quarta-feira, 16 de setembro de 2015

ELEMENTAIS





Boa noite. Estou encantado por me encontrar de novo com todos vós, e por tratar esta noite de um tema que é muito caro ao âmago do meu mundo.

Existe uma ordem na força angélica e espiritual que tece a tapeçaria entre homem e natureza, tapeçaria essa com que cria um padrão com que o homem se pode identificar. Não existe nada neste universo que não seja guiado e protegido por uma força e uma energia que é superior.

Uma das coisas que quero que compreendam é que se dá uma filtragem efectiva da energia à medida que ela baixa das esferas superiores na direcção da esfera material tangível, e que nessa filtragem e nesse movimento surge a capacidade de tocar a energia. Gostaria de lhes perguntar, quantos de vós terão alguma vez permanecido silenciosos por entre as árvores, ao crepúsculo?

Quantos de vós terão tido consciência do render da guarda? Percepção de que existe um movimento; mas se quiserem, da próxima vez em que se encontrarem numa área arborizada, ou no vosso próprio jardim, quando estiverem a olhar através dele, à medida que anoitece, aquele instante entre a luz e o anoitecer, tudo permanece sereno; tudo saúda o render da guarda. Os pássaros deixam de fazer barulho. É uma fracção de momento, mas se estiverem preparados para isso, senti-lo-ão. Mas com isso sucede o encerramento de uma energia e a abertura de outra, o que representa uma oportunidade para entrarem em uníssono e para sentirem uma nova condição, uma nova direcção e uma nova oportunidade para entrarem em contacto com o invisível.

Quando falamos dos factores invisíveis não estamos a referir-nos às capacidades psíquicas, mas à percepção do espírito que procede da alma, que os une a todas as coisas que existem no universo. As dimensões do meu mundo constituem os poderes cósmicos da sexta dimensão, esfera em que se encontram os ELOHIM, que é a esfera divina e a esfera da afluência proveniente do Infinito; afluência de tudo quanto alguma vez tenha existido, exista ou venha a existir. A energia do amor; o amor divino dos Serafins; a energia da harmonia dos Querubins; e a vontade dos Tronos.

Essas qualidades constituem os primeiros segmentos que são capazes de se mover para baixo através das dimensões até que se tornem tangíveis e passíveis de ser interpretadas pelo homem. Na Quinta Dimensão vocês têm os vossos poderes planetários, a esfera da expansão dos Devas, e do desabrochar espiritual. Desse modo, é uma esfera espiritual através da expansão, e através da libertação dos poderes superiores direccionados para baixo; encontram a sabedoria dos Principados, que constituem uma Força Angélica; vocês têm o movimento das Dominações, e a forma das Virtudes, segmentos novos a juntar-se aos do Afluxo do Infinito. Mas chegam mesmo mais abaixo; encontram-se agora no Aspecto Espacial ou Aspecto Planetário.

Quando chegam à Quarta Dimensão encontram os Poderes Terrestres. Aqui têm a esfera da capacidade de Penetração e a esfera Astral, e aqui já se torna tangível. Encontram o espírito da personalidade, a iniciativa dos Archi, que uma vez mais constituem uma Força Angélica, e também têm os Arcanjos. Assim, nessa esfera começam a sentir de modo mais forte uma capacidade de tocar essa energia. Assim, a energia Deva que desce possui agora uma maior sensação de movimento e de forma num sentido tangível.

A terceira, segunda e primeira dimensões são toda a dimensão do homem e do princípio do fogo, que representa a expansão. Hão-de notar que trouxeram a expansão desde cima e que agora é passível de ser tocada pelo homem. Isso é conhecido como a esfera da solidez. É quando se tornam num ser sólido.

No elemento ar encontram os Silfos; no elemento fogo encontram as Salamandras; na água, as Ondinas; e na terra, os Gnomos. Bom, para muitos essas figuras sempre foram representadas em contos de fadas e mitos. Mas, santo Deus, quem pensará que sejam reais?

