terça-feira, 5 de novembro de 2013

AS LEIS SUPERIORES – CARMA, GRAÇA E LIVRE-ARBÍTRIO



Tradução: A. Duarte


John


A lei do Carma consta simplesmente da lei do retorno. Aquilo que adiantais (no sentido de projectar, emitir, agir) voltará a vós. Isso deveria provar ser uma influência libertadora, porquanto cada pensamento que emitis, pelo próprio acto de o pensardes, é, por sua vez julgado, e regressa a vós como Carma somente para obterdes compreensão, e não como uma punição.


Todas as acções têm origem no Carma, mas todas são passíveis de ser alteradas por meio da consciência. O Carma pode ser o factor iniciador de um acontecimento, mas é a consciência que o conduz à sua conclusão. Desse modo, à medida que mais e mais se forem tornando conscientes de vós próprios como um ser harmonioso, ou como uno com Deus, o resultado de acções iniciadas com base no Carma poderá ser completamente diferente do que se vos aceitardes como vítimas do Carma.


O Carma consta simplesmente de acções levadas a cabo em vidas passadas. Quando a alma originalmente encarnou no plano terrestre, foi a partir da ignorância, por terdes esquecido que sois parte do divino. Ao vos preparardes no sentido de vos tornar entidades conscientes, e atravessardes muitas encarnações, as vossas acções foram-se tornando progressivamente mais sofisticadas, progressivamente conscientes.


De acordo com o grau em que vos recordais ser Deus, o temor de Deus constitui o começo da sabedoria. A sabedoria consta unicamente do conhecimento aplicado. Jamais confundam o conhecimento com a verdade. A verdade é simplesmente a de que Deus é amor. Eventualmente, todo o conhecimento que tendes, toda a sabedoria que tendes, todas as acções que praticais, sejam positivas ou negativas, deverão render-se à verdade, de modo a abrangerdes de facto todas as coisas com uma natureza sábia. Porquanto existem muitos caminhos que vos conduzem à verdade, mas jamais confundam o caminho com a própria verdade, por ser a verdade que vos libertará.


Não tenteis tanto erradicar o Carma da vossa existência mas em vez disso tentai transcende-lo e desse modo alterar as circunstâncias da vossa vida pessoal. Muito embora muitas vezes tenham um sentido de predestinação, essa predestinação assenta simplesmente no facto de que todos retornarão à verdade. E quanto mais animarem a verdade na vossa vida, mais vos vereis livres da predestinação do Carma mundano. De modo que o livre-arbítrio se aplica aqui. Não existem acidentes, apenas existe o Carma. Mas o Carma e a compreensão são sinónimos, e se usarem de compreensão, transcenderão o Carma.


É possível ter cidadania noutras esferas da existência. Há quem viaje por entre as esferas – chamais a tais indivíduos “seres espaciais.” Existem inúmeras almas companheiras que outras, que percorrem a jornada física, e que são igualmente vossos irmãos. Por vezes a vossa alma manteve companheirismo nos seus planos, mas na omnipotente sabedoria ou objectividade da alma, sempre regressareis para satisfazer o vosso Carma no ponto em que terá tido origem.


A lei da Graça constitui porventura a mais delicada das leis e é simples na sua prática. A lei da Graça é aquilo que dissolve a lei do Carma. Transcende a lei do Carma. A lei da Graça resume-se ao: “Perdoai as nossas dívidas como nós perdoamos a quem nos deve.” Ou seja – o semelhante atrai o semelhante. Ao perdoardes, o que traduz a lei da Graça também por vossa vez sois vós perdoados, suplantando desse modo a lei do Carma. Porquanto se perdoardes uma acção praticada contra vós, também por sua vez a acção que tiverem praticado contra os outros será perdoada. Aqueles que possuem Graça movem-se suavemente através do plano terreno.


É a alma que cria o corpo físico, e não vice-versa. Porque a alma sempre foi una com o universo e jamais esteve separada dele. Quando a alma opta por projectar a sua consciência no plano terreno, criou-vos como um ser submetido à lei. Mas vós não fostes feitos para vos submeterdes à lei, por terdes vindo cumprir a lei – e essa lei é a lei da Graça, (NT: Também conhecida por Dharma) a lei do Carma.


