sábado, 9 de julho de 2016

ENERGIA E VITALIDADE




A MATERIALIZAÇÃO FÍSICA E A ENERGIA ELECTROMAGNÉTICA



A intensidade de um sentimento ou pensamento ou imagem mental constitui, por conseguinte, o elemento importante na determinação da materialização física subsequente.


A intensidade constitui o âmago em torno doqual as unidades da energia electromagnética se formam. Nos vossos termos, quanto mais intenso for esse núcleo, mais rápida será a materialização física. Isso aplicar-se-á quer a imagem mental seja uma de receio ou uma imagem jubilosa. Bom, aqui apresenta-se-nos um problema muito importante: se a vossa predisposição for altamente intensa e vocês pensarem por imagens vividamente emocionais, isso será rapidamente plasmado em eventos materiais. Se também tiverem inclinação para uma natureza altamente pessimista, e dados a entreter pensamentos e sentimentos de potencial desastre, então esses pensamentos reproduzir-se-ão fielmente na experiência.

Seth, Sessão 525



A ENERGIA PURA


… Nesses termos a energia não pode ser considerada sem que tragam a um primeiro plano questões respeitantes à natureza de Deus, ou Tudo Quanto Existe, por ambos os termos serem sinónimos.


Posso referir em termos precisos que a energia em si mesma se encontra por toda a parte consciente, mas as próprias palavras distorcem um tanto o significado do que afirmo, por es estar a referir uma consciência do mais difícil de descrever.


A energia pura, ou qualquer “porção” dela, contém em si mesma a propensão criativa para a individualização, de modo que em toda a porção toda a vida individual consciente é implícita, criada, sustentada. A energia pura não pode ser destruída, e é criada em simultâneo mem qualquer altura. O vosso universo físico e as leis que o governam fornecem-lhes pouca evidência desse tipo de actividade, por a esse nível a comprovação revelar a aparência do tempo ou decadência. A vossa actividade psicológica constitui a mais aproximada evidência de que dispõem, embora não a usem como tal. A energia pura não tem começo nem fim.



A psique, a vossa psique, está a ser recém criada “em qualquer altura” da sua existência. Quanto a essa matéria, a despeito de todas as aparências, o universo físico não nasceu através e nenhuma explosão de energia que se dispersa, mas encontra-se por toda a parte a ser criado em todos os seus momentos.


Vós encontrais-vos inadvertidamente imersos na e são parte da energia pura, que é recém criada a cada instante, de modo que a energia dos átomos que compõem o vosso sistema material universal  está a ser reabastecido e todo o concebível instante.


A vossa psique está a ser atraída de volta a si mesma, ao Todo, e encontra-se “fora de si mesma” na vossa individualização, em pulsões de actividade psíquica que têm uma relação recíproca com o comportamente dos electrões no vosso mundo.
Sessão 799:




Por isso, através do cultivo da experência clara da vossa própria cosnciência e ser com o tempo e com o momento conforme o sentem, podem apoiar-se na enorme vitalidade e poder que se lhes acha ao fispor.



Para tanto, contem com a informação imediata dos sentidos, e não com a experiência secundária dos sentidos conforme foi descrita. Essa informação primária dos sentidos, conquanto aontadas com precisão no presente, que lhes provê a posição necessária no tempo, ainda é capaz de lhes abrir a eternidade de que todo o tempo emergie, pode trazer-lhes intimações intuitivas, e sugerir a verdadeira natureza omnipresente e do devir do universo.


Esse tipo de experiência permitir-lhes-á que vislumbrem os padrões mais amplos da criatividade do homem, e da parte que desempenham neles. Foram educados a concentrar-se nas críticas e nas falhas da vossa sociedade; e nos vossos tempos parece que tudo venha a resultar mal, e que por si só o mundo degradar-se-á, o universo morrerá, e que o homem se destruirá; tais crenças infiltram de tal modo a vossa experiência que os furtam aos benefícios que a própria natureza fornece pela experiência directa.



QUASARES


Ora bem; os vossos quasares representam energia pura, basicamente falando. Presentemente, os vossos cientistas fazem muito pouca ideia do que isso quer dizer, porque comparativamente falando eles concebem a energia em termos unidimendionais


Esses quasares não foram descobertos anteriormente por os vossos astrónomos não os terem visto. Que actualmente os vejam constitui um resultado directo de padrões de concepção alargados da parte deles.

Seth, Sessão 249


A verdadeira religião não é repressiva


A verdadeira religião não é repressiva, conforme a vida em si mesmo não o é. Quando Cristo se pronunciou, ele fê-lo no contexto do seu tempo, recorrendo ao simbolismo e ao vocabulário que fazia sentido para aquele povo em particular, num período paricular da história, nos vossos termos.