Mas são! São as influências espirituais provenientes dos níveis superiores do Infinito que são atribuídas aos diversos elementos, e por intermédio deles, às coisas que habitam nesses elementos. Tudo quanto pertença ao elemento terra é governado de um jeito qualquer pelos gnomos.

Alguma vez terão observado uma árvore ou uma raís e visto rostos? Um dos sítios mais magníficos para os observarem é por entre as Sequóias da Califórnia. Verão figuras de homens retorcidas nas cascas e formações de raizes nessas áreas. Bom, poder-se-á dizer que a imaginaçao desempenhe um grande papel. Sim, a imaginação tem, porque sem ela não seriam capazes de as ver.

Sem a vontade de imaginar e de acreditar não poderão ir além daquilo que é fisicamente tangível. Sem a disposição para ver o que não podem ver, não o conseguirão ver. Assim, precisam dispor-se a deixar que se lhes revelem, e a deixar que se lhes dirijam. Descobrirão que um dia poderão ir até junto de uma árvore e perceber com clareza uma forma de energia que efectivamente parece tomar forma de rosto e de um corpo, e poderão voltar à mesma árvore no dia seguinte e não o conseguirem identificar; por não se achar aí e se ter mudado.

Eu pedir-lhes-ia que, quando estivessem de novo nos vossos lares, meditassem junto às vossas plantas. Se meditarem com as vossas plantas, não só começarão a dirigir-se a elas e aos seus guardiães, como eles começarão a dirigir-se a vós. Mas se se sentarem junto a um aglomerado de plantas e ficarem suficientemente serenos conseguirão ouvir os sussurros, os movimentos de energia daqueles que são os guardiães da vida dessa planta.

Pergunta: Julian, eu já notei, quando estive… por exemplo, quando vou a uma floresta ou assim, ao permanecer no meio dela, sinto um certo tipo de presença; quer seja decorrente da grandiosidae das árvores ou de algo desse tipo, sentimos um certo género de… sentimos como que uma reverência por essas criaturas (Exactamente) por essas árvores. Terão elas noção da minha presença e haverá algum modo de reunirmos alguma energia da parte delas, ou de comunicarmos com elas?

Ah, decerto. Certamente que sim!

Toda a vez que precisarem alcançar alguma compreensão interior ou restaurar as vossas energias, sentem-se com as costas encostadas a um pinheiro, ou a um enorme carvalho ou a qualquer árvore velha, e sentirão na vossa espinha essa energia, e começarão a sentir a sua presença a impor-se-lhes.

Por ela ter uma voz, voz essa que é a do movimento da energia, e vocês serem capazes de receber dessa voz e de a ouvir e de a compreender. Lembrem-se sempre que toda a gente sente interesse pelos seus guias e em comunicar com eles, etc., mas tudo tem os seus guias.

Todas as coisas possuem algo pertencente a uma forma superior que lhes presta assistência no mundo. Quando permanecem no meio de uma floresta detectam um silêncio que não é silêncio nenhum. É o Influxo do Infinito. São afastados do vosso mundo do movimento, tempo e acção e são situados nesse mundo da floresta; e o seu movimento, tempo e acção são completamente diferentes dos vossos. O que não quer dizer que não sejam compatíveis, mas quer dizer que precisam dispor-se a ouvi-lo. Podem vir de uma configuração de grupo como este, e sentir-se muito mais calmos, muito mais preparados, em contacto com as coisas com que não tenham estado em contacto antes, e se tornarem isso num hábito, sentirão a repercussão da energia ao chegarem, por elas anunciarem a vossa chegada.

Pergunta: Já senti a energia das árvores mas nunca cheguei a ver quaisquer rostos apesar de ter procurado esforçar-me por os ver.

