segunda-feira, 9 de maio de 2016

CANALIZAÇÃO DE TRANSE E DESENVOLVIMENTO DOS DONS PSIQUICOS



SOBRE A CANALIZAÇÃO DE TRANSE

JOHN

Na canalização de transe, aquilo que designam por personalidade desencarnada é capaz de utilizar o corpo físico para comunicar desde planos além dos domínios dos padrões normais dos cinco sentidos. Tais comunicações destinam-se ao avanço da consciência colectiva da humanidade num todo.

Existem muitas referências à canalização por entre as vossas sociedades e sistemas de pensamento. Porventura o manuscrito mais comum seja aquele que conhecem como Bíblia, por aí encontrarem muitas referências ao estado de canalização, em que indivíduos tais como José, Jacó, Jesus e os apóstolos entrarem nem tais estados e receberem visões. Existem igualmente muitas referências que parecem obscurecer o estado de transe, tais como: “Olhai, eis que caí como morto,” ou: “O sono penetrou neles,” mas tais passagens referem de facto a o estado de canalização ou visionário, por intermédio do qual a humanidade tem recebido muitas profecias e inspirações para muitos avanços tecnológicos.

E estado de transe estende-se até à Atlântida, onde diversos seres desencarnados dessa época desejavam influenciar o plano terreno. Muitas das estruturas religiosas daqueles que foram conhecidos na Atlântida como os Filhos da Lei do Um atingiram a cristalização final na vossa história conhecida como o Oráculo de Delfos. O Oráculo constituía uma casta de sacerdotes que mantinham um estado de transe perpétuo para propiciarem um fluxo contínuo de consciência que se estendia desde os reinos que chegaram a conhecer como seres espirituais. Essa contínua corrente destinava-se ao avanço da cultura e da história.

Na mitologia Grega existem vestígios históricos directos passíveis de ser rastreados das guerras Troianas, das histórias de Ulisses e de muitos outros. Embora envoltos no mito, eles foram representados em vários níveis dos planos astrais e produziram uma compreensão das aplicações práticas da informação canalizada por parte dos diversos oráculos. Nesses dias, os oráculos eram conselheiros de reis e ajudavam a moldar muitos dos pontos de contacto ao longo da história.

Por toda a vossa sociedade, o homem tem-se transformado cada vez mais numa criatura tecnológica, e abandonado muitas das influências do domínio espiritual. Contudo estas coisas propagam-se por ciclos, à medida que o homem entra para dentro e para fora de domínios espirituais da sua própria natureza e do seu próprio avanço enquanto um todo colectivo. Em sistemas de pensamento mais recentes, o homem chegou a pensar na informação canalizada como “superstição.” Em contraste, ele crê que alcançou um avanço tecnológico, por exemplo, nas suas medicinas. Mas o homem não produziu curas na medicina, apenas combate com a doença. A informação canalizada a que chamam de holística, por seu lado, está actualmente a fazer com que o pêndulo incline para o outro lado, e está a começar a exercer o seu impacto na vossa sociedade, com um retorno a métodos de cura mais naturais. Muita desta informação foi transmitida no estado canalizada por meio de indivíduos tais como Edgar Cayce.

A mediunidade predomina por entre as mulheres da vossa raça, por terem a taxa metabólica correcta para a fundação ou recepção de almas e poderem mais facilmente receber comunicados dos níveis do domínio espiritual, ou dos planos astrais. É por esta razão que se atribuem grandes faculdades intuitivas às mulheres. Isso não exclui o homem, nem o torna num veículo inferior; deve-se unicamente a que o corpo físico da mulher se encontre metabolicamente orientado para receber a informação proveniente dos níveis da alma.
A mediunidade pode ser desenvolvida por qualquer indivíduo, mas a pedra angular desse desenvolvimento reside na meditação. Todas as grandiosas invenções do vosso século vinte resultaram não tanto da pesquisa directa mas da meditação feita com base nessa pesquisa e da activação do estado de canalização. Por exemplo, estudem o indivíduo que conhecem como Albert Einstein. Ele foi um visionário. Ele estudou coisas a partir de um ligeiro estado de transe que contemplava ao nível visual, e a seguir encenava mentalmente as diversas visões que tinha. Por fim, fundava os discernimentos que alcançava no sistema de matemáticas a que chamam de ciência. Mas a compreensão que Einstein tinha da matéria e da energia e da interacção que têm, assim com das imitações da filosofia da luz, chegou-lhe enquanto se encontrava nesse estado ligeiro de transe.