Ele começou pelos seus amigos, e usando as suas referências tentou conduzi-los a domínios mais livres da compreensão.


Com cada cosnecutiva tradução da Bíblia se alterou o significado, passando-se a traduzi-la pela lingua dos tempos. Cristo falou em termos de bons e maus espíritos por eles representarem as crenças que as pessoas tinham. Nos seus termos, mostrou-lhes que os espíritos “maus” podiam ser derrotados; mas esses eram, pois, símbolos aceites enquanto realidades, pelas pessoas – por vezes empregues para doenças bastante normais e condições humanas.


O próprio termo “Amar o próximo como a si mesmo,” (mateus, 19:19, Marcos 12:31) constituía uma afirmação irónica, por nessa sociedade ninguém amar o próximo, mas desconfiar dele de todo o coração. Por isso, muito do humomr de Cristo perdeu-se.

No Sermão da Montanha, a frase que reza “Os mansos herdarão a terra,” (Mateus5:5) foi brutalmente mal interpretada.


Cristo queria dizer que vocês formam a vossa realidade. Aqueles que entretêm pensamentos de paz encontrar-se-ão a salvo da guerra e da dissenssão. Não serão tocados por elas. Escaparão, e de facto herdarão a terra.


Pensamentos de paz, em particular em meio ao caos, assumem um enorme vigor. As pessoas que conseguem ignorar a evidência física de guerras e intencionalmente entretém ideias de paz triunfarão – só que na voss terminologia o termo “manso” chegou a significar “fraco,” “insuficiente,” “carente de energia.” Nos tempos de Cristo, a frase relativa aos mansos que herdam a terra implicava o vigoroso uso da afirmação, do amor e da paz.


Seth - Sessão 674




Satã

Satã representa – nos termos da história (da queda do estado de graça) a parte do Todo ou Deus, que saiu de Si Mesma, por assim dizer, e se tornou preso à Terra com as Suas criaturas, proporcionando-lhe o livre-arbítrio e a escolha que “anteriormente” não tinham estado ao dispor.

Seth, Sessão 647 



A mensagem que Brota da Vossa Própria Alma

Ora bem; há quem se ache muito envolvido com as minhas ideias que não me conhece pelo nome! Há quem, acreditem ou não, à face da Terra, se sinta bastante contente com a sua sorte, que nunca ouvira falar de mim! Eles conhecem-se. Têm consciência da vitalidade do seu ser, e não precisam que eu lhes diga que são importantes. As flores e as árvores não precisam que eu lhes diga que são importantes, e do mesmo modo há quem também não precise de mim, por tal razão. Por reconhecerem a vitalidade do seu próprio ser, e ignorarem as crendices do seu tempo. Essas são crianças antigas. Não precisam ler filosofia. Eles ouvem o vento, observam o comportamento das estaçoes, e dão ouvidos aos seus corações. Esses não precisam ler os meus livros. E se conseguissem escrever, poderiam tê-los escrito, eles próprios.

Esses são as vozes da natureza e das estações, e reconhecem a sua origem embora nos vossos termos sejam desprovidos de educação. O seu coração exprime uma informação que possivelmente o seu intelecto não consegue interpretar, e nos vossos termos eles parecerão efectivamente ignorantes. Tratam de um pequeno jardim. Pronunciam termos que não fariam sentido para vós, por não serem intelectuais. Haveriam de balbuciar coisas sem sentido que em termos intelectuais não fariam sentido algum! Contudo, reconheceriam uma pessoa assim! Assim como o amor inerente ao seu ser! Elas não têm que reconhecer as ideias do Seth, mas reconhecer e desfrutar da vitalidade do seu ser. Eu falo para quantos não reconhecem a vitalidade do seu ser. Aqueles que a reconhecem não têm necessidade de mim.

Rich perguntou: “Não falarás por mais nenhuma razão que essa única?” E Seth prosseguiu:

Há quem, meu caro amigo, não necessite de mim por se achar contente. Sentem-se contentes por perceberem nas profundezas do seu coração a alegria do seu próprio ser. Há quem reconheça a autoridade da sua própria psique á medida que ela lhes fala na sua experiência privada, e eles nem sequer chegam a ter conhecimento do termo “experiência psíquica.” Poderão, nos vossos termos, ser ignorantes. Poderão apresentar um discurso banal – ou parecer confusos. Mas são tão sábios e tão astutos quanto uma flor. Não carecem de conceitos intelectuais por compreenderem a natureza do amor e a natureza da alma.