Nesse caso para de tentar com tanto esforço. Por vezes tentam tão arduamente que tentam distinguir algo em cada pequena nuance de energia. Mas se simplesmente desfrutarem da energia eles deixar-se-ão revelar a vós. Por eles não precisarem permanecer na forma. Quer dizer, vocês encontram-se nesta forma e encontram-se presos nela por um tempo, enquanto eles não precisam ficar nessa forma. E por vezes haverá movimento, e outras vezes sombra, e noutras alturas eles adoptam forma. A forma sempre estará em relação com aquilo que procuram guardar. Descobrirão que a planta… as Sílfides, etc., que lidam com os aspectos de reprodução da vida vegetal, adoptarão muitas vezes a forma de folha, por assumirem a forma do meio em que se encontram; e ao faze-lo também se protegem de serem identificados como um pequeno carnívoro qualquer, entendem? Por eles terem uma coisa em mente, que é trazer a força superior e deixar que se funda com a energia com que estiverem a trabalhar.

[Beber água... Espero que ela não fique electrocutada! (Riso)  Falhei a boca. Isso não a deve deixar em prerigo, pode?... Ela apresentar-lhes-ia o seu elemento do fogo rapidamente. (Riso) Bom – estão a ver, após todos estes anos ainda não aprendi lá muito bem…]

Pergunta: Apresentar-se-á sempre o mesmo tipo de energia por entre as árvores em todas as quatro estações ou será mais forte quando as árvores se acham plenamente floridas?

A energia que se acha por entre elas assume a necessidade dessa árvore particular ou dessa planta particular; por outras palavras, na primavera a energia representará uma força activa, por estar a eclodir, brotar, florir, despertar esse tipo de coisa; no inverno se estiverem por entre as árvores revelará uma energia completamente diferente. É uma energia inativa, prenhe. Uma energia que diz que se passa muita coisa, mas não onde o possam ver. Assim, reina uma quietude interior durante o Solstício de Inverno.

Pergunta: Será a intenção das plantas e das árvores tentar por qualquer meio comunicar connosco humanos?

Certamente. Quando meditam de uma forma consistente com uma planta, quando a tornam consciente do vosso desejo de comunicar eventualmente essa planta voltar-se-á e encará-los-á. As folhas voltar-se-ão para vós. Já sucedeu muitas vezes. Mas irá parecer um tanto fantasmagórico quando suceder, por não estarem propriamente à espera disso, entendem?

Pergunta: Haverá um período mais adequado do dia para esssa comunicação? Terás dito que seria pela manhã?

Bom, a melhor altura para a counicação é entre a meia noite e as duas da manhã, por grande parte do mundo se encontrar desligado. Mas, essa não é a única altura em que poderão comunicar, por poderem instaurar o desligar da energia por vós próprios, quando fazem dele um período de silêncio junto da planta. Se meditarem com uma malga de água, a água começará a mover-se. Comecará a dirigir a sua energia com os vossos padrões de pensamento.

Pergunta: Devido à quadra natalícia, notei que havia muitas árvores de pinheiro cortadas na estrada, e lamentei bastante o facto, mas não sei se será apropriado ou não. So achei que podia…

Em vez de lamentares, abençoa-as e entende o seguinte: elas transformam uma forma de energia noutra: na alegria que proporcionam. Vê bem, nos reinos animal e vegetal não se gera a mesma defesa em relação à transição; não há o mesmo desejo de se agarrar ao factor conhecido; de modo que a árvore vê-se a ela própria como uma coisa linda, em crescimento. Mas se for usada, como numa época festiva, como decoração, ela vê-se como algo que proporciona alegria. E quando por fim é eliminada vê-se como um composto que volta para as energias infinitas de que veio. Mas nunca se vê como perdida ou menos.