Testemunhem como Eli Whitney, cuja concepção do Linotipo lhe chegou enquanto permanecia num ligeiro estado de transe, e o homem Abraham Lincoln, cuja decisão de assinar a Proclamação da Emancipação, que declarava que todos os indivíduos eram iguais e abolia a escravatura no vosso país, que veio até ele através do estado mediúnico de um outro indivíduo (NT: Andrew Jefferson Davis) conforme documentado nos vossos livros de história.

Muitas das descobertas que resultaram nas vossas viagens à lua vieram de indivíduos enquanto se encontravam no estado mediúnico. Foi uma combinação de tecnologia, meditação feita com base nessa tecnologia, e de informação que chegou aos indivíduos em questão através de um ligeiro estado de transe que produziu muito dos vossos triunfos tecnológicos.

Muitos dos vossos grandes cientistas encontram-se focados não tanto em assuntos práticos mas em estudos que vão além da sua própria consciência. Leiam as diversas biografias desses indivíduos e descobrirão que muitos dos níveis visionários do pensamento foram obtidos de ligeiros estados de transe.

Muitas das vossas ciências constituem uma integração da meditação e da tecnologia, e as ciências que evoluíram delas não passam de uma documentação de ideias que inicialmente vieram do estado de transe. As vossas ciências, por seu turno, procuram documentar aquelas dimensões da existência que a parapsicologia está agora a buscar esclarecer-lhes – aquelas coisas que chegaram a chamar de domínios psíquicos, tais como a telepatia, a clarividência, a clariaudiência, e a sobrevivência da personalidade naqueles reinos que designaram por morte.

Um estado ligeiro de transe não passa da profunda concentração da mente naquilo que reside no vosso imediato, e não tanto o batucar nessas coisas, mas verdadeira meditação e examinação disso a ponto de se alhearem do vosso ambiente imediato. Uma vez mais, muitos dos vossos grandes cientistas tornaram-se completamente alheios relativamente ao ambiente que os cercava, desligando os cinco sentidos e entraram num estado de transe para examinarem a informação – não só a partir do nível da sua mente consciente, mas também a partir dos níveis do supraconsciente.

Entrar em estados de canalização profundos é entrar nos repositórios da vossa própria consciência, por cada um de vocês possuir essas faculdades da consciência, que não são diferentes de nenhuma outra dinâmica da consciência ou fenómeno de memória. Porque o que estão aqui para fazer é recordar aquele que verdadeiramente são, e a canalização não passa de recordação das vossas verdadeiras dimensões.

Por ser nisto que consiste a informação canalizada – aquilo que lhes chega do além dos domínios do estado normal de aprendizagem. Procede da meditação à luz do estado ligeiro de transe que se estendem aos estados da mente, alfa, beta e teta e que fornece conhecimento aplicável ao alívio da doença, à descoberta de novas tecnologias que permanecem latentes na consciência da humanidade como um todo.

A mediunidade ou canalização não passa de um termo para a concentração do espírito por intermédio do indivíduo acima e além do alcance das suas próprias faculdades conscientes. Cada um de vós possui essas faculdades e as vossas meditações trazer-lhes-ão isso. São os vossos guias e mestres que comunicam convosco e estabelecem diálogo. Mas lembrem-se de orar apenas a Deus. Agradeçam ao Pai que se encontra nos céus de modo que ele possa enviar-lhes um mensageiro para o ministério dos anjos. Mas se perceberem Deus como amor, esse será o mestre que servirão.



PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO PSÍQUICO

John

Aquilo que designam por psíquico não é tanto um poder quanto um dom. É a recepção de informação de além do alcance da vossa capacidade consciente. Qualquer informação que recebam de além dos cinco sentidos da visão, da audição, do toque, do olfato, e do paladar deriva do “sexto sentido,” tal como telepatia, clarividência, clariaudiência, ou profecia. Representam a lembrança daquelas coisas que esqueceram. Por cada um de vós ser um espírito. Um espírito, quando não possui o corpo físico, não se vê limitado aos cinco sentidos, mas tem uma maior sintonia com um sistema de conhecimento que existiu desde as fundações do mundo. Quando se encontram encarnados e possuem um corpo físico, a telepatia constitui a sintonia que estabelecem com essas fontes de informação.

O termo psíquico significa a atenção da mente, ou o produto da mente. Por cada um de vós ser um espírito, por cada um de vós ser uma alma, todos vós possuís o conhecimento de Deus em vós. E cabe na capacidade da vossa mente consciente recordar essas coisas através dos dons que foram mencionados. Vocês possuem a capacidade de se projectar além do corpo físico e dos seus limitados cinco sentidos. Vocês possuem a capacidade de perceber o futuro, de perceber o passado. Por todas as coisas serem constituídas por uma qualidade vibratória. Do mesmo modo que estendem um pensamento e ele subsiste, assim também vós.
Os poderes psíquicos, conforme chegaram a designá-los, são capacidades que contêm em vós. O termo poder traduz-se por “movimento,” de modo que poder e movimento são sinónimos. O homem muita vez procura poder para produzir equilíbrio em vós. Tanto mais que deviam buscar o movimento em vós, que é a inspiração. Porque quando a mente penetra nos reinos mais elevados, ou no Eu Superior, e recebe inspiração, essas capacidades ou poderes, que são naturais aos níveis da alma, estendem-se ao nível do físico.

Primeiro e mais proeminentes, há os cinco sentidos. Por vezes depreciam-nos como uma limitação, mas eles estendem-lhes a capacidade de se expressarem artisticamente, e dão-lhes um sentido de percepção no plano físico. Os cinco sentidos constituem ferramentas e deviam ser utilizados enquanto tal. Vocês chegaram mesmo a utilizá-los na construção das ferramentas que documentam as vossas energias mais elevadas. As pessoas geralmente amaldiçoam os cinco sentidos, mas apesar dos cinco sentidos serem limitados, não deviam amaldiçoá-los. O verdadeiro valor dos vossos sentidos depende do uso que lhes dão enquanto ferramentas. O seu propósito está em lhes dar uma noção de vós próprios enquanto ser físico. Jamais depreciem essas capacidades. Tanto mais que são abençoados com elas, por as conduzirem à expressão nos níveis mais elevados. Eles destinam-se a trazer-lhes a inspiração necessária, inspiração que atiça a mente. A inspiração que pode ser recebida pelos cinco sentidos quanto à maravilha dos planos físicos pode ainda conduzi-los de volta aos níveis superiores de onde originalmente vieram.

Se os vossos cinco sentidos constituem o vosso primeiro ou capacidade, o vosso segundo é a própria mente. A mente constitui a vossa capacidade de organizar o pensamento. O pensamento organizado confere-lhes um sistema de filosofia, e consequentemente expressão, raciocínio, pensar, e a capacidade de meditar, que constitui a porta para outras faculdades. Mas a mente representa uma capacidade em si mesma. Precisam aprender a treiná-la, a reforçar-lhe as capacidades de concentração, de observação, e a seguir de retenção dessas capacidades. A mente não representa um veículo completamente limitado, mas a capacidade que têm de reter coisas no plano terreno. É o alojamento da vossa personalidade, que se estende desde os níveis da alma.

A personalidade não constitui tanto uma capacidade quanto uma expressão da mente. A mente possui a capacidade de meditação. A meditação constitui a porta para as vossas capacidades psíquicas. Mas é necessário que entendam cada um dos passos precedentes e que comecem a apreciá-los no seu próprio direito. Isso impede-os de amaldiçoarem o corpo físico, por o corpo físico constitui o vosso templo, e aquele que quiser avançar seja por que forma for para a casa de um outro homem deveria primeiro ter a sua própria casa em ordem.