Se estivessem satisfeitos com a natureza de vossa existência, vocês não estariam aqui. Há quem se sinta satisfeito, e esses não precisam da minha voz. Eles encontram reforço suficiente no amanhecer e no crepúsculo. Eles encontram reforço suficiente nos seus pais e nos seus filhos. Eles encontram reforço suficiente nos seus sonhos e nas suas experiências do estado de vigília, embora aos vossos olhos possam parecer simples.

Eles podem abrir valas, ou retirar serragem hora após hora, como tu fizeste. Ainda assim confiam na autoridade simples do crepúsculo e da aurora. Falem-lhes do Seth e a palavra não terá qualquer sentido. Eles não precisam de mim. Eles não precisam de minha voz, por atenderem às vozes dos carvalhos e das aves, e do seu próprio ser, e, deixa que te diga, em certos termos, eu não poasso de uma pobre imitação das vozes das suas próprias psiques a que vocês não dão atenção!

Eu falo ao mundo através dela, e tento despertar dentro do vosso ser a grande exaltação que percebem ser a vossa própria. Se vocês dispusessem dela não estariam aqui! Vocês pressentem-na e desejam-na e eu tenho-a - mas vocês também! Mas a criança não precisa de me ouvir. Ela é o seu próprio Seth e o seu próprio Sumari. Mas vocês têm o vosso próprio Seth e o vosso próprio Sumari dentro de vocês. Eu serei tão desnecessário quanto todos os vossos deuses antigos, e de bom grado, quando perceberem que a vitalidade, o reforço e a alegria são vossas, e que brotam da fonte do vosso próprio ser, e quando perceberem que você não precisam de mim por uma questão de proteção, por não existir nada de que precisem proteger-se - vocês serão tão inocentes quanto o amanhecer ou o crepúsculo - tão inocente como se tivessem sido criados neste instante. Vocês são inocentes! Não há nada - nenhum crime – de que sejam culpados – não há penitência que precisem fazer, meu querido Pan! Não insistas, pois, (ao Rich) como tens feito, que a mulher entenda as minhas palavras - apenas que ela compreenda as mensagens que brotam da sua própria alma. 


A DANÇA DA CONSCIÊNCIA

A verdadeira espiritualidade é coisa da alegria e da terra, e nada tem que ver com a falsa dignidade do adulto.

Nada tem que ver com discursos prolongados e rostos pesarosos. Tem que ver com adança da consciência que se encontra dentro de vós, e com a noção da aventura espiritual que tem assento nos vossos corações.

Esse é o significado da espiritualidade; e conforme lhes disse antes, caso pudesse, pôr-me-ia alegremente a dançar pela sala para lhes mostrar que a vossa vitalidade não depende da imagem física.

Não depende da juventudo de que gozem, nem depende do vosso corpo. Soa e canta através do universo, e por toda a vossa personalidade inteira.

É um sentido de alegria que torna toda a criatividade possível. Assim, não opensem que estejam a ser espirituais quando andam com ar de pesar, nem pensem que estejam a ser espirituais quando se repreendem por causa dos vossos pecados.

As estações do vosso sistema vêm e vão. O sol cai-lhes sobre o rosto quer pensem que são santos ou pecadores. A vitalidade do universo é criatividade e alegria e amor, e isso é justamente espiritualidade. E isso é o que direi aos meus leitores no meu livro.


VÓS SOIS O MESTRE

O vosso espírito juntou-se à matéria, e na matéria, a fim de experimentar um mundo de incrível riqueza, para ajudar a criar uma dimensão de realidade dotada de cores e de formas. O vosso espírito nasceu na carne a fim de enriquecer uma maravilhosa área de consciência dos sentidos, para asentir a energia transformada na forma corpórea. Vocês encontram-se aqui para fazerem uso, desfrutarem e expressarem a vós próprios através do corpo. Encontram-se aqui para auxiliar à grandiosa expansão da cosnciência. Não se encontram aqui para lamentar as misérias da condição humana, mas para as alterar quando acharem que não são do vosso agrado por meio da alegria, da fortaleza e da vitalidade que se acha em vós; para criar o espírito tão fielmente e maravilhosamente quanto puderem na carne.



No sentido mais básico, o objectiv da vida consiste em ser – ao invés de não serem. No vosso sistema de realidade tridimensional vocês estão a aprender acerca da energia mental (também dsignada por energia do pensamento ou energia psíquica) e a usá-la. O conhecimento relativo à energia mental e ao seu uso é cultivado constantemente transformando os vossos pensamentos e emoções na forma física (na vossa realidade física) e por essa altura pela percepção e trato da matéria e dos acontecimentos que são formados. A partir disso, é suposto obterem uma imagem clara do vosso desenvolvimento interior á medida que é reflectido pelo meio exterior. Vós participais na realidade física de modo a poerarem e a experimentarem nesta dimensão. Aqui poderão desenvolver as vossas habilidades, aprender, criar, resolver problemas e ajudar os outros.



