quinta-feira, 11 de abril de 2013

CARÁCTER



Transcrição, tradução e retracto da autoria de Amadeu António
(Excerto de Dignidade Pessoal e Autoestima)

O vosso carácter representa uma peça-chave importante da vossa autoestima.
O respeito próprio constitui uma avaliação do vosso carácter. Que coisa será o carácter? O carácter é composto de vários componentes, o primeiro dos quais são os ideais, ou ideal no singular; não ideias mas os ideais que tendes. Aquelas essências, aquelas energias, aquelas coisas que buscais com conhecimento de jamais chegardes a conseguir na totalidade. A honestidade é um ideal, a verdade é outro ideal, a criatividade é um ideal, o amor incondicional é um ideal – algo que podeis buscar e perseguir e por que podeis expandir-vos, com noção plena de jamais o alcançardes na totalidade; compreendeis pedaços e partes e obtendes uma maior compreensão disso mas jamais chegareis a obter isso na totalidade. Mas ainda assim buscais isso. Um ideal é algo por que vos expandis, algo que tentais entender, algo que tentais alcançar com consciência de jamais chegardes a alcançar, mas em função do que vos tornareis mais, por vos expandirdes. Amor incondicional é algo que na forma física jamais chegareis a realizar, mas por tentardes compreendê-lo e obtê-lo, tornais-vos em mais dele; vós tornais-vos mais.

Os ideais são uma coisa importante de ter, porque com esses ideais estabeleceis determinados princípios, certos limites, certas coisas que fareis e certas coisas que deixareis de fazer; certos níveis abaixo dos quais não afundareis e certas actividades além das quais não tomareis parte.

Princípios – os limites positivos da vossa identidade.

O carácter? Constitui a frequência com que implementais os princípios que tendes. A pessoa que tenha carácter, é capaz de identificar princípios, é capaz de definir princípios e de aderir a eles; de reger a sua vida por eles. É capaz de funcionar dentro dos seus limites. Uma pessoa dotada de um fraco carácter, pode ou não identificar princípios, pode ou não ser capaz de definir princípios, e quer os defina ou não, muito poucas vezes os aplicará. Uma pessoa sem carácter, pode ter ideais e princípios mas nunca chega a aplicá-los. 

Obviamente se não tiverdes definido os vossos ideais e configurado os vossos princípios, muita dificuldade tereis em estimar, avaliar, fazer uma apreciação do carácter que tendes. Mas fazeis isso de qualquer modo. Isso representa a base da vossa estima.

Princípios – posso defender o ideal de amar de uma forma incondicional, e posso defender o princípio da honestidade, e posso defender o princípio da gentileza, e o princípio do jogo limpo ou da justiça, ou o princípio da comunicação, ou um princípio relativo à intimidade, porém, se jamais aplicar esses princípios, e disser a verdade apenas somente quando for conveniente, e se só for honesto quando for em minha própria vantagem, e somente mostrar interesse e quando alguém estiver a assistir, e só me mostrar íntimo quando isso se presta às minhas necessidades particulares, e se só me abrir à divulgação quando isso se mostrar favorável, poderei ter ideais belos e sublimes, podereis defender princípios belos e sublimes mas não terei qualquer carácter. Terei falta de carácter.

A avaliação do carácter que tendes é um ingrediente do respeito próprio que tendes. E no vosso mundo político de hoje, uma das linhas de fundo desta campanha presidencial, se é que chega a ser tal coisa! – assenta no: “Onde é que pára o carácter? (Riso) Tendes muitos políticos que professam ideais, que podem prevalecer ou mudar com frequência diária, mas pelo menos que defendem ideais, e eles falam desses princípios que defendem, mas em que medida os implementam? Não existe uma liderança clara, não existe um carisma evidente. É uma campanha de carácter, e vós estais a criar a realidade dela, por ser altura de VÓS olhardes pelo VOSSO carácter. E pelo VOSSO próprio apreço.
Neste fim-de-semana vamos lidar com os poderes ocultos; já falamos dos poderes manifestos, dos poderes secretos, dos poderes subtis; vamos tratar dos poderes ocultos, e desta vez vamos tratar em profundidade dessa questão do carácter, mas na falta de melhor, vamos avaliar, estimar, fazer um cálculo desses ideais e princípios, assim como da frequência da aplicação desses ideais e princípios, o que representa uma das bases primordiais da vossa autoestima.
...
O carácter – carácter humano, carácter individual, e o carácter de uma nação – é determinado pelos ideais sustentados. Os ideais são aqueles desejos que buscamos com conhecimento de: “Jamais o alcançarei por completo, mas serei uma pessoa melhor por o tentar." Existem ideais de amor, de verdade, de honestidade, de cura e de ascensão ao mais elevado nível da consciência. Existem ideais de dignidade e de valor humano, de liberdade humana e de determinação pessoal. A esses ideais associais princípios, as linhas mestras pelas quais vos regeis. Possuís princípios, mas é a aderência a eles que cria o carácter. Se defenderdes o princípio de sempre dizer a verdade, à excepção de jamais o fazerdes quando vos convém, então faltar-vos-á carácter. 

Os ideais do Ocidente lidam com os direitos e as liberdades humanas, os direitos do indivíduo de escolher e de se governar a si mesmo. E comprometestes-vos a defender esses princípios sempre que fossem postos em questão. Muitos dizem que vos encontrais situados na Arábia Saudita e no Kuwait para defender esses ideais, mas isso simplesmente não é verdade. Essas não são nações que honrem os direitos humanos, as liberdades, nem o estado da dignidade humana (em especial no caso das mulheres) como vós fazeis. Eles não permitem formas de governo eleitas em liberdade, a liberdade de decisão, nem a liberdade de expressão. Dizer que estais lá para defender a democracia e os direitos humanos simplesmente não corresponde à verdade. Tendes ideais e princípios, mas não aderis a eles. O resultado é uma crise de carácter.

Não estamos a defender que não deveríeis estar lá. De facto a situação mundial encontra-se em tal estado que precisais estar lá. Estamos a dizer que permanecer lá pelas razões erradas constitui uma Crise de Carácter. Estar lá pelas razões adequadas constituiria a resolução dessa crise.