quarta-feira, 25 de novembro de 2015

ACERCA DA CRIAÇÃO



Devido ao apego que tem pelo tempo e pela sua medição linear, o homem esforça-se por conceber uma ideia da criação, mas sempre procura colocá-la no seu próprio contexto em vez de procurar entender o tempo enquanto uma nebulosa de energia.
Mas, em respeito pela compreensão linear em que o homem se baseia, procurarei lançar luz sobre a teoria da criação.

A criação representou e representa energia em movimento. Tudo quando existe, ou pode existir, existia (em potencial) O chamado vazio representava energia não direccionada, desprovida de movimento conceptual e constituía a energia pulsante do potencial puro. O ainda por vir a existir. Pela própria natureza de tal potencial a energia moveu-se sobre si mesma, e criou movimento através da expansão e contracção, e haveria de continuar assim por milhares de anos.

Permitam que usemos um exemplo bastante mundano: um quartilho de creme, conservado numa vasilha e posto de lado. À medida que o tempo passa, e devido à natureza do próprio potencial, move-se sobre si próprio e altera a sua energia. Começa a dar-se uma expansão e uma contracção e o potencial celular altera-se. Essa energia pode tornar-se volátil e explosiva. A qualidade da energia original foi alterada e tornou-se num novo componente do seu potencial máximo. O pensamento limitado diz tratar-se de creme - ponto final. A evolução criativa, por sua vez, diz que é creme unicamente num dos seus potenciais aspectos.

Assim, também a criação se tornou volátil e explosiva. A sua vibração sofreu um incremento e começou a formar um ritmo no qual vibrou. Após ter acumulado ao longo de mais milhares de anos ela por fim explodiu, arremessando porções pulsantes de si própria. É por esta altura que a teoria do Big Bang tem lugar. o chamado "Big Bang" constituiu uma parte natural da criação no seu todo. A criação constitui um movimento evolutivo.

Essas porções vibratórias rítmicas carregavam em si a identidade, por intermédio do movimento, daquilo de onde procedeu. Pelo seu próprio processo evolutivo veio a tornar-se em universos por direito próprio. Toda a criação carrega em si uma réplica dessa energia original. Em essência, e por meio do vosso movimento celular, vocês são feitos à imagem da criação. A estampa dessa energia original da fonte e do seu ritmo e movimento repete-se em todas as coisas.

No padrão do ritmo e do movimento as qualidades da energia  começaram a separar-se, a alterar-se e a mover-se sobre si próprias de acordo com a sua energia alterada. Cada qualidade continha em si própria o ritmo do universo sob cuja estrutura vibrava. Tais alterações produziram a separação dos elementos. Cada elemento continha em si o padrão original de continuidade através do movimento e da separação. Cada qual prosseguiria no seu crescimento e evolução por direito próprio. Esses elementos viriam a ser conhecidos como ar, fogo, água e terra, dotados como estavam das qualidades de espaço, expansão, contracção e solidificação (cristalização). A partir deles tudo o mais haveria de se formar. As qualidades de cada um eram necessárias à formação.

Passariam mais de quarenta mil anos, até que a célula da humanidade começasse a mover-se sobre si própria e se tornasse na forma essencial do que mais tarde se solidificaria , se densificaria e tornaria no homo-sapiens. O universo, ao carregar em si a ordem e o padrão da energia original, começava a evoluir. Aprendia a expressar-se através da expressão intuitiva oriunda desse padrão. Que tal padrão comportava uma ordem e uma direcção interior, tornou-se claro.

Gerou-se uma divisão nas energias e um sentido claramente definido de propósito em relação à evolução de que tinha sido criada. Aquelas coisas do reino da natureza e do espaço permaneceriam dotados de um carácter impessoal no seu ritmo e vibração, e tornar-se-iam responsáveis pelas alterações naturais necessárias à evolução do contínuo do universo bem como de tudo nele contido. Tornar-se-iam na energia governante do universo, trazendo a mudança necessária a cada três mil anos, grosso modo.

À medida que a humanidade continuou a evoluir e a crescer, começou a identificar-se mais em pleno consigo própria, o que conduziu o padrão interno a uma expressão personalizada. As forças naturais usaram o instinto e a compreensão intuitiva para funcionar, enquanto o homem desenvolvia um padrão mental de expressão baseado no pensar. Funcionando com base no instinto funcional, o homem, por intermédio das suas energias mais personalizadas, viria a desenvolver uma vontade e um desejo de se exprimir mentalmente. A sua atitude mais pessoal haveria de o conduzir a uma espiral evolutiva dotada de um ritmo de dois mil e seiscentos anos.

