sábado, 21 de novembro de 2015

DINHEIRO & RIQUEZA




DINHEIRO & RIQUEZA 


Vocês possuem dentro de vós necessidades multifacetadas, que lhes afectam o factor de estresse do corpo todo, assim como a atitude mental do corpo. Algumas delas são bastante mundanas, e por vezes pensam que sejam um incómodo em demasia e acham que devem fugir delas. Mas a vossa prosperidade – dinheiro – é uma parte importante.


O dinheiro é parte importante da vossa riqueza, não será? Porquê? Por não se puderem furtar ao facto de que em qualquer altura decorrer um sistema de empréstimo para poderem fazer frente às necessidades físicas do corpo.


Na actual quadratura o dinheiro é emprestado para um acto ou comercializado na base de energia. Numa outra poderá ter sido por maçãs ou peras ou pêssegos ou algo assim, mas agora dispõem da mercadoria a que chamam de dinheiro, mas depois têm um ditado no vosso mundo que diz que o dinheiro é a raiz de todo o mal. O dinheiro não constitui a fonte de todo o mal mas a forma como o percebem, que o torna num mal.


O dinheiro existe para obterem as coisas de que necessitam na vida. Mas aqui tem lugar o grande problema: o desejo e a necessidade. Mas são coisas diferentes. Precisam de roupa mas poderão desejar uma pele de marta. Necessitam de uma casa, e poderão desejar uma mansão. Por isso, precisa haver um equilíbrio entre as necessidades e os desejos que têm na vida, por que se não colocarem os desejos que têm em perspectiva, de modo a poderem perspetivar-se de modo aceitável a ver-se a trabalhar no seu sentido, irão encará-los como inalcançáveis e irão tornar-se factor negativo.


As vossas necessidades sempre serão atendidas, no mundo. Os vossos desejos poderão não o ser. Por parte dos vossos desejos contribuírem para uma desvantagem em vez de benefício.


O problema que o dinheiro representa, em termos de aspecto incómodo com que lidam, está no facto de a maioria encarar a riqueza em termos de dinheiro, e em termos de dar tudo quanto queiram. Mas se forem incapazes de interagir com as pessoas uma vez pobres, não irão ser muito mais capazes de interagir com elas enquanto pessoa rica, porque irão tentar usar o dinheiro para comprar o afecto. É uma coisa natural. Irão dizer: “Este dinheiro é o que me torna numa pessoa de verdade.” Mas isso não é verdade. Vocês serão uma pessoa de verdade com dinheiro ou sem dinheiro. Mas é acreditando na pessoa de verdade que se alçam para uma situação afortunada. Se não forem verdadeiramente equilibrados sem dinheiro, tão pouco irão ser equilibrados com ele.


Portanto, o aspecto do dinheiro, o aspecto da necessidade e do desejo precisam ser compreendidos. Precisam entender que as necessidades da vida estão em primeiro lugar. Os desejos vêm em segundo lugar – pelo menos no que diz respeito ao dinheiro.


Por outras palavras, se dispuserem de dez dólares, e precisarem de vinte e cinco para poder pagar as contas, precisam dispor-se a aceitar o facto que merecem esses vinte e cinco e que têm vontade de se esforçar por os conseguir. Por outras palavras, estão dispostos a ceder a vossa energia para os conseguir. Quando isso sucede e obtêm os vinte e cinco, então passa a haver um outro aspecto em consideração. Poderão ter o desejo de algo que custe alguns quinze dólares extra. Agora já precisarão decidir se vão pagar a conta, que representa a necessidade, ou se compram o que desejam, o que os deixará ainda mais num buraco.


Todo aquele que se disponha a lidar com dinheiro com respeito e diligência, irá acabar por ter dinheiro. Todo aquele que deseje ter dinheiro apenas para o ostentar, ou para comprarem aquilo em que não pretendem depositar qualquer esforço como a atitude, irão descobrir que terão uma luta terrível com ele.


Assim, o vosso nível de prosperidade precisa ser percebido nos termos de um modo de funcionamento – o dinheiro, o desejo e a necessidade. Mas a riqueza é saúde. A saúde equipara-se a dinheiro. 

Porque se forem saudáveis, poderão trabalhar, poderão usar a mente, poderão pôr um esforço num salário. De modo que, se pretenderem considerar a riqueza que possuem precisarão antes de mais contar com o facto de que conseguiram erguer-se da cama pela manhã, e capazes de chagar ao carro e de conduzir, e capazes de respirar o ar… Isso é riqueza. Por conseguinte, eu afirmo: Contabilizem as bênçãos de que gozam em todas as categorias – e não apenas o que têm na carteira, ou nunca chegarão a ser ricos. Porque enquanto negarem a riqueza, não a conseguirão conduzir a vós, não conseguirão atraí-la a vós.


Por isso, precisam ser capazes de ver que se encontram num estado de riqueza e de crescimento. Não podem dizer: “Não tenho que chegue.” Digam: “Estou a meio do caminho.” Entendem a perspectiva que estou a apontar? Por ser assim que farão com que a prosperidade venha até à vossa vida. E se conduzirem essa prosperidade à vossa vida irão descobrir que a vossa riqueza se torna mais fácil, por não sofrerem tanto estresse.


Assim que realmente se sentirem dispostos a considerar alguma coisa, e dizer: “Eu tenho imensas coisas maravilhosas na minha vida; eu disponho de um “património de riqueza,” tenho amigos, tenho um emprego, uma casa, estarão a eliminar a pressão exercida pelo medo da carência. Porquanto toda a gente tem um certo grau de temor da carência. Sabem que muito boa gente adoece após ter obtido uma riqueza monetária qualquer, por passarem de imediato a recear que alguma coisa lhes usurpe essa riqueza, e não possa viver sem ela? Alguns fazem uma fortuna, perdem-na, e voltam a reunir outra fortuna por saberem que a capacidade que têm de conseguir uma fortuna e de ter dinheiro repousa na qualidade do seu ser, e se o conseguiram uma vez, consegui-lo-ão uma outra. Já outros, quando perdem uma fortuna, entram numa espiral de energia negativa por pensarem não poder viver sem o dinheiro. Por isso, precisam perceber que não tem mal possuir dinheiro, mas ele não os irá tornar nem um pouquinho melhores, amenos que sejam equilibrados e o manipularem adequadamente, e respeitarem o resto do vosso valor – que é a vossa saúde, os amigos, o caminho espiritual – isso é tudo riqueza.


Por conseguinte, a prosperidade advém de terem a consciência que diz: “Eu sou rico agora,” e prosseguirem. A riqueza que possuo agora é parte unicamente da riqueza que virei a possuir, a todos os níveis da minha vida, não só na carteira. Assim que fizerem isso, estarão habilitados a atrair a vós mais dinheiro.


Por outras palavras, tenham amor por vós próprios, e percebam que vós, enquanto pessoa, são, sem a menor sombra de dúvida, a mercadoria mais valiosa, o ativo mais valiosos que possuem. Vocês são joias.

Tradução e transcrição; Amadeu António
Autores: Serafim Julian e June Burke
Direitos de autor: Saul Srour



Sem comentários:

Enviar um comentário