O homem é intelectualmente sagaz, a natureza é sábia em termos de intuição. Mas a natureza é literalmente mais esperta que o homem, por não deixar que nenhuma personalidade do ego se intrometa. O carvalho mais antigo e imponente ainda pensa ser parte da bolota por só conhecer a transição de uma fase para a outra, durante a qual não deixa de receber assistência seja em que fase for que se encontre, rumo à fase seguinte ou ao propósito seguinte. Mas não diz: “Eu sou menos ou eu sou mais.” E isso é algo que vocês precisam entender quando percebem que a vida das plantas tem guardiães, e que a vida animal tem guardiães, e que não é “bom,” nem “mais” nem “melhor.” A força angélica trabalha com toda a forma de energia de assistência que estende por todo o universo.

E ao faze-lo cumpre com a atribuição que lhe é atribuída, por assim dizer. Mas os Serafins e os duendes são iguais, são iguais no amor, na harmonia e na vontade; a vontade de fazer aquilo que lhes cabe; por procederem dessa energia. Encontram-se auqi para prestar assistência à compreensão que o homem tem da natureza, porque – com toda a franqueza – se a natureza descambar, também o homem descambará. Sem a natureza o homem não pode existir. Afinal de contas vocês são compostos de ar, água, fogo e terra. E se lhes faltar essas coisas – PUF – lá se vão eles…


Pergunta: Julian, eu trabalho com plantas em ambientes empresariais (Sim) e estou sempre a lidar com elementos da doença, os efeitos que as pessoas exercem sobre as plantas; sabes, como quando as folhas ficam amareladas a toda a hora, contraem todo o tipo de doenças, como que por parte dos elementos abusivos do ambiente. De que modo estará a natureza, as forças angélicas, envolvidas nessa situação de elementos abusivos?

Quando vires uma planta que carece de oxigénio recorre aos Silfos. Diz simplesmente, “Venham em socorro desta planta,” e mais virão. Lembra-te de que a planta carece de certos elementos. Não é o homem quem o está a causar à planta, mas a falta do elemento natural da planta que está a provocar isso à planta. Por outras palavras, uma planta que tenha vivido cinquenta e dois anos no mesmo potinho no solo terá gasto tudo quanto esse solo apresentava que pudesse ser usado, e agora esse solo está apenas a sufocar o seu sistema radicular, e não o está a apoiar mais. A planta que jamais vê a luz do sol irá precisar lutar (por ela). Precisa de oxigénio, precisa de luz, precisa de água. A negação dessas coisas ou a aplicação casual dessas coisas vai criar um problema à planta. Mas o facto de apenas ser homem não constitui uma energia negativa para a planta.

Pergunta: Bom, quando vejo a manifestação de tantos tipos de doenças ou de vírus nas plantas, que torna difícil descobrir a sua causa, excepto a de as pessoas as contagiarem ou...

As doenças das plantas não têm ligação com as enfermidades do homem, a menos que se trate da hera venenosa, (riso)... porque nesse caso deixa o homem no seu respectivo lugar.

Pergunta: A quem é que recorremos no caso da Mosca Branca?

A Mosca Branca? As moscas pequeninas? Eu apelaria ao elemento fogo, que adora comê-las.

Pergunta: No elemento fogo temos as Salamandras.  Serão elas os pequenos Elfos que se movem ao redor do solo, os pequeninos?

São. São os pequeninos, que muito frequentemente… terão alguma vez visto uma planta e de súbito uma folha ou um ramo pequenino mexer-se para cima e para baixo, para cima e para baixo, e a seguir deter-se repentinamente? Vocês pensam, “De onde terá saído a corrente de ar que o moveu?” Não foi. Isso deve-se a uma dessas criaturinhas que terá feito um grande salto, a fazer de Tarzan, sabes. Esse tipo de coisa.

Pergunta: Nas narrativas que li acerca de Pan e da Lemúria, quando nos encontrávamos em harmonia com todas as demais formas de vida, parece-me que o fazíamos num estado de inocência. Para que será que nos estamos a dirigir? Estaremos destinados ao mesmo tipo de comunicação de novo ou ela virá a ser realçada pelo facto de termos perdido a inocência com relação a isso?