Tais ritmos constituem o pulsar do potencial criativo, a inalação e exalação que sustenta a energia e permite o movimento. Tudo nesse ritmo possui uma vibração que constitui a sua identidade natural relativamente ao universo.

É através da interacção dessas energias, tanto individual como colectivamente, que a evolução se opera. A espiral individual do homem interage e transforma-se na espiram colectiva da humanidade que influencia o movimento da espiral directiva do universo. São espirais, uma dentro da outra, cada uma a influenciar a outra.

A força:

1 Do movimento e da vibração tornou-se identidade.
2 Do sopro e do pulsar tornou-se equilíbrio harmônico.
3 Do espírito tornou-se intuição.
4 Do poder da Mente tornou-se Forma-pensamento.
5 Da forma espiral tornou-se comunicação interactiva.
6 Magnética e eléctrica tornaram-se na densidade do plano material.
7 Do estímulo tornou-se ajustamento e transformação.

Foi nessa fase que a criação, conforme o homem a compreende por meio da teologia, teve início. Os sete dias da criação, conforme é ensinado na Bíblia, não consistiram em sete períodos de vinte e quatro horas. Cada "dia" era composto, grosso modo, por uma extensão de 2500 anos.

Mil e quinhentos anos em que o processo evolutivo se repetiria e renovaria, uma e outra vez. Cada renovação dessas impeliu essa evolução para a frente e alterou as energias uma vez mais. Cada "dia" desses desenvolveu uma qualidade específica para o universo.

A energia começava agora a seguir u padrão direccionado. O vazio, por meio do seu próprio movimento natural de expansão e de contracção, separou-se para se tornar nas espécies. Cada energia transformou-se numa espécie própria. Cada uma desenvolveu a sua própria sintonização, primeiro através dos sentidos e em seguida da acção mental. A mente tornou-se no instrumento da humanidade que lhe permitiu focar-se e dirigir as suas próprias energias e as energias do potencial original. Ela conseguia pensar, tornar-se numa ideia, explorar o potencial universal e conduzi-lo a diante. Uma vez mais, haveria de levar milhares de anos para que tal processo se desse.

Formou-se uma fórmula matemática que traduziria o ritmo e o fluxo da criação para todos os tempos. Tal fórmula expressou-se através das estações do ano. Cada um dos quartos de ciclo produziria uma energia específica a ser expressada e utilizada. O equilíbrio entre a escuridão e a luz no equinócio da Primavera permitiria que o mesmo equilíbrio ocorresse por toda a criação, que haveria de encorajar novos começos e um movimento renovado. A energia do solstício de Verão representaria uma energia de criação e de sustentação daquilo que tivesse sido iniciado.

uma vez mais, por intermédio do equinócio do Outono, o equilíbrio permitiria a retribuição daquelas energias dirigidas e utilizadas. No solstício de Inverno, voltaria a energia da realização interior que haveria de permitir uma preparação para o lançamento seguinte da Primavera. Até o homem se assemelharia a uma semente, repleta do potencial de se tornar no que estava destinado a tornar-se. As energias universais nos seus ciclos encorajariam o homem a mover-se e a desenvolver-se.

Cada universo -- e no presente existem sete -- teve início como uma força cerrada capaz de dirigir a sua energia para a sua evolução própria e para a evolução de tudo quanto comporta. À medida que a plena consciência se desenvolve esses universos começarão  lentamente a abrir-se uns para com os outros. Tal processo levará milhares e milhares de anos.

Compreender a relação que o universo tem convosco é importante. O reconhecimento de que as vossas energias se acham relacionadas auxilia-os a usá-las de uma forma mais cabal. Uma coisa a aceitar é que o movimento consiste num movimento em frente. Se se enamorarem demasiado daquilo que foi, de forma a deixarem de vivenciar aquilo que é, tornar-se-ão lentos no avanço.

