domingo, 3 de julho de 2011

CRIAÇÃO DA REALIDADE POR INTERMÉDIO DAS EXPECTATIVAS





Canalizado por Serge J. Grandbois 
Transcrito por Marcy Singer (Arindel)
Traduzido por Amadeu Duarte 
Gravado em Toronto, Canadá, 07 de Julho de 2003 
© Copyright 2005 Avion Rising Inc. 

 
KRIS: Bom, estamos certos de que as discussões da semana passada vos espevitaram a curiosidade. E de que estais cheios de interrogações, não só com relação às chamadas vidas passadas, como, possivelmente, poderem sentir-se bastante curiosos com relação a saber como as coisas acontecem, por que razão acontecem, o que faz com que elas aconteçam e assim por diante. 

 
Por outras palavras, qual será a natureza da existência? Este não é o tipo de questões que possam necessariamente ser respondidas em cinco minutos ou menos porquanto existe uma grande diferença entre a vida em geral e a vossa experiência particular, a vossa experiência privada, pessoal e subjectiva dessa mesma vida, quer em si quer por si mesma. 

 
E é justamente aí onde esperamos que aqueles que reclamam por clareza com relação a essa questão  se depararão com pensamentos no âmbito das questões dessa natureza. Entendem? 

 
PERGUNTA: Que os indivíduos se encontrarão? 

 
KRIS: Eles hão de se encontrar justamente nesse tipo de âmbito mental em que começam a formular indagações. De facto não existem respostas rápidas para estas coisas, porém, se escutarem e questionarem cuidadosamente, por meio da introspecção, tornar-se-á realmente possível obter um entendimento mais claro de como a vida se processa, acima e para além da informação que vos foi transmitida pelos vossos pais, pelo vosso ambiente, pelos vossos métodos, educação, e por meio das vossas ciências tal qual elas são. Porque todos esses factores procuram transmitir-vos uma interpretação da vida nos seus próprios termos os quais podem realmente não satisfazer a vossa necessidade de entendimento com relação àquilo de que trata a vida. 
 

E depois de termos falado tanto poderíamos conjecturar a coisa do seguinte modo: A vida é a projecção, a manifestação ou réplica física das vossas esperanças, dos vossos sonhos, das vossas aspirações, expectativas, atitudes, convicções, dos vossos humores, sentimentos e emoções sob a forma de eventos, condições e circunstâncias tridimensionais.  

 
Todos estes factores que formam a realidade tridimensional constituem experiências completamente subjectivas. Têm que ver com o íntimo do indivíduo e esses aspectos são depois usados para criar as circunstâncias e as condições da vossa vida, tal qual a conhecem. Por outras palavras, os vossos pensamentos produzem as coisas. A existência tem início e é transformada aqui dentro, (provavelmente Kris aponta a cabeça) profundamente dentro da mente. Vocês criam as vossas condições particulares em detalhes minuciosos e fazem-no com mais do que as meras percepções conscientes que têm de vós próprios. Vocês utilizam os vastos reservatórios dos poderes pessoais subconscientes à vossa disposição.  


E o ingrediente chave é aquilo que vocês esperam desta vida. Na verdade, as vossas expectativas, mais do que qualquer outra coisa, é o que filtra e dá colorido à realidade, nas vossas condições. 

 
PERGUNTA: Como é que eu penso de forma positiva e por vezes resulta em negatividade? 

 
KRIS: Tem que ver com o que esperas da vida, tanto exteriormente como da TUA própria vida. Por exemplo, sem dúvida nenhuma muitas pessoas planeiam tudo para se deslocarem com toda a facilidade a uma outra lugar. E então quando chegam ao seu novo destino de repente experimentam que o telefone e a televisão por cabo que reservaram estão de algum modo numa conveniente confusão. E aí dizem: “ Isto já era de esperar. Eu tinha a certeza de que a TV e o telefone estariam completamente lixados.” E podes pensar que é somente uma expressão padrão ou uma maneira de dizer mas não é. Entendes a coisa? 

