segunda-feira, 20 de agosto de 2012

O ESTADO DO SONHAR




Tradução: Amadeu Duarte


JOHN


O estado de maior sensibilidade que todo indivíduo possui, é o estado do sonhar. Vós praticais esse estado de cada vez que adormeceis, pelo que se encontra junto a vós o tempo todo. O vosso desabrochar psíquico pode começar se mantiverdes um diário dos sonhos que tendes.


Eis aqui a sugestão de um exercício. Seleccionai um elemento de informação que desejeis conhecer, talvez um evento antes de se verificar, ou o resultado de um conjunto específico de circunstâncias. Expressai o desejo que tendes relativamente a essa informação, repetindo-o três vezes. Meditai nas circunstâncias, dando a vós próprios instruções, novamente por três vezes de que, imediatamente após receberdes a informação no estado de sonho acordareis e de que sereis capazes de anotar essa informação no diário. A seguir, avançai para o estado de sono.


O estado do sonho geralmente é precedido pelo agrupamento de muitos símbolos. Alguns desses símbolos são-vos pessoais, mas outros são universais – tais como o do Ankh (Cruz Ansata empregue no antigo Egipto), a serpente, várias formas geométricas, estruturas piramidais, e a cruz cristã. Todos esses são símbolos universais e geralmente têm aplicações universais. Por exemplo, a água geralmente simboliza a própria vida, tal como no caso das “águas da vida”. Um enorme caudal de água pode significar que ides deparar-vos com muitos indivíduos. Um pequeno caudal ou volume de água pode indicar um conjunto pessoal de circunstâncias que se tornará de imediato relevante para vós.


Frequentemente, as pessoas sonham com automóveis. Eles simbolizam-vos a vós e ao condicionamento em que vos encontrais. Se o veículo se encontrar num estado que denote precisar de reparo, isso pode reflectir o estado da vossa própria personalidade. A cor do veículo pode fornecer certas pistas psicológicas quanto ao vosso funcionamento pessoal. Por exemplo, um veículo vermelho pode ter que ver com sentimento de raiva oculto. O azul pode ter que ver com a necessidade de cura.


As estruturas de habitação são frequentemente usadas para representar o ser (Eu) nos sonhos. Situações de aprendizagem tanto podem significar que possuís informação a transmitir como informação a receber, para o vosso próprio crescimento ou crescimento de outros.


Os sonhos de natureza desagradável, ou pesadelos, conforme os designais, na realidade são positivos, e não exercem necessariamente um impacto negativo nem vos auguram propriamente nenhum mau presságio. Mais do que isso, representam uma purificação da mente subconsciente – devido ao facto de terdes a tendência para recordar de uma forma mais gráfica aquelas coisas que temeis. A limpeza da mente subconsciente prepara-vos para fluxos mais positivos de informação proveniente dos planos conscientes ou da actividade inconsciente do estado do sonho.


Após um período de expressão através de símbolos, o estado do sonho entra em áreas de uma maior clareza, em que os acontecimentos adoptam uma aparência mais literal. E de facto, isso deve-se ao facto dos acontecimentos serem bastante literais. Porque nesse caso sintonizais com os níveis do plano astral, que são tão reais quanto os do próprio plano terreno. Frequentemente as cores apresentam uma certa vivacidade, ainda maior do que a vivacidade deste plano. Frequentemente dá-se uma retenção da memória das viagens astrais. Projecções de indivíduos que parecem pertencer a culturas passadas podem representar guias e mestres com quem tereis contacto nos níveis supraconscientes.



TOM MACPHERSON


O estado sonho constitui uma dimensão. Em determinado grau, ele reflecte as perambulações mundanas das ansiedades subconscientes do dia. Mas constitui literalmente uma dimensão por aceder a um maior grau de recordação, ou mente, ou de memória, que existe independentemente do corpo físico. A seguir sujeita-se efectivamente a um ciclo que percorre o corpo de modo a poder focar-se no presente. Podeis chamar-lhe uma “dimensão da mente”.


O Eu Superior, ou supraconsciente, (espírito) assemelha-se a uma roda que se encontra constantemente a girar. É a energia causal. Ele entra na mente subconsciente através das anatomias subtis e a seguir penetra um ciclo que percorre ao longo do corpo físico como a força da vida. Depois vem ao de cima e aproxima-se dos domínios do consciente. Rompe o que quer que não se encontre espiritualizado ou que esteja bloqueado no corpo físico e arrasta-o até ao estado do sonho.


O vosso sonho, pois, torna-se numa série de símbolos de energia activada de modo a conseguirdes reter a informação conscientemente a partir do subconsciente, o qual constitui o corpo físico. Portanto, se analisardes os sonhos que tendes, ou se receberdes imagens por meio da hipnose ou da meditação, estais a abrir-vos a esse processo, que é contínuo.

Para realçardes o estado de sonho eu geralmente sugiro pickles e cebola, por que se caso não surgir nenhum sonho, alguma outra coisa deverá provocar! Não, estou a dizer isso em tom de brincadeira. Mas existem certas medidas dietéticas que podemos sugerir. Uma alteração da dieta que passe a consistir largamente de frutas frescas conduziria à promoção de um maior estado de sonho. Por exemplo, se fizésseis um jejum à base de sumos de fruta durante vinte e quatro horas, isso aumentaria o estado do sonho.