Por vezes sentis ter um Carma positivo ou negativo. O Carma positivo ou bom concede-vos uma enorme liberdade em que não precisais lutar com as questões do ego. O Carma negativo prende-vos junto aos problemas do ego, por vos levar a examinar-vos e a ter uma fraca auto-estima. É o vínculo que tendes com o ego que cria a circunstância do Carma positivo ou negativo. Assim, pois, eliminai o ego e ver-vos-eis, pois, livres para servir, livres para vos amardes uns aos outros. Por isso constituir verdadeiramente o amor incondicional que brota eternamente e que molda as fundações do vosso próprio ser. E então, de facto tornais-vos um com Deus e encontrar-vos-eis no mundo mas não lhe pertencereis.


O livre-arbítrio constitui a individualidade que vos caracteriza no espírito, de modo que, a unidade do espírito sempre existiu convosco, mesmo enquanto alma individual. Porquanto a alma não passa da individualidade que vos caracteriza no espírito, e o livre-arbítrio representar a capacidade de serem livres nesse espírito. Em última análise o livre-arbítrio significa ter liberdade em conformidade com a vontade do Pai, (…) por obterem a vossa máxima liberdade no contexto de tal vontade. Isso não representa tanto a capacidade de escolher entre várias direcções diferentes, mas mais liberdade no sentido da vontade de Deus, o qual é completa harmonia com todas as coisas. 


A vontade divina é a revelação que deveis aplicar a vós próprios no sentido do uno e da unidade com o todo. A vontade limitada, ou a vontade da mente, constitui porventura apenas a direcção do curso que definis para a expressão da vossa vida, tal como ocupação e dieta rumo ao que aplicais a vossa vontade. Esses são simplesmente os instrumentos, ao passo que o mestre que utiliza os instrumentos é a vontade divina.


Tom MacPherson


O Carma consta unicamente de acções que exercestes em vidas passadas. Tal como os acontecimentos da vossa infância moldam a vossa vida adulta, as actividades que pusestes em acção em vidas passadas moldam os acontecimentos mais abrangentes ou circunstâncias desta vida. Por conseguinte, elas têm sentido. Mas vós não vos encontrais aqui para trabalhar o Carma que tendes. Se alguma coisa, podeis transcender o vosso Carma tornando-vos numa pessoa amável. É isso o que significa “perdoa-nos as nossas faltas assim como perdoamos a quem nos ofendeu.” Não vos encontrais aqui para esgotar o vosso Carma, estais aqui para ser seres amáveis, e, se alguma coisa, para transcender o Carma que tiverdes.


A roda do Carma consta da ideia de precisardes percorrer os ciclos da reincarnação devido às acções que tiverdes tido em vidas passadas. A maneira por que rompereis a roda do Carma é fazendo rolar a roda do Dharma. A roda do Dharma é a roda que gira 360 graus sem realmente virar. É o símbolo da derradeira libertação, por poderdes operar em todas as direcções por meio do serviço. Podeis romper a roda do Carma, ou os ciclos da encarnação, refinando o serviço espiritual que ofereceis e fazendo-o bem. Mas o serviço espiritual não quer dizer que vos torneis obrigatoriamente padres ou freiras. (Caso quisesse dizer, não creio que alguma vez o tivesse conseguido.) Significa espiritualizar os vossos objectivos. Significa isolar os talentos que possuís e praticá-los bem, e ser basicamente uma pessoa amável.


No espírito nós possuímos uma perspectiva mais alargada, mas na realidade, aprendemos por intermédio de vós. Não existe realmente nenhuma forma de vos livrardes do Carma contraído no plano terreno, entendem, a menos que possuam um corpo físico. O Carma contraído no plano terreno geralmente pode ser livrado unicamente no plano terreno. Assim, pela observação das vossas acções enquanto pessoas fisicamente encarnadas, também podeis queimar Carma.


Criminosos e assassinos por vezes regressam para serem eles próprios assassinados, ou porventura para se tornarem santos. Por exemplo, Moisés foi um homicida. Creio que ele tenha morto num acto de autodefesa, mas ainda assim foi um homicida. Ele espancou até à morte o companheiro com base na fúria, o que não representou exactamente a mais ética as decisões. Mas prosseguiu até se tornar num grande intelecto, num grande legislador, e é considerado um santo por muita gente. De modo que, basicamente, tendes muitas hipóteses. O vosso Carma representa o vosso sistema de juízo. Mas existe justiça.


Existe uma enorme escassez por entre aqueles (fariseus) que andam de nariz erguido e dizem, em relação àqueles que morrem de fome na Etiópia: “É o Carma deles,” por a deles ser uma fome de espírito, a qual representa uma fome ainda mais profunda.