 
Podes ir às compras a contar que aquilo de que mais precisas não se encontrará na prateleira. Vocês chamam a isso a Lei de Murphy: " Claro que eu precisava desse artigo e eles não o têm ". Estes podem parecer casos muito insignificantes, mas nós utilizámo-los somente a título de exemplo; quiçá sejam até bastante rudes. Mas torna-se factor determinante perceber aquilo que vocês esperam - não o que vocês pensam - justamente quando sustentam determinada expectativa, porque aquilo que vocês esperam possui de longe muito mais poder, e acha-se mais profundamente arraigado no vosso ser do que podem pensar. Porque, se tudo aquilo que vocês sempre pensam ocorresse, vocês estariam numa confusão, não seria mesmo? 

 
Agradeçam aos céus por ser assim! O que é importante é o que vocês esperam porque isso contém qualidades adicionais. Existe uma carga significativa no que vocês esperam e de variados modos as vossas próprias estruturas sobre o mundo inteiro, todos os métodos estabelecidos no vosso mundo, de um modo ou outro são estruturados na esperança de que eles poderão influenciar as vossas expectativas. E isto não é reconhecido conscientemente. Mas o poder ainda assim reside aí. 

 
E quando vocês esperam que a vida não passe dum jogo ridículo de desafios que se repetem vezes sem conta, e a cada vez encontram níveis mais difíceis de desafios à medida que se vão tornando mais velhos, a coisa mais se parece com uma profecia que se realiza por si mesma. Não é mesmo? Porque esperam que os eventos da próxima semana só trarão mais desafios.  

 
Por que não, ao invés, esperar que os eventos da próxima semana tragam paz mental, alegria, criatividade ou qualquer outra coisa que escolham duma natureza positiva?  

 
Numa escala mais ampla, o género humano espera que, de algum modo, contenha uma falha duma tal magnitude que pode muito bem vir a provocar a aniquilação da humanidade. E isso é realmente uma expectativa horrorosa de se sustentar porque aquilo que vocês esperam, a própria natureza das vossas expectativas actuam literalmente como um filtro e um amplificador, filtrando simultaneamente todas as outras coisas e aumentando a própria coisa que vocês esperam de vós ou do vosso semelhante, irmãos e irmãs. 


Assim, aquilo com que vocês verdadeiramente contam exerce influência naquilo da vossa vida com que vos deparais. E alguns indivíduos têm nisso um papel de escolha. Podem decidir tratar-se realmente dum desafio insuperável, resignando-se assim a uma vida plena de expectativas negativas e resultados por ausência de escolha. Outros tomam súbita consciência, a luz acende-se-lhes e exclamam: " Bom, se a minha vida, conforme a concebo e nos moldes em que virá a manifestar-se é um resultado do que dela espero, então realmente eu tratarei de mudar a natureza das minhas expectativas, de modo que a vida conforme a virei a manifestar mude de forma adequada ". 

 
E isso é igualmente uma expectativa: " Eu espero que a minha existência venha a ser enriquecida de muitas formas porque isso reflectir-se-á subsequentemente e revelará os resultados das minhas expectativas ".

 
PERGUNTA: Eu sempre pensei que o que pensamos é o que se manifesta, mas afinal é o que esperamos. 
 

KRIS: Pois é. Alguns interpretam isso a uma luz bastante diferente. Tornam-se amedrontados até mesmo com relação ao chamado pensamento negativo ou ao mais leve sentimento negativo que eles constantemente controlam por temerem que possam experimentar a ruína e o caos se não andarem sempre contentes. Mas a vida não é dada a tais extremos. 
 

Mais uma vez, esse é o resultado das suas expectativas - que a aparentemente mais diminuta situação negativa venha a subjugá-los e a sufoca-los e os possa destruir devido a que contem que a negatividade possa ser tão forte que devam resguardar-se dela a todo custo. Desse modo eles expõem-se ao fracasso - e que outra coisa poderão experimentar que aquilo com que já contavam? 

 
Porém, se criassem expectativas de alegria, amor, amizade, enriquecimento, criatividade, desenvoltura, paz interior...

 
PERGUNTA: Muito interessante. 
 

KRIS: É verdade. Assim, todo o mundo sairia grandemente beneficiado se criasse nas suas próprias mentes o “um espaço para a expectativa”. Trata-se dum espaço de recreação mental onde, em vez de gladiadores se tem outros jogos, jogos esses através dos quais se testam as várias expectativas, de forma que adquiram um excelente tacto para um resultado possível com relação a uma expectativa particular ou outra. E então focarem a coisa. 