Que é que terá a vossa carne de grosseiro ou as estações que a rodeiam e varrem toda a terra? Onde existirá maior exaltação e poder mais refinado do que aquilo que são? E que é que se acha dentro de vós? Disso formam vocês todas as vossas realidades e todos os vossos mundos. Olhem os horizontes obscuros, exangues em que são espírito sem forma. Se o espírito não desejasse a forma, não a teria envergado. Não a teria criado diariamente à vossa imagem, a partir dos vossos próprios desejos. Não tremeria na ponta dos vossos dedos nem voado para o canal do vosso osso. (NT: Cnal de Havers, zona cortical do osso que permite a passagem de vasos sanguíneos e condutos nervosos)

A qualidade de criatura que os caracteriza constitui a vossa divindaed e o vosso conhecimento, porquanto através da qualidade de criatura se expressa a vossa divindade. Encontram-se despertos e creem estar a sonhar. Estão a sonhar que acreditam estar despertos; por os termos serem insignificantes. Vocês compõem o vosso amanhã a partir do vosso desejo, conforme forma o vosso presente a partir do vosso passado. A vossa cosnciência instintiva é um deus no vosso riso, por isso alegrem-se! Quando os deuses não apreciam  o sorriso dos vossos lábios, não precisarão dos lábios – e os deuses quem mais triste ficará, e vós também!

Dentro da vossa experiência agora encontra-se a alegria do vosso ser - e essa óptima, astuta, natureza pura desperta através de hastes de carne e membros, olhando para fora através dos vossos próprios olhos individuais para o universo que criou, e acha-o bom. Que terá o vosso ser de grosseiro? Apenas a vossa crença! Vocês brilham com a realidade que noutros universos aparece como estrelas, e eles olham e dizem: "Que beleza, que distância, e que óptima, indefinível existência será essa?





Como todos vocês sabem, mas como todos que vocês precisam que lhes digam - não por mim, mas por vós próprios - a espontaneidade conhece a sua própria ordem. Se não desconfiassem tão exaustivamente de vós própros, não se preocupariam com as suas responsabilidades. Sendo vós mesmos preenche automaticamente qualquer responsabilidade. Os deuses criaram o universo num acto de alegria e diversão e criatividade, não por pensarem que tinham que o fazer. O vosso ser é abençoado e espontâneo, por o ser. E realizá-lo com a natureza preenche automaticamente os vossos objectivos e tem, nos vossos termos, a vossa responsabilidade.
O mestre está dentro de cada um de vocês, e v´s próprios são professor que não reconhecem. E a voz que fala nos vossos sonhos é a vossa própria voz que passa não reconhecida enquanto fala das antigas fontes do conhecimento que são o vosso próprio.



ALEGREM-SE COM AQUILO QUE SÃO

Façam o que fizerem, no fundo, será adequado, e é isso que precisam aprender. Aquilo que faem é bom. Aquilo que são é bmo. Sóp recisam dizer isso a vós próprios, por ser verdade.
Vocês são únicos; não existe meis ninguém neste universo como vós. Vocês são completamente únicos e através de vós, a energia do Todo corre num padrão completamente único e jamais duplicável.
Por isso, aquilo que são é eternamente dotado de sentido e de propósito, e ressoa através do universo.

As vossas ideias mudam mundos; mundos de que têm consciência, e mundos de que não têm consciência.

As experiências porque passam não podem suceder a mais ninguém da mesma forma. O sorriso que são capazes de esboçar, não pode ser esboçado por mais forma nenhuma. Vocês podem sorrir a uma pessoa de um modo que mais nenhum ser humano – “morto” ou vivo – poderá sorrir. O toque da voss mão pode mudar uma vida de um modo que mais nenhum indivíduo “morto” ou vivo conseguirá.
Vocês actuam sobre aqueles que conhecem, e aqueles que não conhecem, por formas que mais inguém conseguiria. Em vós reside uma singularidade que jamais poderá voltar a ser capturada. O ser que vocês são é único, e por isso é altamente importante que honrem o ser que são, por meio do qual a vitalidade do universo resplandece.

Honrem o vosso ser e aí honrarão os outros. As verdades, a sinceridade e a magia do universo brilha através dos vossos olhos e da vossa pele. Vocês são um reflexo do Todo, com nunca antes terá sido reflectido, nunca nunca votará a ser reflectido. Por isso, tenham confiança na natureza do vosso ser. Alegrem-se com aquilo que são.

Seth — Aula de Percepção Extra Sesorial de 2 de Maio de 1972

Traduzido por Amadeu António

Sem comentários:

Enviar um comentário