Sumo de laranja cerca de uma hora antes de adormecerdes, constitui um maravilhoso estimulante para o estado do sonho por ser rico em açúcar natural. Isso estimula os tecidos musculares num grau tão ligeiro que os tecidos neurológicos ainda são capazes de repousar. Esses tecidos assemelham-se bastante aos neurónios existentes no cérebro, que constituem os bancos principais da consciência onde o estado do sonho é armazenado. Na realidade, eu podia ter conseguido uma pequena fortuna com o segredo de desactivar o estado do sonho. Podia ter cobrado um penny pelo segredo de o activar e em seguida exigir o resgate de um rei para o desactivar. Mas vou-vos dizer-lo de graça – o modo de desactivar os sonhos é comendo grãos. Por isso, a dieta pode estimular definitivamente o estado do sonho.


O modo como funciona é que com os tecidos neurológicos em repouso e os tecidos musculares ligeiramente estimulados, é libertado material onírico que vem ao de cima e é amplificado por intermédio dos tecidos neurológicos. E vós despertais com uma recordação clara, devido a que os tecidos neurológicos não mais se encontrem exaustos. A seguir, ao acordares, anotai as imagens que tiverdes obtido num caderno de sonhos e meditai nelas. Não as analiseis, mas meditai nelas.

Ainda que o significado do sonho que tiverdes tido não se torne de imediato evidente, mantende um registo dele no vosso diário de sonhos. Tanto podereis meditar nele até que os símbolos de tornem claros, como podeis afastá-los e voltar mais tarde a ele. Mas preservai sempre os sonhos como uma recordação e colocai-os numa prateleira até que se torne apropriado. Frequentemente os símbolos racham ou fendem mesmo antes de precisardes da informação. Eles assemelham-se a ovos – uma coisa em que precisais sentar-vos durante um tempo.


Se não conseguirdes recordar os eventos do sonho, tentai seguir as sensações ou sentimentos. Anotai o que sentistes. Descobrireis que eles se assemelham a linhas finas por meio do que conseguires “fisgar o peixe inteiro,” ou a “pescaria da noite,” por assim dizer. É como lançar a mente consciente, à semelhança de uma rede, na direcção do subconsciente e ver o que conseguis pescar. E os sentimentos ou sensações constituem as linhas por meio das quais puxareis a carga toda.


O hemisfério direito do cérebro acha-se um tanto envolvido no processo de recordação assim como no do registo dos sonhos, mas ocasionalmente, sente-se desagradado e tenta analisar tudo no terreno. Se deixardes que ele analise, eventualmente ficará exausto, passará tudo para o hemisfério direito do cérebro, e dirá: “Aqui está, digere lá um pouco essa maldita coisa.” Aí, a informação virá ao de cima.


Tudo quanto é suprimido é armazenado na mente subconsciente. Na realidade, os sonhos são todos neutros – é a vossa mente consciente quem escolhe colocar-lhes uma carga emocional. Se chegardes a perceber que os sonhos são apenas o esvaziamento do subconsciente, percebereis que, embora um sonho particular pudesse assumir uma forma mais agradável, ele está apenas a purgar o vosso subconsciente ao fazer com que suba ao nível consciente e ao libertar as imagens. Dessa forma obtereis uma maior clareza em relação ao processo do sonho, em vez de rejeitar as imagens e voltar a suprimi-las. Por outras palavras, o próprio valor que comporta é o de que ao tê-lo sonhado, podeis libertá-lo. 


A maioria dos sonhos relacionados com a morte são apenas eventos transitórios na vossa vida. A morte acompanha-vos a cada dia. Na realidade, a morte não existe mesmo – apenas transições de um estado de consciência para o seguinte. A maioria dos sonhos relacionados com a passagem significa unicamente que tereis completado uma fase do vosso trabalho. Não querem dizer que o vosso relógio esteja na iminência de deixar de dar as badaladas.

  

ATUN-RE


Os sonhos procuram suscitar compreensão em vós, por permanecerem suspensos entre o corpo físico, ou mente subconsciente, e a mente consciente. Ao virem ao de cima para se tornarem parte da vossa mente e serem percebidos e se tornarem uma parte consciente de vós, eles produzem compreensão, e compreensão e conhecimento são as chaves do poder. O poder não constitui a capacidade de mudar as coisas, mas a capacidade de as mover com suavidade e sem problemas, de forma a suscitardes harmonia, e por isso mesmo vantagem, para a posição que ocupais na vida.


No estado de sonho passais através dos diversos níveis a que chamais Beta, Alfa, e Teta e recordais os eventos de vidas passadas (as recordações derradeiras que se acham alojadas no subconsciente). À medida que essas coisas se movem para a mente consciente, a mente não deseja reter parte delas, pelo que começa a esquecer. E essas recordações esquecidas tornam-se emoções, por serem as coisas que temeis. Perguntais: “Que será que eu estou a sentir?” “Algo está a incomodar-me.” “Sinto medo de algo – que será?” Mas, se meditardes na emoção básica, podereis desbloqueá-la e traze-la a cima junto da percepção consciente, e ver que talvez estejais a reagir a uma vida passada. Então rastreais o medo que sentis de espaços fechados até uma encarnação anterior; e por terdes compreendido, libertais-vos, e sentis-vos livres.


Cada aspecto do vosso sonho aponta um elemento qualquer do vosso ser, ou a forma como interagis com outra pessoa, mas ainda vos reflecte a vós. Por isso, examinais cada objecto ou cada símbolo, e vedes como lhe reagis. Meditai em cada símbolo e quebrai-o como fazeis a um ovo, até conseguirem ver o conteúdo que apresenta.


Quando encadeais memórias que não se articulam com a experiência imediata que fazeis, chamais a isso sonhos. Todos os aspectos da consciência se tornam vida como um sonho. Do mesmo modo que interpretais os vossos sonhos para lhes dar significado, tentai interpretar cada detalhe que vos chegue pelo processo da recordação, por isso representar o sonhar consciente. É o sonhar lúcido, por vos sonhardes uns aos outros.


Sem comentários:

Enviar um comentário