 
Por exemplo: " Espero ser reconhecido e ver reconhecimento pelo meu valor pessoal e pelas minhas capacidades no meu ambiente de trabalho. E agirei de forma adequada ". Isso é uma expectativa maravilhosa. 


Tudo o que precisam fazer é focar essa expectativa. Expectativas e convicções são a mesma coisa. " Eu espero que a partir de amanhã, ainda que possa experimentar apenas cinco minutos de alegria, isso venha a colorir o meu dia inteiro. É isso que eu espero ". Sintam isso aqui (apontando certamente o íntimo). 
 

PERGUNTA: Obrigado. Definitivamente estava a precisar disso. 

 
KRIS: Pois. Portanto,  não precisas esperar que as outras pessoas na tua vida continuem a ser uns ranhosos lamurientos ou uns traidores, mas ao invés que as tuas amizades em desenvolvimento venham a sofrer um incremento em ambas as vossas vidas. Uma expectativa e tanto! 

 
E quando captares e deixares que essa expectativa se enraíze de forma efectiva no teu íntimo, podes vir a escutar vozes conflituantes que procurarão convencer-te do contrário. São os ecos de todas as tuas outras expectativas bastante mais fracas e negativas, e tudo você tens que fazer é dizer-lhes: “Eu já não acredito que vocês façam parte necessária da minha existência actual. Eu escolho focar-me na minha nova expectativa, e espero que essa minha nova expectativa se desenvolva como um rebento num carvalho”. 

 
PERGUNTA: Obrigado. 

 
KRIS: É. Quando as expectativas se enraízam no indivíduo, a personalidade redirecciona as suas energias e depois procura transformar a própria realidade num reflexo dessas suas expectativas. Por exemplo, vocês pensam que a vossa realidade seja de facto composta de paredes, tetos e chãos. Estes são somente uma amálgama, uma conjugação de átomos e moléculas que se conformaram às ideias, às expectativas dos donos originais da casa, assim como dos arquitectos, dos projectistas e todas as pessoas envolvidas na criação duma impressão semi-permanente no tempo e  no espaço. 

 
PERGUNTA: Portanto, eles alimentavam uma expectativa. 

 
KRIS: É mesmo. E por causa da natureza telepática da realidade tu também captas inconscientemente essa ressonância, essa expectativa, e  também concordas que sim, que a energia se tenha equacionado nessas paredes que parecem substanciais e sólidas, ainda que na realidade não passem somente de átomos e moléculas em movimento reunidas sob a forma de uma parede ou um tapete ou uma mesa. É energia moldada numa substância. Mas primordialmente e antes de mais é consciência, energia. 
 

Os teus olhos e os teus sentidos físicos interpretam-no nessas condições, não obstante a sua realidade original poder ser completamente diferente. Os estiletes e os cones nos teus olhos (na retina) conferem-lhe uma interpretação particular, apesar de na sua verdadeira forma a coisa poder ser completamente diferente. E é por isso que a experiência humana é de certo modo tão inestimável por não ser somente um castelo (no ar?), mas muito mais do que isso.  

 
Mas é um lugar, uma dimensão onde vocês como indivíduos eternos e imortais vêm aqui com outros e aprendem a usar os poderes da criação, os poderes do pensamento a fim de dar corpo à forma, ANTES de poderem progredir para qualquer outra realidade. Porque em algumas outras dimensões não existe nenhum intervalo de tempo entre o pensamento e a organização das vossas expectativas e a sua materialização. 

 
Considerai o estado de sonho, por exemplo. Nos vossos sonhos vocês podem encontrar-se no outro lado do planeta em menos dum piscar de olhos. Vocês podem voar; podem tornar-se qualquer coisa em qualquer lugar porque o poder de vossa emoção e do vosso pensamento é imediato. Assim esta existência física constitui em parte um espaço de aprendizagem onde vocês experimentam a natureza de vossos pensamentos e das vossas expectativas. Assim, aprendem a manipular a consciência sob uma ou outra forma. 

 
Agora, antes que queimes algum fusível nós vamos fazer um intervalo, pelo que podem desligar o aparelho. 

 
(Apontamento de Marco: Não existe nenhum outro arquivo auditivo referente a esta sessão. Ou ela terminou aqui ou ninguém se lembrou de ligar o gravador.) 

Sem comentários:

Enviar um comentário