A mente possui a capacidade, através da meditação, de receber aqueles dons que designam por psíquicos, tais como a clariaudiência, a sensitividade e a clarividência, enquanto ainda habitam o corpo físico. Há igualmente aqueles que conseguem ver no futuro, assim como aqueles que conseguem ver no passado. Todas essas coisas são possíveis por o sistema nervoso agir como uma antena ou uma caixa de ressonância para as diversas capacidades telepáticas com que estão sempre em sintonia.

Para verem o passado precisam somente sintonizar aqueles pensamentos e vibrações que sempre estão convosco e se acham registados nos próprios éteres. Para verem o futuro, ou projectam diversas improbabilidades ou então empregam a habilidade que a mente possui de cálculo com base numa série de circunstâncias que já tenham sido postas em marcha. O livre-arbítrio entra nisso e pode alterar o curso dos acontecimentos, por muita vez ainda existir um padrão cármico a encenar sobre o qual têm que projectar. Uma vez mais, tudo isso é possível por o sistema nervoso actuar como um estado de ressonância para a recepção das energias da parte dos indivíduos vivos e a seguir ter interacção na mente, onde as energias se elevam à consciência.

A mente humana possui a capacidade de ouvir aqueles que se encontram no estado desencarnado. Já que escutar constitui um dos pontos de comunicação do homem, quando pensamento é projectado e recebido nos terminais nervosos nessa área particular, e depois manifestados e calculados nessa porção particular do cérebro, ou da mente carnal, são capazes de escutar esses pensamentos no contexto do vosso próprio vocabulário. Também possuem a capacidade de sentir odores há muito tempo extintos, mas que contudo vêm pairar sobre vós nas atmosferas.

As faculdades psíquicas constituem as projecções reais de energia que é libertada pelo processo da própria vibração e ressonância que exercem sobre a camada molecular, descobrindo a sua activação no sistema nervoso da pessoa, depois calculado na mente, onde se manifesta por meio de um dos cinco sentidos.
Isso é o que é conhecido por faculdades psíquicas, o sexto sentido, uma forma de ressonância de energias em vez de actividade bioquímica, como os vossos sentidos físicos mais importantes são. Cada uma dessas faculdades estende-se do nível físico e é passível de se desenvolver por intermédio da meditação.

O vosso terceiro nível ou faculdade é o visionário. Representa a activação da glândula pituitária. Essa glândula, que constitui a sede do sexto chakra, confere-lhes a capacidade de entrarem em harmonia com seres que se encontram para além do físico e estende-se além dos níveis da telepatia. Por a telepatia constituir a linha divisória delgada existente entre aqueles sentidos descritos anteriormente que actuam como ressonância, e o nível visionário. A telepatia constitui o equilíbrio entre os dois. Não se trata de uma capacidade distinta mas é entrelaçada entre eles. O nível visionário constitui faculdade completamente funcional, por se aproximar da própria alma. A sede da alma está no sistema endócrino. Cada uma das estruturas glandulares individuais do sistema endócrino possui a sua própria energia activada pelas faculdades da alma. O nível visionário, por meio da glândula pituitária, acha-se separado da capacidade telepática, embora a telepatia se estenda pelas suas actividades. Representa a comunicação directa com os níveis da alma, que os capacitam a compreender todas as correntes de informação e todos os padrões das próprias leis universais, ou aquelas coisas que designam por leis da física. Elas misturam-se, pois, fundem-se mutuamente e são compreendidas ao nível tridimensional que conhecem como plano físico.

O plano visionário representa a capacidade de ver o futuro com clareza, conforme é definido no plano de Deus. É sintonia universal dotada de ideiam ou a própria mente universal. A telepatia constitui uma das pedras angulares da mente universal neste plano, mas a mente universal não depende das energias da telepatia. A telepatia constitui frequentemente um produto da geração de padrões cerebrais dos seres encarnados. O nível visionário é as energias independentes e separadas da própria alma. Consequentemente, a telepatia constitui um produto deste plano, ao passo que a alma tem sintonia com todas as energias elevadas.