Esta é a era que se baseia no círculo. Vocês estão a dirigir-se de volta onde se encontravam.

Pergunta: Não com uma dimensão adicionada?

Vocês estão de volta onde estavam com o acréscimo de uma dimensão. Por todo o propósito que têm ser o de trabalharem daqui para cima. Por isso, toda a vez que o círculo de fecha, fá-lo com uma nova dimensão de consciência e de compreensão. Lembram-se que dissemos anteriormente que estamos a falar acerca da compreensão e da percepção espiritual, quando falamos em estar em sintonia com esses seres.

Pergunta: Cheguei, recentemente, a entrar em contacto com um cristal detentor de informação que possuía informação. (O que era?) Um cristal detentor de informação; é um termo que é usado num livro que eu li; comporta informação, em especial em relação aos começos da Terra.

Os cristais fazem parte da formação da Terra. Eles possuem uma energia específica de acordo com o nível de profundidade, a dimensão e o período de tempo. E são usados pelo homem nessa energia sempre que ele é capaz de se identificar com essa energia. Mas não é suposto representarem o final de tudo (quanto acaba bem).

Pergunta: Será suposto ser descrito como detendo um triângulo equilátero gravado nele; e estar disponível ao acesso. Mas é claro que não sei se isso será verdade.

Que terá isso que ver com o que estamos a discutir?

Pergunta: Eu queria saber se haverá alguma forma particular de identificarmos ou acedermos a esse cristal.

No seu devido tempo todas as coisas serão reveladas. Vejam o que sucede… vocês conseguem uma réstia de qualquer coisa e enchem-se de curiosidade com relação a ela, e tentam forçar a coisa antes do tempo, e a coisa simplesmente não funciona. O homem está a obter consciência do cristal de novo, ele está a tomar consciência do quartzo uma vez mais, está a conscientizar-se uma vez mais das propriedades curativas das pedras, e agora precisará saber que esse é o elemento por que dá graças; porque sem o movimento que a vida vegetal e os elementos percorrem no tempo não poderiam existir cristais. Não ponham a carroça à frente dos bois. Entrem em sintonia com isso que está a suceder e não terão qualquer problema em compreender a energia do cristal seja em que altura for. Vocês entendem, vocês estão tão… Ai meu Deus, qual será a palavra?... (Por momentos Julian não consegue falar direito) No vosso mundo estão tão habituados a… Estará bem assim? Está… Obrigado, de vez em quando esqueço as palavras a empregar.

Estão tão habituados a projectar as vossas qualidades nas coisas exteriores a vós, mas é já tempo de olharem para aquilo que se encontra dentro de vós. E o que se encontra em vós é o ar, o fogo, a terra e a água, e a faculdade de que gozam através desses elementos de estar em sintonia com os guardiães. Ao entrarem em sintonia com os guardiães, ao entenderem a relação que têm e o lugar que ocupam em relação aos elementais, em relação a esses personagens, por assim dizer, que são os guardiães e os protectores desta parte do universo. Ao conseguirem essa protecção, essa compreensão, abrir-se-lhes-á todo um mundo novo. Meditem com uma planta; e pelo amor de Deus, não meditem 15 minutos por dia para depois dizerem que não resulta. Refiro diariamente, durante um certo período de tempo, e tornar-se-ão mais amigáveis dela. Quantos de vós põem nomes às vossas plantas? (…) Óptimo, por elas cosntituirem energias e quando as nomeiam estão a dizer: “Gosto suficientemente de ti para que te tornes importante na minha vida.” Isso tornará isso mais fácil.

Pergunta: Poderá o mesmo tipo de comunicação dar-se com os oceanos do nosso planeta?

Com certeza! Esta água… as Ondinas, cavalgam as cristas das ondas, e vêm e vão com a maré, e encontram-se em cada gota de orvalho ou pingo de chuva. Não existe nada no elemento água que não esteja preparado para estabelecer comunicação convosco.