Encontrais-vos aqui para transcender o vosso Carma tornando-vos divinos. E Deus é amor.

O UNIVERSO FÍSICO E SUAS LEIS




Tradução: A. Duarte


John


No início existia somente consciência pura e material grosseiro, ou matéria. Era a consciência perfeita que observava e penetrava a matéria perfeita através de um processo de psicocinese, que deu origem ao começo do presentemente existente universo físico conhecido.


A origem do planeta foi uma criação dos trabalhos do Pai, por meio do uso daquelas substâncias que designais por “leis da física”. Pois do mesmo jeito que tendes o vosso metabolismo, também as leis da física constituem o metabolismo de Deus na forma física. E assim como dispondes de escolha consciente quanto ao nascimento das crianças, também por sua vez se deu no caso da criação do universo que Deus levou a cabo. Era desejo do pai provocar o movimento no plano físico, de modo a conferir à existência tridimensional expressão pessoal.


No começo era a palavra. Porque o universo, na versão dos níveis do pensamento, consta de percepção. Todas as coisas que governam o vosso universo físico se acham em harmonia com aquelas coisas que ainda permanecem invisíveis. Porquanto da mesma forma que é dito que Deus é uma força invisível, também por sua vez se passa o mesmo com o universo, por a decisivas percepções do universo precisarem desdobrar-se de um estado de percepção.

Aquelas coisas que em última análise governam as leis do vosso universo físico não se acham tanto além da percepção mas além dos limites físicos deste universo físico, daí que ainda permaneçam incomensuráveis.


O critério conclusivo da realidade que tendes neste universo é aquilo que determinais como velocidade da luz. Mas existem forças que vão além da velocidade da luz. Não é que vos encontreis limitados à velocidade da luz, mas mais o facto de não conseguirdes perceber para além dela, pois como a capacidade de observar que tendes depende da velocidade da luz, ou da própria luz, não conseguis observar aquelas coisas que residem para além dela.


A luz é um subproduto, mas um agente activador de forças naturais no vosso universo conhecido. Frequentemente o homem percebe a luz como um subproduto da actividade ao nível atómico. O que está errado. A luz em si mesma é o activador de todas as formas de actividade, com excepção da força primária, que governa a sua própria natureza. Os buracos negros constituem o ponto focal de onde tais actividades prosseguem por diante, ou a luz procede do vosso sol, ou é elaborada a partir do vosso sol pela força maior do buraco negro. Os buracos negros constituem um ponto focal para o padrão daquelas coisas que viajam mais rápido do que a luz, assim como da própria luz.


Partículas que vijam muito além do alcance da luz foram designadas, desde tempos imemoriais, como “éteres”, ou as forças invisíveis, por serem literalmente invisíveis. Constituem um padrão que viaja num estado isento de atrito. Por isso, as qualidades peculiares à própria luz, tais como a particularidade de viajar por ondas, mantendo apesar de tudo, a aparência de partículas, não podem ser observadas por vós, por não possuírem qualquer instrumento nesta altura que as perceba e por terem um breve período de vida no contínuo do vosso tempo/espaço.


Essas forças que são instantâneas e que ultrapassam a velocidade da luz, aproximam-se daquilo que podereis designar por “velocidade do pensamento”. Assim como conseguis recordar instantaneamente uma década ou um milhar de anos passados, também por sua vez é o pensamento instantâneo, e como tal encontra-se além da bitola ou parâmetro que designais por “luz”. Não viaja ao longo das curvaturas normais do tempo e do espaço. A ciência de designais por “radiônica” será porventura o que mais próximo chegará da compreensão e documentação dessas coisas.


O universo consiste num sistema de cálculo, e consiste no perfeito equilíbrio patente entre todas as coisas. Aquelas partículas que viajam além da velocidade da luz num estado de completa ausência de fricção constituem formas refinadas de energia. Tais partículas viajam não tanto por ondas mas num padrão específico. Assim, o universo não se acha limitado à massa que actualmente percebeis, mas existem outros níveis de massa que trazem equilíbrio ao sistema como um todo.


O universo constitui o “corpo físico” de Deus. Do mesmo modo que possuís uma alma e um espírito, também por seu turno existe o espírito de Deus. A criação física do universo destinou-se à expressão pessoal, de modo que, para compreenderem o universo, deveis voltar-vos para dentro para vos começardes a compreender. O universo não representa nenhum sistema caótico de energias em interacção umas com as outras, e a moldar as coisas por sua própria iniciativa. Existe harmonia no universo, por Deus ser amor e o amor consistir em harmonia.