A seguir há a abertura do chakra coronário, ou da glândula pineal. Uma sintonização com essa glândula particular começa a activar o corpo humano num todo, porquanto por essa altura se gerar uma completa harmonização com a pituitária e começarem a estender-se às faculdades seguintes dentro de vós, a projecção da mente para a matéria. Isso é possível devido a que a circundá-los exista um campo de energia que chegaram a designar por aura, visível à medida se estende ao exterior na forma de uma onda cerebral dotada de baixa voltagem produzida no corpo físico. Quando projectada e a seguir concentrada, tem influência sobre o campo electromagnético que os rodeia. Essas energias subtis corporais podem ser projectadas nos padrões moleculares subtis do físico, obtendo desse modo uma harmonização com as energias que já existem nessa propriedade física.


O conceito de projecção mental de energia a fim de moverem objectos torna-se por completo irrelevante quando compreendem que o próprio objecto comporta a energia necessária para provocar o seu próprio movimento seja de que natureza ou em que grau for. A mente estende os seus refinados fios de influência ao físico e utiliza a energia do próprio objecto para provocar o seu movimento. Isso de facto dissipa o mistério da produção de energia da mente, mas é sustentado pelos vossos físicos como impossível. De forma que, a mente usa a energia já existente no próprio objecto.

Depois de atingirem esses níveis do pensamento, actividades tais como a levitação tornam-se então possíveis, porquanto por essa altura a alma e a mente acham-se de tal modo integrados que as actividades se estendem ao corpo físico e mesmo até aos níveis celulares. Por conseguinte, dá-se o desafio daquilo que vieram a chamar de gravidade. A gravidade não existe no próprio espírito, daí a capacidade da levitação.

A levitação, pois, não consta tanto da superação da atracção gravitacional que a massa sofre, mas antes a harmonização do vosso ser com as vibrações de todas as coisas ao vosso redor. Isso resulta unicamente da meditação. No estado meditativo, a aura, que consta do campo de energia que circunda o corpo, começa a sintonizar com determinadas frequências  elevadas e começa a decompor os padrões do corpo físico. Isto, claro está, representa uma simplificação do processo. Não se baseia nas electromagnéticas mas mais numa sintonização com as vibrações que já existem para além da velocidade da luz. Assim, através do incremento das vibrações na aura, gera-se efectivamente um incremento ou intensificação das vibrações no nível radiônico inerentes à estrutura molecular do corpo inteiro.

Isso não passa da extensão das energias metabólicas que já existem na estrutura molecular do corpo físico. Mas como o corpo já se encontra num padrão correcto, e a meditação simplesmente reúne as energias e as foca no propósito desejado, o estímulo ou vivificação dá-se ao nível vibratório em vez do da reestruturação das moléculas.

Em última análise trata-se de uma sintonização com aqueles padrões que viajam mais rápido do que a luz. Não é tanto que o corpo físico supere a velocidade da luz, mas aproxima-se apenas, enquanto ainda conserva o seu padrão em vós. O resultado final da levitação não assenta tanto no erguer do corpo físico ou em puxá-lo para longe da massa, mas ao invés neutraliza a força da acção recíproca que se verifica entre o indivíduo e a massa.

A levitação constitui o trampolim para os aportes (NT: Transferências de um para outro lugar). O aporte representa a capacidade de dissolver os padrões do corpo físico ao nível molecular, projectá-los nos éteres, e de voltar a encaixá-los, não tanto com base na estrutura original da matéria mas mais com base no seu padrão conforme projectado através dos éteres. Os próprios éteres são partículas de energia que se propagam ou viajam além da velocidade da luz. É diferente da projecção astral, que consiste na capacidade que a mente possui de se estender além dos níveis do corpo físico.