Estão agora a viver na era chamada de Aquário, a era da fraternidade. 1991 constitui o décimo-quinto ano do intervalo de dois mil e seiscentos anos. É agora que o homem evolui do ódio para a aceitação da paz. Esta era é governada pela natureza e pelas polaridades. O homem chegará a reconhecer de novo a relação que tem com a natureza e trará equilíbrio interno a si próprio e ao seu universo. Deverá instaurar um equilíbrio entre o trabalho e o lazer, a actividade e o descanso. É nesta fase que precisam ser produzidas a aceitação e uma nova maneira de encarar as coisas e a vida. isso torna-se fundamental para as energias que estão agora a ser usadas. Aceitem a situação em que se encontram para poderem avaliá-la e compreendê-la. Somente então a conseguirão alterar. A mudança é produzida por uma nova perspectiva. Considerar alguma coisa de forma diferente, poderá mudar o modo como lidam com ela assim como a maneira coo serão afectados por ela.

A consciência do equilíbrio é fundamental, nesta altura. O homem precisa perceber que o seu corpo e mente constituem parte integrante do seu espírito. É importante que o seu templo (corpo) seja bem cuidado, por constituir a morada da alma. A necessidade de equilíbrio nos padrões alimentares torna-se primacial no âmbito desta energia de elevada frequência.

Isso representa cada um a evidenciar o equilíbrio adequado à sua energia. A resposta não está nos extremos. Há certos alimentos que são importantes para o organismo e que deveriam ser incluídos nos vossos padrões alimentares. A cebola, o aipo, o repolho, os brócolos, o nabo e a bata são nutrientes que auxiliam na manutenção do músculo e da harmonização dos tecidos. Mas mesmo no campo da nutrição, o fundamental está no equilíbrio. Não existe modo acertado algum que seja melhor ou único. Escolham o padrão que se enquadre na vossa energia. Certas energias necessitam de carne na dieta; já outras, não.

Cada era veda certas bactérias, ao ter início  e expõe outras devido à mudança verificada na frequência. Muitos agora darão por si a ser menos afectados por alergias que durante muito tempo os terão incomodado.

A década dos noventa constitui a década da energia de transição, e representa a libertação do passado e a aceitação do futuro. Representa um movimento muito potente no tempo. Constitui o poder de resolução de três mil anos, uma nova era de dois mil e seiscentos anos e uma década -- tudo ao mesmo tempo. A humanidade está nesta década a avançar rumo a uma compreensão mais cabal do seu corpo de luz, do qual brotou. ela gozará uma vez mais da oportunidade de alcançar essa frequência pela primeira vez desde o começo. Ele experimentará o significado da luz e dará início ao processo evolutivo que permite.

Em 1990 e 1991 deram-se mudanças significativas que apresentaram um aspecto negativo por envolverem o rompimento de velhas condições, hábitos e padrões. Conquanto isso liberte o homem para o seu potencial mais elevado, o facto desse potencial não se encontrar claramente definido poderá levá-lo a sentir-se inquieto.
O próprio homem está a experimentar as mudanças na vibração que o universo está a experimentar. É o tempo em que o homem começa verdadeiramente a libertar aquilo que deixou de lhe prestar qualquer serventia e de se voltar para o seu pleno potencial. Quando compreendem que todas as coisas contêm o mesmo padrão ou fórmula, produzida a partir dessa energia original da fonte, começam a entender que o homem físico é afectado pelas mudanças verificadas no universo que dirigem o movimento desse universo.

As energias planetárias são responsáveis por interacções dotadas de uma energia específica em movimentos específicos nos giros evolutivos que forma. Tais energias chegam a tocar o padrão  interior no homem e a ajudá-lo a produzir as mudanças necessárias que está destinado a experimentar e ajuda-o a sair da rotina. Neste momento o homem encontra-se a vibrar na sua frequência mais elevada em que alguma vez terá vibrado devido a que o seu universo também esteja. Tal elevada frequência altera-lhe não só a sua perspectiva coo as suas reacções físicas. Nesta década o homem poderá assumir um controlo mais forte da sua vontade física se entender a própria unidade de todas as coisas.

Quando uma era muda, a velha energia é gradualmente vedada  e abrem-se novos potenciais. Isso altera o efeito do poder da doença e trás uma maior capacidade de compreensão dela assim como de maneiras de a superar. A energia constitui um poder inerente que altera e muda em função da orientação mental ou natural (intuitiva). A vibração altera o nível de energia. Todas as coisas na criação constituem energia em movimento.

o homem material herda as suas tendências de duas fontes: Da sua própria memória inata  da fonte original de energia que lhe permite que faça brotar a partir dessa energia, e dos seus genes físicos que constituem o produto dos genes masculinos e femininos dos progenitores. A herança mais potente que possui é a sua energia, o seu poder original da fonte. Isso, uma vez usado correctamente, é capaz de superar qualquer idiossincrasia de origem genética.