Julian: (Ai, como ela insiste comigo… Espero desta vez conseguir melhor; creio ter deitado o copo muito rapidamente à boca ou algo assim… [Pausa prolongada para beber a água do copo]… Obrigado.

Muito bem, a maioria delas apresenta padrões de energia que, se as virem as interpretarão como asas. As Ondinas, as Salamandras e os Silfos assemelham-se todos a seres alados. Os seres da terra assemelham-se mais a gente pequenina – mas mesmo pequenina (alguns deste tamanho, sabem…)

Na área da Califórnia, existe um homem que trabalha a terra a toda a hora, e ele tem um desses seres pequeninos com ele, que sempre vem com ele, senta-se… vê-se que ele o carrrega pendurado no bolso, pendurado nos atacadores, sentado ao seu ombro; ele tem só esta altura (…) e tem o aspecto de um ser pequenino, excepto a qualidade que apresenta nos olhos e no rosto, através da qual por vezes se vê que é algo bastante etéreo. Eles chamaram-lhe Pip. Assim, o Pip lá vai a todo o lado; e o seu amigo James aceita-o, mas diz que por vezes, à noite, fica nervoso por, ao se voltar na cama, por não ter a certeza de estar a pisar o Pip. Mas o Pip é mais veloz que ele e é capaz de se esgueirar rapidamente.

Pergunta: Poderás dizer-nos que diferença existirá entre um Serafim e um Querubim, e dizer-me o que são os Tronos?

As Forças Angélicas são compostas pelos Sefarins, pelos Tronos, pelos Principados, pelas Dominações e Virtudes, pelos Arcanjos - os Archi e depois o Arcanjo. Cada uma dessas bandas opera junto dos diferentes elementos. Aquilo que os diferencia é a energia, a frequência. Na frequência dos Serafins movemo-nos ao longo de todo o espectro. Na frequência dos Querubins movem-se desse nível para baixo. Não tem nada que ver com o ser bom ou menos bom; tem que ver com a frequência. E o propósito disso é o de que cada nível elemental de frequência seja cuidado.

Pergunta: Poderias dizer-nos o que tenham sido todas essas coisas…?

São tudo Forças Angélicas.

Pergunta: Disseste as frequências. Não disseste aquilo que eram…

Os Serafins… os Querubins… Sim, por outras palavras, eu disse que os Serafins percorrem o espectro todo da energia…

Pergunta: Sim, mas que coisa serão?

Uma força Angélica, conforme vocês lhes chamam. São tudo forças angélicas. Nós simplesmente constituimos energias de elevada frequência.

Pergunta. E com relação à Sétima Dimensão?

A Sétima Dimensão estende-se até à Origem, que representa uma frequência mais elevada disto. Quando atingem os ELOHIM, atingem a mais elevada frequência que podem atingir; a única coisa que tem é que sofre uma amplificação à medida que vão subindo. Na Sétima Dimensão dá-se uma deformação e uma alteração da dimensão e da visibilidade; Por outras palavras, os quadrados não se assemelharão a quadrados, mas isso na realidade não lhes é de qualquer utilidade. Aquilo com que estamos a tentar trabalhar é com AQUILO que tem utilidade para vós.

Pergunta: Teremos todos anjos da guarda de diferentes frequências connosco, dependendo da evolução que tivermos conseguido?

Não. Vocês têm anjos que operam convosco de acordo com o nível de frequência em que se encontram. O que não quer dizer individualmente; por outras palavras, não quer dizer que terça-feira completem um determinado grau e em vez de receberem a assistência dos Querubins a passem a receber dos Serafins. Na maioria dos casos, os anjos que operam com/ou como guardiães do homem enquadram-se na categoria de arcanjos ou anjos; geralmente o Archi constitui um factor governante das forças angélicas e dos anjos. Eles trabalham no nível físico e na energia do homem.