A última capacidade alcançável enquanto permanecem na encarnação é a própria ascensão. A ascensão consiste na glorificação do corpo físico através da total sintonização com o nível da alma, o qual é uma porção de Deus. Aí já não serão capazes de se manter neste plano e dissolvem-se nos estados dimensionais para aí passarem a residir.

Certas formas de desenvolvimento psíquico, tais como a projecção astral, podem ser realizadas e melhoradas com base na dieta. Por exemplo, a ingestão de determinados sumos de fruta – tais como laranja, uva e toranja – no sistema, uma hora antes de se retirarem para o estado de sonhos, estimular-lhes-á a capacidade que têm de se projectarem astralmente. O plano astral é a faculdade que o corpo físico possui de penetrar num estado de relaxamento e de libertar o que é conhecido como corpo astral. O corpo astral é um padrão de energia que lhes mantém a estrutura da personalidade em estado de contenção, de modo a poderem funcionar neste nível em vez de deslizarem para os níveis das vidas passadas. Quer dizer, a alma acha-se revestida pelo corpo astral a fim de manterem a vossa individualidade nestes dias e nestes tempos.

Muitos indivíduos danificaram os seus corpos astrais por intermédio das drogas, das formas artificiais de estimulantes, ou de outras substâncias estranhas ao organismo físico. Essas substâncias são como remédios e precisam ser utilizadas enquanto tais. Não têm qualquer propósito no desenvolvimento espiritual excepto para indivíduos específicos que possam ter necessidade delas para obterem vislumbres da existência e da natureza de outros planos do pensamento. Mas constituem remédios, e não verdadeiro alimento espiritual. O alimento espiritual vem somente dos níveis da alma.

Na verdade, muitos daqueles que experimentaram drogas capazes de lhes alterar a mente entraram agora em praticas de meditação, por a meditação constituir o verdadeiro método de obterem o estado visionário natural, ao trazerem a vós a substância natural dos corpos etéricos e conduzirem todo o sistema dos chakras a um equilíbrio. Vós estais actualmete a começar, por intermédio de pesquisa e estudos biomoleculares, a compreender que o corpo físico contém opiáceos naturais, formas naturais de ácidos e de alucinógenos, no vosso próprio sistema endócrino, que, uma vez activados, estimulam o estado visionário aos níveis bioquímico e espiritual por todo o sistema num todo.

O homem da antiguidade ia aos seus templos e ingeria certos alimentos espirituais que o ajudavam a alcançar níveis de consciência que lhe revelavam informação que passava a integrar na sua sociedade como uma força espiritual, e o estimulava a encarar o homem como mais do que processos bioquímicos inerentes ao próprio corpo físico. O corpo físico é como que um templo, e vós, enquanto espírito que nele residem, podem estimular nesse templo estados naturais similares através da meditação sobre os chakras, que são as ligações com os corpos subtis, que podem então passar a exercer impacto sobre a forma biomolecular. De facto, o corpo físico mantém todos os padrões bioquímicos correctos para a pessoa.

Assim, o canal que lhes fala incitá-los-ia a todos a saber que são espírito, e que todas as vossas drogas ou remédios já se acham contidos em vós. Há muitos que sentem não conseguir atingir estados alterados de consciência, e assim se voltam para as drogas e para substâncias vegetais que as encerram. Mas a sabedoria mais elevada está em estar em correcto alinhamento em si mesmo. Por cada um de vós ser um espírito, e o vosso corpo físico ser um sistema mais vasto de química e de equilíbrio do espírito do que poderá ser alcançado por intermédio de qualquer droga natural ou sintética.

