem
É não antagonizando com ele.
Aquele que melhor quiser ver suas directrizes cumpridas
Deve tornar-se flexível e humilde;
A isso se chama a virtude da não-rivalidade
E igualmente a habilidade de mobilizar.
A vontade dos outros, vence  aquele
Que se estabelece no caminho da Perfeita Unidade.


69
Estratégias de Vitória

Os estrategas possuem um ditado:
É melhor ser hóspede do que ser anfitrião.
Não tomar a iniciativa, mas adoptar, ao invés, a defensiva,
Não se atrever a avançar uma polegada
Preferindo antes recuar dez passos,
A isso se chama avançar sem se mover.
Arregaçar as mangas sem ter de empunhar armas,
Capturar o inimigo sem ter de o confrontar,
Opor-lhe arma imperceptível;
Não há calamidade maior do que precipitar a guerra,
Pois isso implica a perda da compaixão.
Assim, quando dois exércitos se confrontam num campo de batalha
È vencedor aquele que acha a situação deplorável.


70
Aprendizagem do Sublime

As minhas palavras são fáceis de entender e de seguir
Porém ninguém parece  entendê-las  nem praticá-las.
Os meus preceitos  têm origem comum e ancestral
Mas, incapazes de o reconhecer,
As pessoas tornam-se  incapazes de me reconhecer.
Quanto menor o número das pessoas que me compreenderem
Mais enobrecido sairei, pois subtil é o ensinamento.
O sábio usa roupas grosseiras
E preserva tudo que é “preciosidade” no coração!


71
Limites do Conhecimento

Ter consciência de que o saber é equivalente à ignorância:
Eis o conhecimento superior!
Ter consciência da própria ignorância
É o princípio do conhecimento.
Referir a própria ignorância como conhecimento:
Eis aí padecimento de grave mal!
Se levarem isso em conta, preservar-vos-eis desse mal.
O homem sensato, preservando-se dessa ridícula presunção
Não padece de tal desordem.
Eis o segredo da integridade de espírito:
"Conhecer" e "não conhecer" são disposições da mesma atitude
De simplicidade e ausência de pretensão.


72
Autoestima

Quando o povo não mais teme a acção do vosso poder,
Isso significa a detenção de um poder maior.
Não interfirais com espírito gratificante naquilo em que prevalecem
Nem oprimais o seu viver.
Só quando deixardes de o sobrecarregar de imposições e encargos
Ele deixará de se cansar de vós.
Por isso, o sábio conhece o próprio valor
Porém coíbe-se de se exibir.
Possui autoestima mas não se valoriza,
Despreza a vaidade e conserva o discernimento.
E  em meio a todas as coisas mantém preferência pela  essência.


73
Ousadia

Aquele que for ousado no erro incorrerá no risco
Quem for ousado em não se atrever a errar sobreviverá;
Destas duas formas de ousadia  uma é benéfica e a outra nociva.
Certas coisas são detestadas pelo Céu
Sem que ninguém saiba referir porquê.
Até o sábio é confundido com tal questão
O caminho do céu conquista sem lutar,
E responde sem se pronunciar,
Atrai a si sem convocar,
Age segundo os seus planos e sem pressa.
Extensa é a sua rede,
E vastas as suas malhas,
Todavia nada lhes escapa.


74
Má Conduta de Governo

Quando o povo deixa de temer a morte
Porque ameaçá-los com o seu espectro?
Se a morte prematura grassar como epidemia,
E ainda assim a aplicardes como punição,
As pessoas não temerão infringir as leis.
Mas quem quererá tomar a seu cargo o lugar do Céu, na execução?
Aquele que mata em seu lugar,
Assemelha-se àquele que corta madeira na vez do carpinteiro.
Muita sorte terá se não se cortar!


75
Perda e Dano

Quando os governantes sobrecarregam
O povo com impostos, este passa fome.
Quando  os dirigentes interferem em demasia
E visam o proveito próprio,
O povo torna-se difícil de governar.
É por tais razões que é ingovernável e passa fome.
O povo despreza a morte quando lhe fazem a vida demasiado dura,
Por isso deixa de a temer.
Só quando não têm com que se preocupar
Podem valorizar devidamente a vida.


76
Docilidade

Quando nasce, o homem é brando e flexível
Quando morre, torna-se hirto e rígido.
As plantas são tenras e suaves
Mas uma vez mortas murcham e tornam-se secas.
Assim, a rigidez e a dureza são arautos da morte,
A brandura e a suavidade são representações da vida.
Também aquele que se apoia no poder das próprias forças
Não conquista!
Madeira seca não resiste ao golpe do machado.
O que é robusto e rígido situa-se numa posição inferior
O macio e o frágil assumem posição superior.


77
Acção Superior

Talvez o Caminho do Céu se assemelhe à flexibilidade do arco.
A sua parte superior abaixa-se e a superior ergue-se.
Se a corda da flecha for demasiado comprida
O arremesso será curto.
Se for curta, será aumentado.
O Caminho do Céu suprime todo o supérfluo
Para compensar toda a deficiência.
O modo de proceder do homem é diferente:
Retira ao indigente para aumentar ao opulento.
Que outro, à excepção do homem justo
Poderá colocar seu bem ao serviço do mundo?
Assim, o sábio executa o seu trabalho sem presumir resultados
Sem se prender nem se considerar superior aos demais.


78
Persistência na Confiança

Não há nada  no mundo tão suave e fraco quanto a água
Porém, só ela é exímia em enfrentar o duro e forte.
Que o fraco vence o forte e o suave o duro
É algo de que todos ouvem falar
Mas que ninguém pratica!
Assim, o sábio diz: se aceitarmos as imundícies da aldeia
Podemos colher as novidades do solo.
Ser capaz de suportar as calamidades da província é reinar;
Na verdade estas palavras são verdadeiras ainda que paradoxais.


79
Cumprimento

Um acordo desrespeitado é passível de provocar ressentimento
E sempre pode dar lugar ao rancor.
Que será, pois, aconselhável fazer?
O sábio toma a parte anterior do estabelecido
E realiza a sua parte do trato,
Sem se queixar dos outros nem reclamar os seus direitos.
O homem de virtude cumpre com os seus deveres,
E mantém o estabelecido.
Se não possuir virtude
Só saberá arrecadar obrigações para si e para os outros
O Caminho do Céu não usa favores
E sempre estende o seu acordo ao homem de bem.


80
Simplicidade

Deixai que a vossa comunidade seja pequena
E escassa a sua população.
Que disponha de engenhos mecânicos eficientes
Porém, que não lhe dê uso.
O povo deverá temer a morte e abster-se-á de viajar para longe.
Apesar de poderdes dispor de barcos, carruagens e armas
Não sentireis  razão para as empregar.
Revertei antes à contabilidade primitiva
Feita de cordas e nós
E contentai-vos com a vossa alimentação simples.
Usai os melhores trajos que possuirdes
Preferi o conforto da vossa casa
E alegrai-vos com o vosso modo simples de vida.
Se por perto existir um outro território
E tudo o que  escutardes for o cantar dos galos e o latido dos cães
Sem mais nenhum tipo de comunicação,
Os homens do vosso território não quererão abandoná-lo jamais.


Traduzido por Amadeu Duarte