Pergunta: Como poderemos comunicar com eles ou eles connosco? Como é que nós…?

Cantem a minha música favorita: A meditação é chave relativamente a toda a consciência; sem ela, nada que façam irá funcionar. Fica quieto e escuta, e sabe que Eu Sou Deus. O que significa que fiquem a sós convosco próprios e escutem a voz interior. É aí que entram em contacto com todas as outras coisas.

Pergunta: Quando pratico meditação ou cura, e peço para chegar ao etérico, ao nível etérico, onde se situará isso?

O nível etérico é tudo quanto se move para além desta esfera. Esta é a esfera da solidez; quando se movem pelos poderes terrestres, nos poderes etéricos ou cósmicos, encontram-se no (nível) etérico. Ou seja, situam-se naquilo que não possui forma.

Pergunta: Eu tenho duas perguntas a fazer, por favor, Julian. Uma é onde é que os espíritos guias se enquadram nesse contínuo – os nossos guias espirituais?

Pergunta: Todos terão guias?

Têm, sim. E por regra eles procedem da área deste poder terrestre, o que significa que sejam fornecidos e dirigidos por aquilo que se acha acima deles.

Pergunta: A outra pergunta é se, durante o processo da meditação, ou do autoconhecimento, do divino em nós, se alcançaremos esses ELOHIM, ou se iremos além deles…

Eventualmente.

Pergunta: Ainda ninguém colocou esta pergunta esta noite. Em que dimensão se encontrarão? Será na quinta Dimensão?

Não, não encontram.

Pergunta: Sinto que se a maioria das pessoas (…)

A única dimensão em que vocês obtêm os elogios ou aprovações é esta mesma, a esfera da solidez. O homem contraiu o hábito de fugir disto (Indicando no papel) e de tentar aqui chegar e de deixar isto para trás. O objectivo está em vir cá acima aprender a enfrentar isto aqui em baixo; por vocês crescerem no mundo em que vivem, não no mundo etérico.

Pergunta: Será que o caminho evolutivo do homem inclui passar por essa quarta, quinta e sexta dimensão, ou estaremos em caminhos paralelos?

Em todo o processo evolutivo, vós passais por essas dimensões.

Pergunta: Então, encontramo-nos apenas numa etapa mais baixa?

Não é baixa. São dimensões e não listas de controlo. Vocês encontram-se numa frequência diferente. Se continuarem a pensar em termos de baixo e de elevado, começarão a pensar em termos de julgamento “Estarei a chegar ao que seria suposto chegar?” Entendem? E isso é tudo quanto procuro anular em vós. Em vez disso, pensem que estão numa frequência que está em crescimento. Porque um belo dia poderem entrar no elevador seis ou sete vezes e nem sequer ter ideia de o terem feito.

Quanto menor o ruído que estiver associado a isso, e não me refiro ao ruído dos carros mas ao ruído do convencimento do ego humano, maior a elevação da frequência.

Eu posso dar-lhes um exemplo, sabem: Há muita gente que dirá: “Sabes, eles dizem isto e aquilo, mas não importa. Eu perdoo-lhes. Não tem importância.” Mas, nesse caso, porque razão estarão a suscitar tal coisa? Ainda estão à procura de quem diga, “Sim, foste prejudicado.” Quando forem capazes de esquecer e de perdoar, e não precisarem suscitar isso, estarão a chegar aqui acima. Estarão a alcançar a harmonia dos Querubins, entendem? Portanto, não é uma questão de estarem numa caixa quando estiverem nestes níveis. O objectivo está em criar uma tapeçaria e não escadaria. Uma tapeçaria interage numa unidade perfeita.

[E agora é suposto sentar-me e soltá-la (à médium)? Não, soltar-vos… (Riso) Façamos um intervalo, está bem?] 

(continua) 
Tradução: Amadeu António


eu António

Sem comentários:

Enviar um comentário