Cada um de vós já possui essa faculdades em si mesmo. Quando se encontram no estado desencarnado, possuem a faculdade da recordação de muitas coisas; contudo, enquanto se encontram na carne, recordam essas coisas com um propósito específico de aprendizagem, a fim de compreenderem que muito embora se encontrem na carne, não se encontram separados dos trabalhos de Deus. Por conseguinte, as vossas faculdades psíquicas não passam da evidência de serem como que um espírito, mas cabe à mente consciente tomar a decisão final da orientação filosófica de ser como que um espírito, o que significa ser amoroso.
O vosso desenvolvimento psíquico, pois, representa o começo da abertura para com certos níveis do espírito com base nos níveis telepáticos. O espírito precisa então ser filtrado através da psique até aos níveis da personalidade. Para os preparar para o estado colectivo apropriado, vários aspectos negativos emergem até à superfície a fim de lhes chamar a atenção para eles de modo a que os possam purificar ao nível consciente.

Não é diferente do processo da psicanálise, que penetra na mente inconsciente e que suscita aspectos negativos que habitualmente provocam estados emotivos radicais em vós, que então precisam enfrentar aos níveis conscientes. Assim também por sua vez sucede com muitos de vós que receiam que os aspectos negativos possam emergir à consciência. Mas quando o vosso desenvolvimento psíquico é disciplinado pela meditação, vocês removem tais aspectos negativos e tornam-se num veículo claro para o estado visionário que se segue.
O dom já foi atribuído. É apenas uma questão de como aquele que o recebeu o desenvolve. É como aquele a quem é dada uma carteira que a seguir vai até ao mercado. Ele pode gastar as moedas ou investi-las no mercado e fazer com que muito retorne a ele, dependendo da sabedoria com que investir. Assim, depende do indivíduo e do seu estado de desenvolvimento. A todos são dadas as moedas. Só precisam ir até ao mercado para procederem ao vosso próprio investimento em vós próprios.

A faculdade de perceberem informação e a capacidade de se entenderem enquanto espírito deveria constituir a vossa mais elevada diligência nos domínios psíquicos. Não utilizem tanto estes dons em proveito próprio, mas mais como ferramentas destinadas ao vosso próprio desenvolvimento e ao desenvolvimento de outros. Desse modo chegarão a compreender plenamente as faculdades psíquicas que já se acham num estado de desabrochar em vós.

Utilizem as vossas capacidades psíquicas na ajuda a outros a fim de que possam alinhar o seu padrão de vida pela sua natureza espiritual mais elevada. A vossa espiritualidade procede do fundo de si mesmo e do vosso livre-arbítrio. As faculdades psíquicas não passam de uma ferramenta. Não são a progressão do espírito e si mesmas. Podem manifestar-se no progresso espiritual mas não constituem um fim em si mesmas. São um instrumento a ser utilizado, tal como todas as outras formas, e são completamente neutras no seu aspecto. São vocês que lhes dão as qualidades que possuem. São vocês quem as utiliza quer de forma sabia quer de forma ignorante.

Cabe na capacidade de todo o indivíduo formar e moldar o próprio desenvolvimento espiritual. O desenvolvimento psíquico não passa da evidência de vós próprios enquanto espírito, pelo que deveriam ser responsáveis enquanto espírito que são. Deus é amor, e vós sois filhos de Deus.

Utilizem as vossas faculdades psíquicas com amor, de modo a conduzi-los à harmonia com os demais, por ser a harmonia o que desejam. Se gozassem de uma comunicação telepática plena uns com os outros, existiria uma união entre todos vós, e deteriam todas as coisas em comum, tanto pelo pensamento como no espírito. Dessa forma conheceriam as necessidades uns dos outros à medida que surgem, e poderiam servir uns aos outros de uma forma mais plena. Isso representaria uma forma de associação telepática. Se uma faculdade assim fosse desenvolvida, certamente que conseguiriam ver a facilidade com que podem influenciar uns aos outros, e dessa forma levar paz e amor junto de todos e a cada um de vós.

A meditação, a oração e o jejum representam ferramentas com que poderão alcançar níveis de compreensão destinados a padrões do desenvolvimento psíquico. Seja qual for o dom psíquico que optem por manifestar, a oração, a meditação e o jejum constituem as vossas pedras angulares. Depois, a paciência e, a título de reforço, um padrão dietético acertado, de preferência vegetariano, e vastas quantidades de frutas em particular durante os períodos de desenvolvimento específico.