A evolução do presente momento no tempo permite que o homem reconheça esse facto e comece a compreende o seu uso. Durante a era anterior ele buscou a orientação exterior; nesta presente era ele volta-se para dentro para aquele poder que por sua vez o habilita e fortalece. A alteração dessa energia afecta ao homem mental, emocionalmente, em termos físicos e espirituais.

A mente constitui o instrumento que permite que o homem dirija a sua energia. A esta altura o homem encontra-se a experimentar múltiplas mudanças na energia. Tudo nele responde a essas intensificações vibratórias. Muita gente poderá sentir-se apreensiva por as constantes mudanças levarem as pessoas a sentir-se na incerteza quanto à identidade que têm. Tais mudanças são forçadas pelo universo, cuja função ou papel assenta numa apresentação dessas energias, de modo que o homem as utilize no seu avanço em frente.

Compreendam que a taxa vibratória da energia altera o universo interior do homem e provoca mudanças celulares e a alteração e fortalecimento da capacidade mental. A mente constitui o utensílio usado na expansão ou redução da acção corporal. podem literalmente ver-se na doença assim como na integridade original. O pensamento incrementa ou reduz a energia da célula, alterando assim a célula e provocando a mudança. Dentro do homem dão-se  os aspectos da criação ; ele está constantemente a arremessar de lado e a reconstruir. A saúde representa literalmente um produto do equilíbrio; equilíbrio mental, físico e espiritual. A mente pode ser estimulada, o corpo nutrido e o espírito esclarecido.

Se uma pessoa encarar tudo na vida com uma imposição, achará a vida demasiado desafiadora. A sua atitude mental tingirá tudo o mais. Eventualmente criará a mesma atitude no seu corpo físico por o corpo constituir o único lugar que possui em que poderá manifestar os pensamentos.

O grau em que permitirem que qualquer coisa os afecte equivalerá ao grau de poder que terá sobre o vosso ser físico. para serem verdadeiramente saudáveis, sugiro que pratiquem o seguinte:

1 Utilizem uma afirmação de cura ao iniciarem o dia

2 Pratiquem a interacção mental com os outros todos os dias. Permitam-se voltar-se para ideias que não se centrem em vós.

3 Suprir a vossa constituição física com equilíbrio e moderação. Certifiquem-se de que a vossa dieta inclua vegetais e comida frugal. Criem um espaço interior de paz enquanto comem!

4 Pratiquem exercício por qualquer das formas. O caminhar constitui um exercício corporal completo excelente. O trabalho caseiro pode igualmente ser usado como um exercício. Façam exercício que inclua o movimento das articulações. Uma vez mais, a moderação é preferível a uma participação errática ou excessiva. Respirem de forma aprofundada para oxigenarem a mente.

5 Passem os últimos quinze a vinte minutos do dia em silêncio. Meditem ou sentem-se calmamente convosco próprios, e deixem que a mente se aquiete. Permitam que as vossas facetas sensoriais se façam sentir.

6 Pratiquem a cada dia que passa a arte do desapego. peguem num incidente qualquer, pensem nele, agradeçam-lhe pelas lições que lhes tiverem trazido, abençoem-no, desejem-lhes boa sorte e libertem-no. Abrir mão das atitudes negativas diariamente poupar-lhes-á um monte de infelicidade acumulada por coisas mantidas e amplificadas pelo constante cismar

7 Sorriam, mais que isso, permitam-se rir diariamente. A vida tem muitos momentos felizes. Permitam-se desfrutar deles. Um dia ensolarado ou um pássaro a beber num charco de água têm ambos o poder de lhes elevar o espírito e de os libertar emocionalmente, caso o permitam.

8 A cada dia procurem  ver as coisas pela óptica dos outros por um instante. Isso descentralizá-los-á e alargar-lhes-á a capacidade de se compreenderem.

9 Os incidentes da vida assemelham-se às brasas de uma fogueira. A intensidade com que as soprarem leva a que se tornem mais ardentes ou que esmoreçam e se apaguem. Pratiquem a arte de classificar o que deve ser o quê, diariamente.