Essas actividades não são tão moldadas pelas leis que governam a luz - por a velocidade da luz não passar do parâmetro por que este universo físico é medido – elas são moldadas pelo espírito dentro de vós. Por existirem aquelas coisas que viajam além da velocidade da luz e que vos moldam as actividades neste plano, mas como viajam num estado isento de fricção, elas permanecem até agora invisíveis a vós. Acham-se de tal modo interligadas às vossas actividades, que ainda precisais detectá-las. Ainda percebeis com base nos níveis da velocidade da luz e continuais a dar crédito à ideia da existência de coisa tal como tempo e espaço.


O tempo é simplesmente o modo que Deus encontra de impedir que todos os acontecimentos transpirem a uma só vez. O tempo em si mesmo faz parte do processo consciente e é eliminado quando recordais acontecimentos da infância instantaneamente. Então, se retirarem algum discernimento ou algum prognóstico dessa memória, podereis utilizar essas energias para vos alterardes no presente. Nós diríamos que a própria superação da ilusão do tempo e do espaço é sinónimo de evolução espiritual, por Deus não conhecer nem tempo nem espaço.


Tal como vós descobristes existir uma ligação o homem e os raios do sol, também por vosso lado haveis de descobrir possuir uma ligação com todas as forças universais. O homem tem falado muitas vezes da mente de Deus como a alma, por a alma ser imortal e constituir o âmago do vosso próprio ser. Quando ela abandona o corpo físico, o corpo fica inactivo. Não se trata de cada um de vós constituir uma criatura biológica dependente do plano terreno e das suas acções e forças recíprocas. Tanto mais que, cada um de vós é uma alma, e cada um de vós representa um zelador de forças universais. Até mesmo quando vos projectais, nos vossos estados do sonho, nos domínios astrais e nos níveis da alma que residem além dos próprios planos de Deus, também por sua vez precisais vós entender o corpo físico como o veículo da alma, assim como a projecção das vossas energias nas extensões e acções recíprocas que a vossa mente exerce sobre os níveis universais.


Cada um de vós representa uma sombra na superfície do universo, por o universo possuir o próprio sistema de pensamento, a sua própria consciência, e cada um de vós representar uma projecção nela.


No vosso universo físico existem muitas formas de vida. A vida não representa tanto uma função biológica mas padrões contínuos específicos de inteligência. Essas coisas manifestaram-se, em parte, noutros planos de existência assim como planos físicos e sistemas solares semelhantes. Existem não só outras formas de vida biológica, como existem outros padrões de existência em que os seres não passam de estados de energia pura.


Todas as formas de vida biológica constituem um ponto de actividade conhecido como “inteligência”. A inteligência não passa de um padrão de energia que é completamente autónomo e se mantém na sua contínua forma de percepção. Por conseguinte, toda a forma de vida constitui apenas um nível de percepção tida sobre um plano específico de existência. Existem outros sistemas solares bastante semelhantes ao vosso, dotados e formas humanóides.


Na realidade existem seres provenientes de outras galáxias que monitorizam os vossos avanços tecnológicos. Eles não desejam tanto pôr o vosso planeta de quarentena, tanto mais que desejam ver que alinheis as vossas tecnologias pelos valores espirituais e por um respeito por todos os seres. Porquanto, se não conseguirdes nem sequer respeitar o vosso planeta, como vos poderão confiar as próprias estrelas?


Muitas aterrissagens foram já vistas por indivíduos privados que fizeram da comunicação das experiências por que passaram a missão das suas vidas. Essa informação foi sistematicamente suprimida pelo vosso governo, mas muitos documentos estão agora a começar a ser libertados. Eles crescem e mingam de acordo com a consciência de cada país. Essas coisas ocorrem em parte para livrar o ego do homem da percepção que tem dele próprio como o único ser inteligente do universo.


A harmonia, e não o caos, é o que governa o vosso universo. O universo constitui o corpo físico de Deus em que Ele se revela a vós sempre e de forma contínua. Desde a mais diminuta das partículas às grandes baleias que habitam os vossos mares, todas essas coisas são interdependentes umas das outras, num estado de harmonia. Todas essas coisas vos ligam e vos tornam num todo. E é essa energia UNA, o amor e a harmonia que representam a verdadeira natureza de Deus, que vos conferem o sentido de propósito, de bem-estar, e de paz que tendes na permanência temporária do plano terreno.