As vossas faculdades psíquicas são ferramentas que deverão usar construtivamente. Aí poderão começar a compreender o pleno potencial que encerram. Há alguns que pegariam num martelo, e que, em vez de o usarem no encaminhamento dos pregos na construção de uma estrutura de madeira, os usarão para produzir diversos sons, como um instrumento. Mas assim que o verdadeiro propósito do martelo for descoberto, o indivíduo poderá arranjar a estrutura necessária, tal como desejais arranjar a estrutura do vosso padrão de vida.

Assim que descobrem o instrumento, permitam que passe a ter certas áreas de autoridade na vossa vida. Reconheçam a existência dessas faculdades. Registem no papel aquilo que desejam ver manifesto na vossa vida. Repitam essas coisas três vezes para vós próprios enquanto estiverem num estado meditativo e a seguir ponham-nos de lado. No espaço de um certo tempo poderão começar a ver a manifestação desses padrões, mas é através da fé que essas coisas são conseguidas e não tanto do pensamento positivo (desejo) nem detendo-se nas coisas de forma impaciente, mas mais permanecendo na verdadeira paciência até que o padrão da evidência seja estabelecido, quando vocês quase o tomarão como certos.

Em muitas alturas as vossas faculdades psíquicas permanecem latentes, mas isso deve-se unicamente ás limitações da mente consciente, e não a limitações da parte de Deus. Deus é amor, e o desejo que têm de permanecer em harmonia uns com os outros que activa essas faculdades. A telepatia constitui a pedra angular da forma universal, por estarem atados numa singular associação por intermédio da telepatia. É através dessas faculdades que se dá uma contínua comunicação uns com os outros, e de um para com o outro. Todos os indivíduos possuem uma forma de comunicação com o espírito, nem que seja nas suas orações ou esperanças silenciosas.

A própria esperança consiste na activação da desejada informação para além dos níveis conscientes, pelo que consequentemente reside estritamente no domínio do indivíduo e é algo que empreendem de forma bastante natural. Mas para desenvolverem as vossas faculdades psíquicas, precisam tornar-se estudantes e penetrar determinadas áreas da disciplina a fim de corrigirem desequilíbrios e obsessões na personalidade; caso contrário serão conduzidos a um sistema isolado de informação, que não é salutar em qualquer sistema de estudo ou de comunicação. Assim, uma vez mais, é um potencial que todos têm, mas que não desenvolvem necessariamente.


Lembrem-se que apenas devem obedecer a um mandamento – “Amar a Deus de todo o coração e pensamento, e ao vosso semelhante como a vós próprios” – que desse modo iluminarão todos os caminhos que conduzem ao lar. Mas nunca confundam o caminho com a própria verdade. Ele poderá conduzir à verdade, mas existe somente uma verdade, que é a verdade do amor. O amor é iluminar o coração, e assim como um homem pensar no seu íntimo, assim também ele deverá ser. Deixem que estas coisas lhes iluminem as faculdades que chegaram a designar por psíquicas, que por sua vez elas os ajudarão no vosso crescimento espiritual, de forma a poderem regressar a Deus, que é amor.



Tom McPherson

O psíquico sem o espiritual é como uma carroça sem cavalo. O psíquico representa a carroça, suponho, enquanto o espiritual seria o cavalo. Pode ser agradável sentar-se na carroça, e pode parecer bonito, e até mesmo ousado, mas sem o cavalo não vai a lado nenhum.

Atun-Re

Não há necessidade de controlo quanto ao que chamam de protecção psíquica. É só com respeito à vossa composição emocional que precisam preocupar-se. É para isso que devem tender. Poderão receber mensagens telepáticas que os possam perturbar um pouco, mas somente se estiverem emocionalmente desequilibrados na vossa vida. Mas se estiverem equilibrados, deixem meramente que passe o que tiver que passar por vós e regresse à sua origem e abençoem-no. Por isso, a única coisa de que precisam proteger-se é de vocês próprios.

Tradução: Amadeu António

Sem comentários:

Enviar um comentário