10 Por último, toquem-se! Agradeçam ao vosso corpo e espírito por os ajudarem a tornar-se emocionalmente sadios. Não usem a falta de saúde como uma evasiva! Permitam-se sentir suficiente amor por vós próprios para se predisporem a ser sinceros convosco próprios.

AFIRMAÇÕES PARA UMA MUDANÇA

1 Eu sou um espírito infinito na forma física.
   Eu sou guiado diariamente pela mente infinita.
   Eu sou movimento em evolução e livre para mudar.
   Eu sou poder, a minha projecção e a minha manifestação.

2 Eu aceito que a totalidade seja minha.
   Eu permito que me inunde todo o ser
   Mente, corpo e espírito -- Eu sou uma totalidade.

3 Existe uma orientação interior que me conduz agora.
   Eu aceito-a e liberto-me da negatividade.
   De bom grado liberto o meu pleno potencial para o meu eu superior e alcanço

4 Tudo quanto necessito ou desejo torna-se meu, por intermédio da acção correcta   
   e do pensamento correcto.
   Eu sou mestre de tudo quanto sou e realizo-me com a percepção disso.

5 Eu liberto toda a ideia preconcebida com respeito à minha saúde.
   Eu aceito que a mudança possa ocorrer e que ocorrerá.
   Cada dia revela evidência disso.

Um dos grandes problemas que têm na área da saúde reside no medo. O medo de cair, o medo do sucesso, o medo de cometer um erro. Os erros fazem igualmente parte da evolução. Aprendam com eles e utilizem-nos como um trampolim para uma outra coisa qualquer. O que quer que tenha ocorrido terá ocorrido. Não o conseguirão mudar, mas poderão mudar o grau de poder que exerça sobre vós. Aprendam com isso e prossigam.

Pratiquem a arte de tratar daquilo que consigam tratar no momento. Derrubem o lado opressivo em porções mais reduzidas. A seguir tratem de uma de cada vez. preocupar-se com a coisa na sua globalidade inibe a faculdade de o resolverem. Sempre que cada porção for resolvida, isso irá alterar o resultado da globalidade.
A preocupação e o estresse deitam por terra o aspecto íntegro da vossa saúde. Quando tratarem disso, aspecto por aspecto, estarão a controlá-lo, em vez de deixarem que os controle. Lembrem-se de que aquilo que pensam torna-se na vossa realidade. Dirijam as vossas ideias para coisas progressivamente positivas. Utilizem quadros mentais para produzir mudança. Afirmem o vosso poder num universo em mudança.


A FORÇA:



1 Do movimento e da vibração, tornou-se Identidade.

2 Do sopro e da pulsação, tornou-se equilíbrio harmônico.

3 Do espírito, tornou-se intuição.

4 Do poder da Mente, tornou-se Forma-Pensamento

Da forma espiral, tornou-se comunicação interactiva.

6 Magnética e elétrica, tornou-se na densidade do plano material.

7 Do estímulo tornou-se ajustamento e transformação.





Existem quatro tríades dotadas de três potências que por sua vez criam doze passos na direcção da criação (4x3=12)



A PRIMEIRA TRÍADE



Poder em Estado Bruto – o primeiro aspecto do término da energia.

Pulsação

Ritmo

Vibração



A SEGUNDA TRÍADE



Poder da energia – o segundo aspecto do término da energia.

As Leis

Os Padrões Numéricos

O Som Fônico



A TERCEIRA TRÍADE



Formação do Poder – o terceiro aspecto do término da energia.

Os Elementos

O Cosmos

Os Reinos



A QUARTA TRÍADE



A Manifestação do Poder – o quarto aspecto do término da energia.

A Espiral Divide-se – A Intuição e o Intelecto são nomeados

Formação dos Domínios Angélicos

O Homem Torna-se num Ser Etéreo



A Terra possui um ritmo que contém uma vibração que pertence a um determinado momento no tempo. Esse momento no tempo prende-se com as eras. A vibração constitui movimento dentro desse ponto no tempo. A própria Era constitui o ritmo da evolução.



Cada era cria uma espiral evolutiva em que o homem pode crescer. A vibração representa o veículo usado na conquista desse ritmo evolutivo e momento no tempo.



No círculo do infinito há um ponto de criação (ideia). A pulsação ou movimento desse ponto confere direcção ou foco numa base de fundação assente em quatro pontos. Todas as coisas criadas assentam numa base ou fundação de quatro pontos. As quatro correntes conferem movimento a esses quatro pontos.



Muito rapidamente, no infinito (Coisa Nenhuma), um ponto ou ideia (Palavra) começou a pulsar. Esse movimento imprimiu uma direcção a tudo o mais. Um ritmo formado como meio de expressão da orientação e foco do pulsar. Nesses perímetros espiralados a vibração iria conceder permissão ao movimento e à mudança. A fórmula da criação baseia-se nos quatro elementos, direcções e correntes (NT: Que traduz o antiquíssimo símbolo da cruz de braços de tamanho idêntico) guiadas pelas fórmulas da criação.



AS ETAPAS DA CRIAÇÃO



Os doze passos da criação assinalados abaixo ajudá-los-ão a entender o fluxo que a criação adoptou.



1 Pulsação criativa da forma: O Todo tem início

2 Os padrões de ritmo do universo são formados

3 O eco do pulsar e do ritmo formam a vibração

4 Formam-se as leis do Para Sempre

5 As leis dirigem a pulsação, o ritmo e a vibração orientados para o equilíbrio, por meio da  

   formação de padrões numéricos e uma espiral  universal.

6 Som Fônico, criado através de uma variação de vibrações começa a expressar-se

   intuitivamente.

7 Os elementos do ar, fogo, água e terra, cada um moldado enquanto energia de formação

8 O cosmos é formado como um sistema de entrega de energia.

9 Os reinos mineral, vegetal e animal são formados como um sistema de suporte e a natureza

   tem início. Forma-se a matéria.

10 As energias universais de carácter impessoal dividem-se criando uma segunda espiral dotada de uma energia pessoal mais densa. A espiral não pessoal de energia de tr~es mil anos transforma-se nos ciclos de ajustamento e de evolução universal, e comportam a natureza e o cosmos a funcionar através das leis e da intuição.


A espiral mais densa da energia de 2600 anos torna-se numa espiral evolutiva em que pode desenvolver-se. Essas espirais interagem.

11 São formados os coros angélicos.

12 O Homem é criado sob a espiral mais densa da energia com a capacidade de ser orientado pela espiral impessoal através da mente. O Homem desenvolverá tanto o intelecto como a vontade com a mente a servir de ponte para a energia impessoal. Essas extensões de 2600 anos tornam-se conhecidas como Eras.



Os doze passos da criação constituem quatro tríades de energia, cada uma das quais a abranger três fases. Cada tríada continha uma energia evolutiva dirigida para a criação.



A PRIMEIRA TRÍADE



Poder em Estado Bruto – A primeiro a conclusão da energia.



A PULSAÇÃO CRIATIVA – O TODO



O pulsar constitui a primeira activação do potencial. Representa (encontra eco) o batimento cardíaco que confere pleno poder de expressão à divindade.



A criação constitui a abertura ao potencial puro.

Esse ponto, ou pulsar, capacita tudo quanto Deus criou na condição bruta ou crua da essência. A pulsação gera movimento na criação crua da essência em estado bruto e torna-se no círculo de potência do Sem Fim.



PADRÕES RÍTMICOS DA FORMA DO UNIVERSO



Um ritmo formado no âmbito do poder do círculo que criou um espaço em que toda actividade viria a ocorrer. Formou perímetros nos quais a acção podia ocorrer de uma forma equilibrada sem perder o seu poder através do desembolso nebuloso. É o espaço no qual por todo o tempo algo pode evoluir pela alteração do seu ritmo. Aquilo que se move do ponto central para fora, no círculo, altera aquilo em que toca e volta de novo para si próprio, criando múltiplos ritmos ao longo do percurso.



O ECO DO PULSAR E O RITMO FORMAM A VIBRAÇÃO



A vibração constitui o modo de identificação de todas as coisas no universo. Os componentes de tudo quanto tenha sido criado geram uma vibração única com respeito a esse particular aspecto. A alteração dos movimentos na criação afecta a sua vibração.



Pulsação, ritmo e vibração são importantes e constituem o caminho de tudo e de toda a acção que o Homem adopta hoje.



O ponto (mente) começou a pulsar e tornou-se num ritmo ou batimento. O ritmo desenvolveu-se no âmbito de uma vibração. O ponto tornou-se pulsação, que por sua vez se tornou ritmo no qual toda a vibração ocorreu. Teve início a criação dos universos.



(continua)

Autoria de June Nurke e o Serafim Julian
Direitos de Autor de Saul Srour

Tradução de Amadeu António